Saltar para o conteúdo

Renegociar as PPP

17 Abril, 2012

Quando as pessoas falam em renegociar as PPP falam disto: Argentina expropria 51% da YPF à Repsol

Não é a primeira vez que um estado sul americano procede a este tipo de renegociação de PPPs com empresas estrangeiras. Nesta matéria, a  Venezuela vai à frente da Argentina, pelo que os argentinos podem assistir ao que os espera com algum tempo de antecedência.

Anúncios
21 comentários leave one →
  1. neotonto permalink
    17 Abril, 2012 10:07

    “Não é a primeira vez que um estado sul americano procede a este tipo de renegociação de PPPs com empresas estrangeiras”

    O JM anda a recordar neste momento…qual caso?

    Gostar

  2. Ricciardi permalink
    17 Abril, 2012 10:25

    Bem, digamos, caro JM, a Argerntina não fez nacionalização nem expropriação alguma à petrolifera.
    .
    Fez, isso sim uma OPA hostil, que é um termo mais aceitavel nas hostes libertárias que gostam muito de substituir as palavras pelas ideias. Sendo assim, meu caro, se os Gringos nacionalizaram algumas empresazinhas, por que raios não o pode fazer a Argentina, sobretudo se for para prevenir eventuais abusos decorrentes de negócios do estilo luso nas PPP’s. Olhe, era uma excelente ideia fazer uma OPA hostil à Lusoponte. A avaliação, ou preço da empresa, deveria descontar o risco país, que é imenso, como os poços sem fundo.
    .
    Rb

    Gostar

  3. Ricciardi permalink
    17 Abril, 2012 10:34

    Mas olhe que, se os Chineses da EDP, um dia quiserem fazer qualquer-coisinha que possa de alguma forma afectar a independencia naional na produção de energia, do tipo concentrar os serviços algures numa participada espanhola da Gorges, ao governo cabe fazer contraiar esses movimentos.
    .
    Mas descançe, meu caro, enquanto houver rendas para receber os chineses não irão fazer isso. Não são tão estúpidos assim.
    .
    Rb

    Gostar

  4. aremandus permalink
    17 Abril, 2012 10:53

    achamos justo!

    Gostar

  5. castanheira antigo permalink
    17 Abril, 2012 11:30

    As PPP em Portugal são um caso de má gestão , abuso de poder , tráfico de influências e até corrupção , feito por políticos eleitos , tudo em nome dos portugueses . É um caso para a Justiça portuguesa .Mas como esta está capturada pelos partidos e pela maçonaria , nada será investigado e os portugueses continuarão a ser sugados.
    Os casos da Venezuela e Argentina são casos politicos e não do sistema de justiça.

    Gostar

  6. von permalink
    17 Abril, 2012 11:53

    Querer confundir uma expropriação, com claro prejuízo para a empresa, e as PPP com actuais a claríssimas vantagens para as empresas, é fantasia. Uma renegociação das PPP, apenas reduziria essas vantagens, não as cancelando. Aliás, a própria criação da figura das PPP nos moldes contratados, parece-me um claro abuso de poder não mandatado pelo voto. Defender as PPP, como o caro escriba mantém, parece-me uma de duas: ou prefere o país prejudicado pelo interesse empresarial privado, ou tem interesse na matéria. Quer esclarecer?

    Gostar

  7. António permalink
    17 Abril, 2012 13:52

    É bom não esquecer que o GOV da Venezuela é dos maiores detentores de divida publica Argentina. Um péssimo negócio aliás. E “não há almoços grátis”.

    Gostar

  8. von permalink
    17 Abril, 2012 14:54

    Há almoços grátis, há. Muitíssimos. Enormes. Inconsequentes. Mas que os há, há. Saberão os que almejam a honestidade dizer o nome dos comensais?

    Gostar

  9. Ricardo Monteiro permalink
    17 Abril, 2012 15:57

    Penso que neste caso foi uma OPA hostil por parte do estado argentino. A Repsol reclama que o governo usou várias “manobras” para fazer baixar o preço das acçoes, como fazer circular boatos e rumores. Mas nada que não se faça SEMPRE que a OPA é hostil. Enfim, o mercado ao seu melhor nível.

    Gostar

  10. Carlos Dias permalink
    17 Abril, 2012 16:26

    Esclarecer e rectificar contractos ruinosos e mal esclarecidos entre o Governo e entidades particulares, é uma regra habitual na gestão (qualificada como crime).
    O que aconteceu na Argentina foi um facto político.
    Viver em Portugal sem perceber a bandalheira em que nos meterem a todos (alguns), é pedir para sermos tratados como aquilo que somos.
    Patetas.
    E isto não é de esquerda nem de direita, é estar atento aos círculo de amigos que se formam.
    Fazer e desfazer contractos em prejuízo da população e não tocar nos contractos dos amigos?
    Milagre português?
    Só se for no inferno.

    Gostar

  11. Carlos permalink
    17 Abril, 2012 17:46

    “Quando as pessoas falam em renegociar as PPP falam disto:”, está enganado isto é o que acontece quando não se renegoceia as PPS!!

    Gostar

  12. jose silva permalink
    17 Abril, 2012 18:18

    Caro Jm,
    qual é o problema se afastarmos durante décadas os «investidores» em PPP rodoviárias ?

    Gostar

  13. JoaoMiranda permalink*
    17 Abril, 2012 18:48

    jose silva,
    .
    Os investidores noutros sectores são parvos, certamente.

    Gostar

  14. Alexandre Gonçalves permalink
    17 Abril, 2012 19:54

    Desculpe lá João Miranda, mas o cú não tem nada a ver com as calças.
    Uma coisa é nacionalizar, roubar, outra coisa é um devedor (o estado) negociar com os credores (ppps) uma renegociação da dívida dado que não vai ter dinheiro para as pagar. Tal como uma empresa em dificuldades negocia com os fornecedores quando entra em insolvência.
    Diga-me, acha que o estado vai ter dinheiro para pagar as PPPs? E se não tiver, acha que deve “nacionalizar” o bolso dos contribuintes para as pagar?
    E se não tiver dinheiro, de entre os vários credores do estado porque razão hão-de se estes o privilegiados? Os pensionistas também são credores em igual medida e já lhes foram ao bolso. Para mim o negócio é o mesmo. Fizeram um acordo investindo dinheiro no estado, para depois reveberem umas rendas. E essas já foram renegociadas unilateralmente.

    Gostar

  15. Alexandre Gonçalves permalink
    17 Abril, 2012 19:57

    JoaoMiranda
    Posted 17 Abril, 2012 at 18:48 | Permalink

    jose silva,
    .
    Os investidores noutros sectores são parvos, certamente.

    Que outros sectores?

    Gostar

  16. 17 Abril, 2012 21:05

    o que espera os argentinos
    é aquilo pq passam os venezuelanos
    e os cubanos
    SOCIALISMO EM DIRECÇÃO À FOME E À MISÉRIA

    Gostar

  17. PMP permalink
    17 Abril, 2012 23:01

    As PPP’s agora produzem petroleo, ou são apenas aldrabices ?

    Gostar

  18. Fincapé permalink
    18 Abril, 2012 13:01

    Nalguns casos, em Portugal, expropriar seria muito pouco. Expropriar e responsabilizar através dos tribunais, seria muito mais justo. Se houvesse tribunais, claro!

    Gostar

  19. aremandus permalink
    18 Abril, 2012 14:09

    o Bronco do Sátiro acha que meio milhão de portugueses emigraram para a venezuela para passarem fome…quantos venezuelanos vivem por cá?
    a ignorância,meu deus…

    Gostar

Trackbacks

  1. PPP e o Petróleo Argentino, um combustível original | Aventar
  2. PPP e o Petróleo Argentino, um combustível original – Aventar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: