Skip to content

Fechem lá as escolas privadas!

9 Maio, 2016

Ouçam, querem fechar as escolas privadas, deixem fechar. Vai ser chato para os socialistas e bloquistas, que terão que colocar os filhos na escola pública, mas se nós sobrevivemos, eles também sobreviverão.

Anúncios
45 comentários leave one →
  1. bintoito permalink
    9 Maio, 2016 23:08

    Não haja ilusões. Se para a saúde criaram a ADSE, para o ensino inventariam uma coutada também exclusiva proibida a estranhos da mama.

    Liked by 1 person

    • 10 Maio, 2016 01:19

      Pode crer

      Gostar

    • Almeida permalink
      10 Maio, 2016 11:21

      Olhe que a extrema esquerda (BE) é contra a ADSE…

      Gostar

      • Fernando S permalink
        10 Maio, 2016 12:04

        Não, não é …
        É até a favor do alargamento da ADSE a mais familiares dos funcionários publicos.
        Só não é a favor do alargamento … a toda a gente !
        Os outros que se arrangem com o sistema estatal (SNS) !!

        Gostar

      • Almeida permalink
        10 Maio, 2016 14:59

        Errado, Fernando. Quem defende (ou defendeu) isso, foi o Costa. Os outros (BE) sempre defenderam a integração de todos na Serviço Nacional de Saúde.

        Gostar

      • Fernando S permalink
        10 Maio, 2016 15:36

        “Todos” são os que não são funcionários publicos e familiares !!…
        Que continuam remetidos para o estatal SNS !!
        O que o BE quer é alargar os beneficiarios da ADSE … aos familiares dos FP… sem pagarem mais por isso !…
        Ou seja, ainda mais privilégios para os FP … provavelmente à conta do orçamento (não pagam mais e o BE até diz que a actual taxa de 3,5% deve baixar) , ou seja à conta de “todos” os outros !!

        http://www.jornaldenegocios.pt/economia/saude/detalhe/bloco_quer_conjuges_na_adse_mas_sem_terem_de_descontar_35_do_salario.html

        É positivo alargar a ADSE aos cônjuges e filhos até 30 anos, defende o Bloco de Esquerda. Mas os cônjuges e filhos não devem descontar sobre o seu salário.”
        (…)
        “A abertura da ADSE a outras pessoas que não funcionários públicos (e respectivos familiares) “não faz sentido”, porque “estaria a alargar o acesso de utentes aos hospitais privados com prejuízo claro para o SNS”. Por isso, “a ADSE deve manter-se como um sistema fechado aos funcionários públicos e às suas famílias”.”

        Gostar

      • Almeida permalink
        10 Maio, 2016 15:47

        Convém ler os textos até ao fim e interpretá-los. Se o tivesse feito, teria percebido que a estratégia da senhora visava evitar o financiamento das instituições privadas de saúde e a defesa do SNS. Aliás, no mesmo Observador, aconselho um texto escrito a este propósito pelo Conraria.

        Gostar

      • Fernando S permalink
        10 Maio, 2016 16:37

        Que a “senhora” tem uma “estratégia” que visa “evitar o financiamento das instituições privadas de saúde e a defesa do SNS” creio que toda a gente percebeu.
        Embora convenha desmontar os termos e precisar de que não se trata :
        (1) do Estado “financiar” instituições privadas de saude mas antes de recorrer aos seus serviços pagando esse serviços
        (2) da “defesa” do SNS mas antes da defesa do seu gigantismo e burocratismo estatal agravando assim os problemas do seu fianciamento e a sua ineficiência.

        Mas, seja qual for a estratégia, a verdade é que o Bloco de Esquerda e a “senhora” não são contra a ADSE.
        Antes pelo contrario, são pela manutenção e o alargamento da mesma apenas para os funcionários publico e familiares.
        E são, portanto, apenas (o que já é muito) contra o alargamento da ADSE a todos os cidadãos.

        Gostar

  2. Arlindo da Costa permalink
    9 Maio, 2016 23:18

    Fechar não, pois somos pela liberdade!
    Mas que vivem sem os impostos dos contribuintes.
    É preciso fazer um desenho?

    Gostar

    • Fernando S permalink
      9 Maio, 2016 23:33

      “Mas que vivem sem os impostos dos contribuintes.”

      Sim, os impostos são dos contribuintes, não são dos funcionários do Ministério da Educação e do Sindicato dos Professores !!

      Que os impostos dos contribuintes não sejam utilizados para manter escolas estatais sub-utilizadas, com custos elevados e um ensino de fraca qualidade !!

      Que os impostos dos contribuintes sejam utilizados para permitir que cada familia possa escolher livremente em que escola deseja ver o seu filho !!

      Liked by 1 person

      • Bolota permalink
        10 Maio, 2016 00:04

        S

        Porque escreveste tão pouco, tu que escreves sempre tanto???? É a 2ª comentário que te faço, o outro…

        Abraço

        Gostar

      • Fernando S permalink
        10 Maio, 2016 00:10

        Bolota,

        É para não te cansar !!…. 😉

        Abraço

        Gostar

    • Carlos Alberto Ilharco permalink
      10 Maio, 2016 00:30

      Pela resposta que teve, a que não respondeu, estamos á espera do tal desenho.

      Gostar

  3. Prova Indirecta permalink
    9 Maio, 2016 23:37

    Só fecham as subsidiadas , para os remediados da classe média . As outras privadas , não . ( para o bolso de deputados , ministros , secretarios de estado , chefes de gabinete , gestores , vogais , directores de EP’ s , presidentes de câmara …)

    Liked by 1 person

  4. Artista português permalink
    9 Maio, 2016 23:38

    Se julgam que o colégio Moderno vai fechar ou deixar de receber subsídio, estão muito enganados….

    Liked by 2 people

    • Abre-latas permalink
      10 Maio, 2016 02:59

      O Colégio Moderno não recebe subsídios … destes!
      Não se misturam com a plebe.

      Liked by 1 person

  5. 9 Maio, 2016 23:46

    PRIMEIRO PASSO-FECHAR O COLÉGIO MODERNO

    Gostar

  6. 10 Maio, 2016 07:47

    Empresa incompetente para sobreviver sem subsídio é empresa que deve falir e dar lugar a quem seja capaz de competir no mercado. Chama-se a isso “capitalismo”.

    Gostar

    • Abre-latas permalink
      10 Maio, 2016 08:35

      Está a falar da escola pública, não é?
      Incompetente para sobreviver sem subsídio e não competitiva no mercado.
      Se quer fazer o “teste do algodão” do “capitalismo”, dê às duas as mesmas condições financeiras e veja qual o “mercado” escolhe.

      Gostar

  7. Zé dos Bois permalink
    10 Maio, 2016 09:10

    Seria muito interessante saber quantos destes políticos que enchem tanto a boca com a defesa da escola pública, têm os filhos a estudar em colégios privados. Aposto que são quase todos.

    Liked by 1 person

  8. ana paula permalink
    10 Maio, 2016 09:41

    que ignorância e maldade

    Gostar

    • 10 Maio, 2016 11:32

      Que ignorância ó fitas?

      A ignorância é v. que apenas defendem o tacho estatal. Fora do Estado não eram gente

      O resto que se lixe. Alguém tem de pagar esta bolsa de funcionalismo público para o voto e não são os próprios. Quando têm de ser também os próprios- estes imbecis estatistas desatam aos berros que a culpa é da Direita capitalista e da banca e do raio que o parta.

      Porque esta gente acredita que o dinheiro chove do céu.

      Gostar

  9. insider permalink
    10 Maio, 2016 10:34

    a essas escolinhas privadas não se aplica a “norma” do utilizador/pagador?

    Gostar

    • Fernando S permalink
      10 Maio, 2016 11:06

      No caso das escolas privadas com contratos de associação, o “utilizador” é o … Estado !!

      Por isso é que não faz sentido falar de um “subsidio” do Estado à escola privada mas sim do pagamento pelo “utilizador/pagador” (o Estado) de um serviço publico educativo prestado pela escola privada.

      Liked by 1 person

      • 10 Maio, 2016 11:35

        São bestas. Esta canalha é besta e nem percebe que o o ensino público é pago- é pago pelo contribuinte.

        Estão-se nas tintas para o facto do contribuinte poder pagar menos se o estatismo não tiver de carregar com uma casta de profs vitalícios até à reforma.

        A única trampa que os incomoda é poder tocar nos tachos e poder haver gente que não é sustentada pelo contribuinte a ter algum lucro.

        A lógica da escardalhada é só esta- se há lucro é porco capitalista- se formos todos à bancarrota a culpa é do capitalista.

        Porque o Estado e o estatismo socializante só gera riqueza igualitária.

        Liked by 1 person

      • Bolota permalink
        10 Maio, 2016 14:12

        S

        Melhor que tu apenas o Marques Mendes e os seus direitos aquiridos por parte dos colégios.
        Quando foi no caso dos feriados e quejando não era bem assim, parece que nem havia direitos nenhuns, Pequenino mas macaco.

        Deve é estar a mamar de um colégio qualquer como conselheiro ou coisa que o valha
        Tu és melhor do que dizes aqui, logo é um desperdicio.

        Gostar

      • Fernando S permalink
        10 Maio, 2016 14:31

        Bolota,
        Não percebi o que é que o teu comentário tem a vêr com o meu …
        Não falei em nenhuns “direitos adquiridos” !…

        Gostar

  10. Almeida permalink
    10 Maio, 2016 11:23

    Estabelecimentos de ensino que têm a liberdade de seleccionar alunos, não devem receber qualquer subsídio do Estado. Defender o contrário é alimentar a mama das empresas encostadas que gostam muito da concorrência… para os outros.

    Gostar

    • Luís permalink
      10 Maio, 2016 11:29

      Como é que você que garantir qualidade sem selecionar alunos????

      Gostar

      • Almeida permalink
        10 Maio, 2016 15:02

        Luís:
        Provavelmente você disse muito mais do que queria, mas fez o comentário mais sincero que por aqui se lê 🙂

        Gostar

    • 10 Maio, 2016 11:31

      De acordo. Acabem com as escolas públicas todas!

      Liked by 1 person

      • 10 Maio, 2016 11:37

        Se pudessem acabavam mesmo. E voltavam a correr com os “capitalistas” de Portugal.

        Só não voltavam às ocupações porque aí era chato e tinham de ocupar-se uns aos outros.

        Gostar

    • Fernando S permalink
      10 Maio, 2016 12:54

      Os “subsidios” são “dados” pelo Estado mas o dinheiro não “é nosso, do PS”, é dos contribuintes !!

      Mas as escolas privadas com contratos de associação nem recebem “subsidios” do Estado – são pagas pelo Estado pela prestação efectiva de um serviço publico de ensino.
      Prestação que, por sinal, até fica menos caro ao Estado e é de melhor qualidade do que nas escolas estatais.

      Mas qual “concorrência” entre empresas ?!…
      Não reparei que o Almeida e os seus amigos defendam que haja mais contratos de associação com mais empresas privadas para haver mais concorrência !…
      Reparei que querem antes o contrario : menos ou nenhuma escolas privadas contratadas pelo Estado e nenhuma concorrência entre escolas públicas e privadas !!

      Liked by 1 person

      • Almeida permalink
        10 Maio, 2016 15:22

        Quem são os meus “amigos” que você para aí refere, tentando agitar fantasmas à falta de argumentos?

        Mas quais contratos de associação com empresas privadas? Ainda não reparou que sou totalmente contra os apoios estatais à iniciativa privada? Sou-o, como o é qualquer defensor do mercado como regulador, a menos que seja funcionário bancário ou de qualquer sector resguardado da concorrência- o que, infelizmente, tem proliferado entre nós. Aliás, é curioso ver cair a máscara aos supostos liberais que por aqui comentam (bem diz o vitorcunha que nunca haverá condições para que um Partido Liberal veja a luz do dia).

        Quanto aos colégios e à falta de tomates para alterar a constituição, a coisa é simples: cumpre o inicialmente definido nos contratos de associação- isto é, cobre uma necessidade que a rede pública não cobre- ou trata-se de um investimento que alguém decidiu fazer por acreditar num projecto, ou por outro motivo qualquer? Se está no 1º caso, o Estado deve pagar-lhe o serviço, exigindo no entanto que cumpra o que é exigido na admissão de alunos do público. Se está no 2º caso, quem para lá quiser ir que pague, que foi o que eu fiz quando precisei de tais serviços. Recordo-lhe que os melhores colégios portugueses, com uma história muito anterior a 1974, nunca precisaram de contratos de associação.

        Gostar

      • Fernando S permalink
        10 Maio, 2016 16:43

        Resposta ao comentário do Almeida aqui em baixo …

        Gostar

    • Abre-latas permalink
      10 Maio, 2016 17:36

      Vou citar um amigo dentro do sistema de escolas PÚBLICAS de Lisboa:
      A escola x não aceita pretos nem ciganos, a escola y não aceita alunos com notas baixas e prefere os alunos filhos de funcionários da sede de uma instituição bancária da zona aos filhos de moradores, a escola z pressiona (persegue) alunos com más notas a sair, a escola n faz seleção de alunos por notas. Depois há as escolas onde são despejados todos os alunos que sobram.
      Então é ver os jogos dos paizinhos para conseguir lugar para os filhos nas melhores escolas.
      Socialismo é bom mas é para os outros!
      Por isso apoio o Almeida:
      Estabelecimentos de ensino [públicos ou privados] que têm a liberdade de seleccionar alunos, não devem receber qualquer subsídio do Estado.

      Gostar

  11. Fernando S permalink
    10 Maio, 2016 16:23

    Os seus “amigos” são os pensam o mesmo… (ou não há ?!…)
    Não são “fantasmas”, não é nenhuma insinuação, não pretendo ser ofensivo, não há razão para ficar nervoso e se tornar agressivo e desagradável …
    Se pode ajudar a acalmá-lo, eu também tenho os meus “amigos” politicos, que pensam o mesmo que eu (espero e suponho que existam …), da minha área politica, etc, tudo o que quizer … Ok ?!…

    Eu também sou “totalmente contra contra os apoios estatais à iniciativa privada”.
    Mas, no caso em discussão, das escolas privadas com contratos de associação, não é de “apoios” ou “subsidios” que se trata.
    O Estado, cliente, paga às escolas privadas por um serviço educativo efectivamente por elas prestado.
    De resto, o Almeida também acaba por reconhecer que é assim quando escreve algures que “o Estado deve pagar-lhe [à escola] o serviço”.

    O que eu não percebi bem é se o Almeida é ou não favorável a um alargamento dos contratos de associação a mais escolas privadas … Ou melhor, pareceu-me que não é !!…
    Eu sou claramente a favor.
    Porquê ?
    Porque já ficou provado que as escolas privadas contratadas ficam mais baratas para os contribuintes e prestam um serviço publico com melhor qualidade às familias.

    Quanto à selecção de alunos pelas escolas privadas é um falso problema.
    Desde logo porque, que eu saiba, as escolas estatais também seleccionam alunos, todas ao exigirem aproveitamento no nivel de ensino imediatamente inferior, e aquelas que praticam o “numerus clausus” com base nas notas.
    Mas também porque, para além da natural prioridade dada a quem tem melhores notas quando o numero de candidatos é superior ao numero de vagas disponiveis, as escolas privadas até aceitam todos os alunos … desde que sejam pagas para o efeito.
    O que acontece é que, ao contrario das escolas estatais, as escolas privadas têm critérios e padrões exigentes de comportamento e aproveitamento que podem levar à exclusão dos alunos que não os satisfazem.
    Se as escolas publicas “normais” também rejeitassem os alunos “problemáticos”, o mais certo era, ao fim de algum tempo, existirem muito menos “alunos problemáticos”, dentro e fora das escolas.
    O exemplo acabaria por estimular as familias e os proprios alunos a terem mais cuidado com os comportamentos.
    Esta é uma das razões que explicam porque é que as escolas privadas teem menos “alunos problemáticos”. Porque os que o eram à partida deixaram de o ser para não serem excluidos e terem de voltar para o ensino publico ou de ir para escolas privadas menos prestigiadas.
    De qualquer modo, se o Estado estivesse disponivel para pagar o preço, estou certo de que apareceriam logo escolas privadas disponiveis para aceitar todos os alunos, incluindo os “problemáticos”.
    De resto, não é verdade que as escolas privadas não tenham alunos “problemáticos”.
    Inclusivamente, há familias que os tiram das escolas publicas e os põem no privado precisamente por serem … “problemáticos”.
    Mas, se mesmo assim, existisse sempre uma percentagem de um tipo de alunos “problemáticos” que não são aceites nas escolas do privado, então caberia ao Estado encontrar soluções especificas, eventualmente até através de estabelecimentos publicos.
    Uma das funções do Estado é precisamente a de se ocupar das situações que o sector privado não está disponivel ou não é capaz de tratar.
    Não é certamente fazer o que o privado faz melhor e com menores custos para os contribuintes.

    Gostar

    • 10 Maio, 2016 20:53

      O argumento é este: por que carga d’água terão os filhos dos pobres de aturar os desvarios do Mérdio Nogueira? Porque é que um pai não pode escolher para o seu filho senão ser educado em mediocridade com os impostos que, na verdade, lhe são previamente roubados?

      Não valia mais a pena que pudesse aplicar o dinheiro da parte desses impostos que estão a suportar a educação de um filho numa escola onde ele, pai, achasse que o filho maximize as suas capacidades educativas?

      Se um aluno bem educado ganhar EUR 40000 por ano pagará três vezes mais impostos directos do que aquele que ganha EUR 25000 por ano. E é essa a diferença entre o Colégio da Nossa Senhora da Futura Esperança e, ao lado, a Escola Doutor Tiago Imbecil. Mesmo se ambas custassem o mesmo ao Estado (e não custam), é melhor a escola privada.

      A escola pública — após a sua fase não-educativa, isto é, durante o resto da vida — acaba por custar muito caro aos contribuintes. Em Portugal custa mais fazer um imbecil para o RSI que um trabalhador verdadeiramente independente e bastado. E o primeiro rende muito menos que o segundo.

      A Esquerda diz apoiar os pobres, mas vejo que está bem ocupada em apoiar a pobreza.

      Liked by 2 people

    • Almeida permalink
      10 Maio, 2016 21:56

      “Desde logo porque, que eu saiba, as escolas estatais também seleccionam alunos, todas ao exigirem aproveitamento no nivel de ensino imediatamente inferior, e aquelas que praticam o “numerus clausus” com base nas notas”.

      Mesmo que isso fosse verdade (e por lei não pode ser), apenas seria hipoteticamente possível no secundário, já que nos ciclos anteriores a maioria dos alunos estão nos chamados “agrupamentos” que vão do 1º ao 3º ciclos. Sucede que, agora, vários desses agrupamentos também têm secundário, logo, o que diz não é possível.

      “Se as escolas publicas “normais” também rejeitassem os alunos “problemáticos”, o mais certo era, ao fim de algum tempo, existirem muito menos “alunos problemáticos”, dentro e fora das escolas”.

      Sucede que, por lei, não o podem fazer. Até aos 18 anos os jovens portugueses estão integrados em estabelecimentos de ensino, não havendo alternativa. A menos que cometam um crime grave abrangido pela Lei tutelar educativa (podendo, nesse caso, ser institucionalizados), têm que permanecer na escola que não pode ter nos seus regulamentos qualquer medida de selecção.

      “há familias que os tiram das escolas publicas e os põem no privado precisamente por serem … “problemáticos”.

      Como disse anteriormente, já tive que recorrer ao serviço de uma instituição privada de ensino de que só posso dizer bem. No entanto, trata-se de uma que não necessita de qualquer pagamento do estado, até porque já existia muito antes… deste estado (antes de 74). Ao que aí assisti e me foi confirmado, foi a um aumento da procura a partir do 10º ano, não porque os pais procurassem um aumento qualitativo na formação dos filhos (o liceu daquela área é dos que ocupa os primeiros lugares dos rankings), mas porque o privado tem fama de dar melhores notas de frequência e, desse modo, facilitar as candidaturas ao ensino superior. Naquele colégio tinham azar, mas a fama prece ter razão de ser. Aliás, quando para aí andaram a discutir as virtudes dos exames, estranhei que ninguém reivindicasse que as médias de frequência deixassem de contar. Ou bem que há exames, ou bem que não há!

      Sobre os custos de alunos no privado e no público, bem como sobre as generalizações da respectiva qualidade de ensino, não me pronuncio porque não tenho dados suficientes. Mas os que por aqui andam, também não parecem tê-los.

      Gostar

      • 10 Maio, 2016 22:02

        Cuidado ao escrever essas coisas nesse computador estatal. Não direi público, que o café aqui diz que é um estabelecimento público.

        Gostar

      • Almeida permalink
        10 Maio, 2016 22:43

        vitorcunha:
        Se tem alguma coisa válida a dizer, diga. Não se preocupe com o meu computador porque, ao contrário do que provavelmente acontece consigo (penso que é prof. universitário), por aqui é tudo privado. Até o emprego.

        Gostar

      • 10 Maio, 2016 22:49

        Eu disse. O Almeida é que parece preferir confundir estatal com público sem reparar que não há supermercados estatais e as pessoas comem na mesma.

        Liked by 1 person

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: