Saltar para o conteúdo

Saberão o que andam a fazer?

26 Novembro, 2010

Muito bem observado pelo blog Ecotretas. Em Setembro Sócrates dizia que as energias renováveis permitem a Portugal poupar 100 milhões de euros anuais em importações de petróleo. Em Outrubro Sócrates já dizia que a poupança era de 700 milhões.  Em Abril, Carlos Zorrinho tinha dito que a poupança era de 500 milhões. Ontem, o mesmo Carlos Zorrinho dizia que a poupança é de 800 milhões.

.

Como é evidente, comparar, como faz Carlos Zorrinho, o sobrecusto das renováveis com o que eventualmente se poupará em importações não faz qualquer sentido. O sobrecusto é já a diferença entre o que se gasta em renováveis e o que se poupa em combustíveis. A redução de importações de combustíveis não contitui um ganho para a economia nacional se essa redução for conseguida à custa de energia mais cara para o consumidor. Por detrás desse aumento de custos está um aumento do endividamento e da importação de equipamentos para construir eólicas.

Anúncios
22 comentários leave one →
  1. Maria Santos permalink
    26 Novembro, 2010 11:29

    Já se percebeu que as energias renováveis agravam a a factura do consumidor. Assim é fácil falar em poupanças pois os consumidores pagam o que consomem, pagam impostos ao estado e ainda, para além disto, contribuem para o investimento na implementação das renováveis de forma autónoma na factura mensal. Afinal quem é que poupa e o que é que se poupa? Deculpem mas naõ consigo entender

    Gostar

  2. PMP permalink
    26 Novembro, 2010 11:32

    O sobrecusto exagerado das renováveis é o resultado do mau contrato de concessão feito com a EDP quando da sua privatização e é o resultado do favorecimento dos grandes interesses privados da EDP, GALP, MARTIFER, etc. nos concursos/contratos das eólicas entre 2005 e 2008.
    Só na fase C de 2008 para pequenos produtores eólicos é que o governo implementou um processo em leilão que resultou num preço muito aceitável de 65 euros / MWh, na altura identico ao praticado em toda a rede.

    Gostar

  3. JoaoMiranda permalink*
    26 Novembro, 2010 11:43

    PMP,

    O sobrecusto das renováveis resulta da inviabilidade das ditas a partir de uma dada proporção no mix energético. Se os contratos de concessão não fossem favoráveis as empresas de energia investiriam o seu capital noutros países ou noutras áreas de actividade.

    Gostar

  4. António Parente permalink
    26 Novembro, 2010 11:52

    Muito bem.

    Gostar

  5. PMP permalink
    26 Novembro, 2010 11:57

    JM,
    O sobrecusto exagerado das renováveis resulta do favorecimento dado pelos governos PSD e PS à EDP na altura das privatizações e do favorecimento dado à EDP, GALP, Martifer, e outros grandes investidores eólicos entre 2005 e 2008, ao garantirem preços reais fixos e demasiado elevados ao longo de 25 anos.
    No entanto o mesmo governo não fez o mesmo aos pequenos investidores eólicos, pois na fase C de 2008 o preço conseguido foi de 65 euros por MW/h, ou seja ficou demonstrado o favorecimento aos grandes grupos, à custa dos consumidores de electricidade.
    Portugal não precisa de contratos de concessão que penalizem o consumidor, nem de investimentos privados sem risco à custa dos contribuintes.

    Gostar

  6. anti-comuna permalink
    26 Novembro, 2010 12:03

    Não sei como se poupou, quando se sabe que pouca produção eléctrica era feita com petróleo e seus derivados.
    .
    .
    No entanto, as importações de crude continuam a subir, mesmo com noticias saídas que mais de metade da produção de electricidade já era feita nas ditas renováveis. (Aqui incluindo a biomassa e, sobretudo, as baragens.)
    .
    “No terceiro trimestre de 2010, face a igual período do ano anterior, destacam-se os acréscimos nas entradas dos Combustíveis e lubrificantes (+18,3%) (…).”
    .
    In http://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=83102432&DESTAQUESmodo=2
    .
    .
    Claro que se poderá dizer que esta maior importação de pitroil é para reexportação, depois de transformado em combustíveis. Mas não existem provas que efectivamente se importe menos pitroil. Até porque, repito, a produção de electricidade cujo combustível era o pitroil já era baixa ou até mesmo residual em Portugal.

    Gostar

  7. anti-comuna permalink
    26 Novembro, 2010 12:05

    Aliás, eu até desconfio que se exporta electricidade devido ao excesso de produção face ao consumo. E que os preços dessa electricidade vendida estão muito abaixo dos custos de produção. O que seria ainda mais bizarro, se entendermos que estaríamos a subsidiar o consumo alheio. De países mais ricos, como Espanha, por exemplo.
    .
    .
    Se calhar, estes gajos, ainda vão mesmo meter na carola que vão exportar electricidade em barcos para os países do norte da europa. lolololololololol

    Gostar

  8. PMP permalink
    26 Novembro, 2010 12:20

    Os contratos com os grandes investidores privados nas eólicas foram mal feitos de propósito, para garantir elevadas rentabilidades à EDP, Martifer, GALP, etc.
    Bastaria ter repartida a potência eólica por mais anos e fazer sempre a atribuição ao preço mais baixo, em vez de preços fixos.
    Os 65 euros / MWh da fase C de 2008 (pequenos investidores) demonstram a viabilidade desta energia, pois esse era o preço de mercado na altura.

    Gostar

  9. JoaoMiranda permalink*
    26 Novembro, 2010 12:43

    ««Bastaria ter repartida a potência eólica por mais anos e fazer sempre a atribuição ao preço mais baixo, em vez de preços fixos.»»
    .
    E acha que o investimento seria o mesmo?

    Gostar

  10. ricardo permalink
    26 Novembro, 2010 13:02

    “A redução de importações de combustíveis não contitui um ganho para a economia nacional se essa redução for conseguida à custa de energia mais cara para o consumidor. Por detrás desse aumento de custos está um aumento do endividamento e da importação de equipamentos para construir eólicas.”
    É isso mesmo.
    No entanto como explicar a cabeças sem o software necessário para o compreender?

    Gostar

  11. PMP permalink
    26 Novembro, 2010 13:02

    Em todos os concursos houve um excesso de propostas de investimento face á quantidade disponivel.
    Só por compadrio é que o governo manteve os preços altos de 2005 até finais de 2008 em vez de colocar sempre lotes em leilão ao preço mais baixo, o que só fez para uma pequena parte da potência no final do processo.

    Gostar

  12. Lionheart permalink
    26 Novembro, 2010 14:57

    “Por detrás desse aumento de custos está um aumento do endividamento e da importação de equipamentos para construir eólicas.”

    Shiu! Não se pode dizer mal da Alemanha e da “Europa”! Foi tudo para nosso bem, seu ingrato. Nós é que não soubemos aproveitar tal política “generosa” e “desinterassada”! E o Sócrates sempre foi um grande “patriota”.

    Gostar

  13. PMP permalink
    26 Novembro, 2010 15:35

    Como o vento é grátis e o gás natural não é, faz sentido produzir electricidade eólica se o investimento for moderado, o que é exactamente o caso.
    Não esquecer que o fornecimento de gás natural pode vir a ser reduzido e que o seu preço subiu de 2003 a 2008 continuamente, colocando as eólicas em paridade com o gás natural nessa altura, com a vantagem de não aumentar o déficit externos (só 30 a 40% do investimento é importado).

    Gostar

  14. ping pong permalink
    26 Novembro, 2010 17:42

    Bastava investir em investigação metade do dinheiro do investimento que se anda a fazer na implementação destas tecnologias obsoletas .. talvez daqui a 20 anos tivéssemos tecnologias alternativas competitivas (nuclear, hidrogénio, baterias mais eficientes e porque não fotovoltaicas/ eólicas/ marés) .. só nessa altura se justificaria a implementação no terreno das mais competitivas relativamente ao um preço do petróleo comparativamente desinteressante. Quiseram antecipar tudo atabalhoadamente por pressão das políticas climáticas alarmistas, manipuladoras e cientificamente infundadas do IPCC .. e o preço dessa aventura já está a causar danos nas economias dos países mais atrevidos e sem dinheiro para mandar cantar um ceguinho, como Portugal (para não falar do negócio especulativo bolsista das quotas de CO2) .. e o regabofe continua.

    Gostar

  15. PMP permalink
    26 Novembro, 2010 17:52

    A energia eólica já é competitiva com novas centrais a Gas Natural, usando uma taxa de desconto de 6% ou 7%, pois o vento é grátis o Gas Natural não é. Além disso dá-nos independência energética, ou seja é uma espécie de seguro caso o Gas Natural volte aos preços de 2007-2008.

    Gostar

  16. Nuno permalink
    26 Novembro, 2010 22:30

    Não se pode comparar directamente o custo de importar combustíveis fósseis (contributo negativo para o PIB) com o custo das renováveis (contributo positivo para o PIB). As renováveis estão a contribuir para o crescimento da riqueza nacional.

    Gostar

  17. Alexandre permalink
    26 Novembro, 2010 22:52

    “Aliás, eu até desconfio que se exporta electricidade devido ao excesso de produção face ao consumo. E que os preços dessa electricidade vendida estão muito abaixo dos custos de produção. ”

    Anti-comuna, e desconfia muito bem.

    Veja os seguintes links:
    http://a-ciencia-nao-e-neutra.blogspot.com/2010/01/demonstracao-grafica-do-absurdo-eolico.html
    http://a-ciencia-nao-e-neutra.blogspot.com/2010/01/ainda-o-negocio-com-peras.html

    Gostar

  18. Jac permalink
    27 Novembro, 2010 10:52

    Cada vez mais portugueses começam a entender o buraco em que este governo nos meteu com as “políticas energéticas” de vanguarda. Como se o país tivesse dinheiro para embarcar nas aventuras das renováveis! Um dos melhores lugares para recolher informação sobre o assunto, fornecida por quem sabe o que diz, é no blog http://a-ciencia-nao-e-neutra.blogspot.com/2010 . Recomendo vivamente a quem se interesse por estes temas a fazer uma visita. Não publica com frequência, mas o que publica é de qualidade!
    http://a-ciencia-nao-e-neutra.blogspot.com/2010

    Gostar

  19. PMP permalink
    27 Novembro, 2010 11:13

    O sobre-custo das eólicas é devido aos maus contratos feitos pelo governo de 2005 a 2008, que favoreceu escandalosamente grandes empresas e investidores, como a EDP, Martifer, Galp, etc.
    No final de 2008 na fase C do concurso das eólicas para pequenos investidores o preço foi de 65 euros / MWh, muito abaixo dos 95 anteriores e idêntico ao praticado no mercado nessa altura.

    Gostar

  20. Animal permalink
    27 Novembro, 2010 16:31

    O Miranda e a confusão de conceiros.
    Diz a religião Mirandeira:
    É sempre melhor importar a um preço X que produzir cá dentro a X+Y seja qual forem os valores de X, Y, a balança de pagamentos e as divisas ou crédito que tomos para importar. Dou-lhe um treze na escala de 10 a 20 ( o que não lhe augura nada de de mau no circo mediático – aí há muitos 0nzes a “brilhar”).

    Já agora atentem na pérola do esforçado : “O sobrecusto é já a diferença entre o que se gasta em renováveis e o que se poupa em combustíveis”. E o animal a pensar que sobrecusto era a diferença entre duas operações alternativas da mesma natureza…

    Gostar

Trackbacks

  1. O pesado custo da subsidiação das energias renováveis « O Insurgente
  2. Saberão o que andam a fazer « Auto Jardim Racing

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: