Skip to content

Sobre a “crise aberta no PSD”

2 Outubro, 2017

Aqui, que ninguém nos ouve, tenho a dizer que isto de ver facadas no PSD é um daqueles entretenimentos que cultivo com a morbidez característica dos há-muito desiludidos. Há muito, muito tempo, que o PSD não é bem um partido, é mais uma amálgama de inevitáveis adversários aos detentores oficiais do regime e que, por inerência da constitucional função de assegurar uma aura de pluralismo a este país onde Judas deixou as botas retidas num condomínio que impediu alojamento local, lá vai chegando ao poder para distribuir algum bem-estar pelos mais lestos a perceberem o funcionamento da coisa. A República 25 de Abril, aquela em que nasci, caracteriza-se por ser um daqueles regimes africanos com particular apetência para o teatro. É um regime de tal forma dotado de talento representativo que consegue convencer meia-ONU e os cinzentos distraídos de Bruxelas que até é uma democracia. Somos mesmo muito bons nisso: convencemos as pessoas de que podem escolher alguma coisa, elas vão lá voluntariamente (cada vez menos, é certo), e toda a gente fica convencida que escolheu mesmo alguma coisa. “Para a próxima és tu”, deverá dizer-se algures em corredores cheios de aspirantes à arte de representar sem cara de pau.

O regime é do PS. O dinheiro é do PS. O PS dá. Toda a gente sabe disso. O PSD existe porque um regime precisa de oposição para aparentar alguma seriedade.

De vez em quando, uns patuscos do PSD lembram-se da ideia do Bloco Central. Para quem não sabe, o Bloco Central é aquele arranjo que, quando possível, permite que toda a gente faça pela vidinha ao mesmo tempo em vez de ter que andar à espera das sobras de quem andou a fazer pela vidinha antes. Seria de supor que o Bloco Central geraria a situação mais favorável para a população: as coisas mantinham-se estáticas, não era preciso mudar os programas do Ministério da Educação de quatro em quatro anos, quem já tinha escolhido o BMW só tinha que o ir trocando pelo modelo superior e toda a gente poderia começar a viver uma vida tranquila sem ter que optar por um ou outro clube de forma tão tribalista. Porém, as coisas não são assim porque os recursos são limitados. De forma a que se possa esmifrar o mais possível no mais curto espaço de tempo, torna-se necessário que sejam poucos a simultaneamente fazer o mesmo. Por outro lado, é preciso culpar alguém quando as coisas correm mal — daí que seja conveniente para todas as partes ir aceitando o jogo da alternância.

Para se constituir um Bloco Central é necessária a colaboração do CDS. Para que aconteça, o CDS tem que fingir ser um partido de extrema-direita, extremamente conservador, beato, um cliché contrastante com o do típico comunista ateu da Dialética. Isso permite que a comunicação social identifique o PSD como estando à esquerda do CDS, a condição necessária para o PS poder “dar-se” com esse partido da oposição por definição. É que isto das coligações, em Portugal, só funciona com adjacentes. Ora, actualmente, o CDS sabe que não vem nada ao caso essa coisa do Bloco Central, vai daí, toca a posicionar-se ao lado do PS, impedindo a possibilidade dos patuscos se sentarem na cadeira do lado. É relativamente fácil de conseguir: já foi tratando a Direita (e “Direita” significa “aquele que está para lá do PS num dado momento”) por “fascista”, agora é mais ou menos da mesma maneira, adaptando apenas o léxico à contemporaneidade (“liberal”, “radical”, “extremista”, “racista”, “xenófobo”, “pessoa que não frequenta buracos de Formentera”,…)

Vai daí, não há ninguém para substituir Passos Coelho no PSD. O PS precisa que o PSD mantenha a etiqueta de extrema-direita que lhe colou, com a ajuda (ou sentido de oportunidade) do CDS. Não há ninguém para ocupar esse lugar ingrato. É por isso que, caso o PS venha a perder a maioria absoluta que lhe está destinada nas próximas legislativas, ganhando apenas as eleições (Costa é bastante aselha no que concerne a ganhar eleições — é mau actor), não será necessária nova Geringonça: o CDS, depois desta legislatura como partido adjacente, estará disposto a providenciar o apoio parlamentar necessário.

Quem tem fama precisa do proveito.

Para substituir Passos seria necessário alguém que abraçasse a etiqueta (ridícula, por sinal) de extrema-direita. Mais ninguém no PSD está disposto a isso — só se for parvo. E, para Bloco Central, tal nunca seria necessário: a cadeira do partido adjacente está ocupada por Assunção Cristas. Não é Passos que é um estorvo para o PSD: o PSD é que se está a tornar num estorvo para Passos Coelho.

Já agora, ouvi David Dinis na TSF, hoje, a dizer que está aberta uma crise no PSD. É mentira. A crise no PSD abriu-se na noite do dia 5 de Junho de 2011.

 

Anúncios
52 comentários leave one →
  1. Arlindo da Costa permalink
    2 Outubro, 2017 19:12

    Brilhante análise, Dr. Vitor Cunha.

    Também não simpatizo com a ideia de qualquer «bloco central».

    O PSD tem tudo a ganhar se for ele próprio.

    Por isso é tempo do Dr. André Ventura avançar para a liderança.

    Gostar

    • Filipe Costa permalink
      2 Outubro, 2017 19:27

      Acha que o André Ventura quer mesmo avançar no suicidio politico, ou apoia por convicção?

      Gostar

    • ingenuo permalink
      3 Outubro, 2017 11:07

      @Arlindo “nojento” da Costa

      Pago para dizer m**d*. Que sonho de emprego…

      Gostar

    • Contumaz permalink
      3 Outubro, 2017 11:27

      O André Ventura avançar para que liderança?
      Dos programas de futebol da CMTV?
      Acho muito bem!
      Tem todo o meu apoio!

      Gostar

      • 3 Outubro, 2017 12:03

        O AVentura disse uma verdade que o catapultou para a ribalta, apoiado por uma certa comunicação social.
        Vaidoso até rebentar. Como “político” é um flop, um bitaites.

        Gostar

  2. piscoiso permalink
    2 Outubro, 2017 19:14

    Concordo que o PSD está a tornar-se num estorvo para Passos Coelho.
    Passos Coelho devia sair e fundar um novo Partido, da extrema-direita.
    Um Partido TP : Troca Passos.

    Gostar

    • Filipe Costa permalink
      2 Outubro, 2017 19:28

      Passos Coelho não esfaqueia os colegas de partido pelas costas.

      Liked by 1 person

      • 2 Outubro, 2017 22:56

        Pois não. É de frente mas com testas de ferro. O que lhe valeu e vale vigorosos rancores. Embora merecidos, são deselegantes. O do Pacheco chega a ser patético.

        Gostar

    • ingenuo permalink
      3 Outubro, 2017 11:08

      lol… os assalariados do costume conseguem ser primeiros a postar… sempre alerta.
      Ó Piscoiso, e as tias? continuam a pagar a tempo e a horas?

      Gostar

  3. Manuel permalink
    2 Outubro, 2017 19:16

    Gostei de ler, mas preocupa-me o que vai decidir o comité central do PCP, se vão escolher a salvação do partido ou nova pré-bancarrota com o PS. Sei que os comunistas têm bons quadros e entendem as minhas palavras, apesar de estarmos nos extremos opostos.

    Liked by 2 people

    • 2 Outubro, 2017 19:19

      Às tantas, essa escolha já está feita e por outros.

      Gostar

    • Zé Manel Tonto permalink
      4 Outubro, 2017 13:44

      “Sei que os comunistas têm bons quadros”

      Serão alguns que roubaram nalguma herdade durante o PREC?

      Gostar

  4. Filipe Costa permalink
    2 Outubro, 2017 19:26

    Passos Coelho tem um comportamento estranho,eu diria que fez de propósito para limpar tacho no Porto e em Lisboa, cá para mim foi uma vingança atingindo os “aparelhistas” do PSD, quanta gentinha bem acomodada na Capital e na Segunda cidade vai procurar emprego? Se assim foi, só posso aplaudir a saida pela porta grande.

    Gostar

  5. joaquim permalink
    2 Outubro, 2017 19:27

    Essa do PSD ser da extrema direita faz me rir. Eles (os partidos) são todos filhos da mesma mãe ou seja do estado . O Bloco é o filho mais novo e também já quer mamar .

    Gostar

    • 2 Outubro, 2017 19:29

      Tem que haver equilíbrio. Há sempre extrema-esquerda e extrema-direita. Não importa se estão todos no mesmo ponto (não estão), importa que se normalize a escala.

      Liked by 1 person

  6. JMS permalink
    2 Outubro, 2017 20:22

    Excelente análise, Vitor.

    O PSD é tão extrema direita como eu sou comunista ou bloquista.

    Os papagaios da comunicação social repetem tudo o que o dono (Costa) lhes diz, com a total ausência de contraditório o que, como bem sabe, cala bem fundo na população mais “distraida”, digamos assim.

    O tema de conversa durante o dia de hoje foi a derrota (?) do Passos (como se houvesse grandes expectativas). O PC perdeu 10 câmaras, o BE teve 3,3% de votos a nível nacional mas nem uma palavra sobre isto. São claros ganhadores…

    Concordo plenamente com a sua conclusão: o PSD é um estorvo para Passos.

    E esta esquerda é um estorvo para o país. O pais que trabalha, acorda cedo e paga impostos.

    Liked by 3 people

    • Manuel permalink
      2 Outubro, 2017 20:44

      O jornalismo não existe. Existem(quase todos) órgãos de comunicação social que publicam as notícias que os governos querem. Como são pagos? Pela publicidade. E quem controla a publicidade? O governo de turno, o PS abusa. Não se interroga como sobrevivem jornais que não vendem nada? O jornalismo, de um modo geral, faz de megafone da agência Lusa.
      Então o PCP leva um derrota estrondosa e a notícia é o Passos e a sua substituição? Reparou que a comunicação social foi coincidente com a narrativa do Costa?

      Liked by 3 people

      • Luis permalink
        3 Outubro, 2017 00:34

        As empresas da oligarquia ou tentaculos do Estado como a Santa Casa pagam a publicidade. Sendo Portugal um pais pequeno e pobre…

        Gostar

  7. antónio permalink
    2 Outubro, 2017 21:06

    VC, fez bem em levantar a ponta do véu. O social comunismo apoderou-se à força do estado e o Piscoiso vai escrevendo umas bacoradas por estas caixas de comentários. Uma certa pseudo elite falsamente apelidada de direita, aquela pseudo elite que silenciosamente aceitou o golpe de rins de um Luso Indiano está agora preocupada com o forte avanço do social comunismo, porventura estará a pensar que esta aventura já foi longe de mais. Vai daí reúne meia dúzia de jarretas (aqui desculpe por lhe roubar o jargão) para baralhar, partir e tornar a dar como se o país fosse um jogo de cartas. Neste caso não sabemos se o trunfo é a dama de paus que Cristas secretamente esconde. Uma coisa sabemos, é que nesta república socialista do 25 de Abril tudo e o seu contrário é possível, até o Piscoiso pode continuar a escrever por aqui que não estorva nada.

    Gostar

  8. Alain Bick permalink
    2 Outubro, 2017 21:30

    só consigo distinguir os 2 géneros pela maçã de Adão

    Gostar

  9. José Domingos permalink
    2 Outubro, 2017 21:50

    O cds encosta-se ao ps, ao primeiro pedido, estão habituados a andarem em bicos de pés, historicamente são servis, a história do partido diz isso mesmo. Se e quando o pcp roer a corda, os xuxas agarram-se ao cds.
    O pcp está acabado, eles é que ainda não deram por isso, sobrevivem á conta dos moços de recados dos jornalixos cá do burgo. vai a cgtp fazer o trabalho sujo, como tem feito.
    O be vai arranjar a bandeira da independência da ilha do pessegueiro ou das berlengas, não contam para campeonato nenhum.
    Creio que PPC, fez bem em não ficar com o ovo da serpente ao colo, não apoiando a cristas, aguardemos.

    Liked by 1 person

  10. Alain Bick permalink
    2 Outubro, 2017 21:52

    Fitch: momento positivo da economia global vai durar só até 2019
    Leonor Mateus Ferreira
    19:08
    Segundo a agência de ‘rating’ o momento positivo de forte expansão e políticas expansionistas não vai durar para sempre. A previsão é que continue apenas este ano e no próximo.

    Gostar

  11. Carneiro permalink
    2 Outubro, 2017 22:13

    “na noite do dia 5 de Junho de 2011”, quando PC não reverteu a estrutura do Regime em seu beneficio e não exigiu que o PS integrasse o Governo de Salvação Nacional e desse a cara – e o cú e os 8 tostões – pelas soluções a que a bancarrota de sua responsabilidade obrigavam. Ao contrário, dispensou os arruaceiros de lavarem as paredes que tinham cagado e ainda proclamava que não se queria desculpar com o passado, com o que outorgou uma carta de alforria que acabou por lhe ser cobrada, quando, até jornalistas, lhe imputam a chamada da Troika e a assumpção dos 78 bi. (para lá de verbalizar conforme escreve, fazendo com que poucos o entendam).

    Liked by 2 people

  12. José da Costa permalink
    2 Outubro, 2017 23:09

    Ainda não percebi onde é que está a grande derrota do PSD.
    Foi o Costa que decretou?
    O PS subiu o que o BE e o PCP desceram.
    Os votos que o CDS teve a mais fariam o PSD ter tantas ou mais câmaras que em 2013.

    Qual é a pressa de quererem derrubar o Passos.
    Continua Passos a fazer o que estás a fazer e manda o Costa fazer um discurso.

    Liked by 1 person

  13. carlos alberto ilharco permalink
    2 Outubro, 2017 23:35

    Como José da Costa também eu não consigo ver a derrota do PSD.
    Já a do PS consigo, perdeu a maioria em Lisboa e foi completamente esmagado depois do empate técnico no Porto.
    Ganhou umas Câmaras no Alentejo mas a maioria ao PCP.
    Quanto a sucessores para Passos Coelho
    Rui Rio quer mas não presta
    Manuela Ferreira Leite não presta e não quer
    O rapaz de Loures presta e quer mas não o querem
    Não vejo mais ninguém

    Liked by 1 person

  14. Luis permalink
    3 Outubro, 2017 00:26

    Em termos estrategicos o PCP e o PS dao 10-0 ao PS. O PSD no futuro so ira para o poder quando o PS fizer asneira. Durao nao venceu pela positiva, diga-se, mas porque Guterres tinha se demitido e havia a questao do escandalo da Casa Pia. Passos venceu porque Socrates chamou o FMI. E ainda teve de se coligar com o CDS para governar…

    Isto explica-se assim.

    – Cerca de 700 mil funcionarios publicos na Administracao Central
    – Mais de 30 funcionarios regionais
    – Cerca de 130 mil funcionarios nas autarquias
    – Numero indeterminado de funcionarios nas empresas municipais, regionais, mais as empresas publicas como a CP ou a RTP, os hospitais empresa
    – Numero indeterminado de funcionarios nas IPSSs ou fundacoes.

    Portanto mais de 1 milhao de portugueses vive com ordenado do Estado. Muitos milhares trabalham em empresas que tem como principal cliente o Estado ou um tentaculo qualquer do Estado, como a Santa Casa de Lisboa.

    A acrescentar, temos os pensionistas, beneficiarios de RSI, ensino e saude do sector privado que dependem de contratos com o estudo, beneficiarios de apoios sociais concedidos por autarquias, e os familiares desta gente toda.

    Portanto, e quase impossivel a Direita chegar ao poder.

    Gostar

    • André Miguel permalink
      3 Outubro, 2017 07:08

      Não é quase, é mesmo impossível, excepto com uma falência tipo 1977 e 1983. A doer.

      Gostar

  15. Procópio permalink
    3 Outubro, 2017 00:29

    A análise do vitor é superficial, mas é correta. Deixem-me dar mais uma achega.
    A verdadeira política desapareceu há muito. A maior parte enche-se ou procura encher-se.
    Uma vez que a herança de Sá Carneiro se desfez tornou-se óbvio que a esquerda é o que mais interessa a quem manda. Os tugas não fazem nenhuma ideia de quem manda no curral. Vivem longe, têm nomes estrangeiros esquisitos que não soam bem ao ouvido.
    Para além do espectáculo das votações periódicas para europeu ver estão os ddt caseiros e os aventais farfalhudos. O tuga não os conhece, eles enviam comentadores, pivots, artistas, filósofos, são velhos de algibeiras cheias, não se dão ao trabalho de aparecer.
    O nº1 foi o primeiro enviado especial para lidar com os indígenas. Sabe lidar com eles desde pequenino em Vilar de Maçada quando andava a enfeitar andores. Estendeu o porreira pá de modo eficaz. Meteu medo aos tíbios, entusiasmou os galifões, fez amigos, muito amigos. Não esqueçamos, houve milhões que votaram nele. Esse o verdadeiro estigma.
    Com o controlo dos mídia e o assalto aos bancos esteve perto do objectivo “lulachavesko” com a aquiscência da senhora alemã. Não esqueçamos os abraços.
    A miséria a que conduziu a maralha provocou interregno breve. Depois foram anos duros, Impopularidade certa. Quando o nº 2, o segundo enviado, percebeu a jogada aparentou distanciamento do bloco central. Só que o bloco central entretanto foi-se formando a coberto de um grande avental meio esburacado. Ainda assim serve os propósitos de quem se abriga nele. Se os dinossauros sairem de dentes arreganhados, a crista aí estará para o número do costume. Senão arranja-se o rio que anda há tempos a mendigar. Há sempre cartas no baralho enquanto o sítio não der o berro. Às vezes acontece, sem se saber porquê.

    PPC pensou que aguentava a parada. Enganou-se. Chamuscou-se. Eu diria que condescendeu, enganou-se demasidas vezes, chamuscou-se sem necessidade.
    Apesar de tudo é um tipo com fibra. Já vi gente que emenda a mão, corrige os óculos de ver e sai limpo da farrusca.

    Gostar

  16. Luis permalink
    3 Outubro, 2017 00:31

    Desiludam-se os que pensam que algum dia irao baixar impostos em Portugal ou o Estado ser reformado. A oligarquia e as elites contam com o avanco do federalismo europeu e que Portugal, sendo um pais pequeno e periferico, se torne numa regiao subsidiada. Em contrapartida, veremos muitas maquilhagens das contas publicas, pois tambem contam com uma mutualizacao parcial de dividas do Sul. Se houver reducao do tamanho do Estado, a Esquerda a medio e longo prazo perde eleitores. Simples.

    O PSD desperdicou 4 anos em que poderia ter cortado o financiamento a Esquerda. Fez ate o contrario. Caso da taxa que financia os autores… e como se corta o financiamento? Acabando com institutos publicos, comissoes, observatorios, autarquias e com o Estado paralelo. Logo a seguir a vinda da troika o pais estava preparado para aceitar isto. Agora ja nao esta. A oportunidade de ouro passou. E ninguem no PSD nem no CDS tem coragem ou inteligencia para isto.

    Liked by 1 person

    • Duarte de Aviz permalink
      3 Outubro, 2017 19:27

      falta o corte da mama aos sindicatos, a privatizacao de toda a tralha que ficou para trás, os cheques educação, a securitização da saude – bastava alargar o modelo da ADSE a toda a gente e subsidiary quem não tivesse rendimentos, a autonomização completa das universidades, etc.etc.etc. O PPC teve medo e acabou assado no lume brando.
      C’est la vie.
      Entretanto a dívida já passou os 250 mil milhões.

      Liked by 1 person

  17. 3 Outubro, 2017 00:32

    Passos o cristo enviado do Pai do regime. O messias que veio para ser sacrificado na cruz, para salvar o PS, dos seus pecados . Depois de ser traido por 30 moedas por Portas o judas, e condenado pelos falsos testemunhos dos sacerdotes e anciãos anás bagão, ferreira leite, e caifás pacheco o astuto manipulador, afirmando no sinedrio: “Não deduzis logicamente que é para o vosso proveito que um só homem morra a favor do povo e não que toda a nação seja destruída ,”se passos ficar vai ser um inferno” afirmou também o ancião marques o mendes.”. Marcelo pilatos preocupado mais com a sua popularidade e os seus selfies, não querendo criar tensões no povo, lava as suas mãos, condenado-o à morte. Na cruz, depois de lhe espetarem os pregos da troika nas mãos e nos pés pelos soldados da imprensa, e ser cuspido pelos fariseus esganiçados e escribas do avante, chamando-lhe, racista xenófobo, inimigo do povo . Disse: Fui eu que aprovei a barriga de aluguer pela qual vim ao mundo para o salvar, salvei a banca e ganhei as eleições, pai porque me abandonaste ? Perdoa-lhes Pai do regime porque eles não sabem o que fazem. E Passos morreu na cruz e os pecados do PS foram perdoados.

    Liked by 1 person

    • Luis permalink
      3 Outubro, 2017 00:36

      O Portas traiu o Passos e pos na rua os dois melhores ministros que Portugal teve em tempos recentes, Alvaro dos Santos Pereira e Vitor Gaspar.

      Liked by 1 person

      • carlos alberto ilharco permalink
        3 Outubro, 2017 15:21

        Portas é o lacrau da política portuguesa.
        Derivado ao seu problema de homossexualismo nunca assumido atacará sempre todos sem qualquer pudor.
        Deve ser evitado a todo o custo.
        Não há pessoa mais perigosa em Portugal do que ele.

        Gostar

  18. Luis permalink
    3 Outubro, 2017 00:42

    Ninguem resolve os problemas praticos das pessoas. Por esquecer o cidado comum o Labour caiu. Conheco militantes que sairam do partido pois diziam que por serem homens brancos eram vistos como os maus da fita, quando o partido se voltou para o discurso do marxismo cultural. E muitos votos transitaram para o UKIP. Ainda aqui ha dias se falou num terreno com 60 herdeiros. Este e um problema pratico que nenhum Governo resolve. Meio pais esta parado por causa das herancas indivisas. Porque? Se aparecer alguem com um discurso que fale de problemas concretos e apresente solucoes realistas tem eleitores.

    Gostar

  19. 3 Outubro, 2017 04:13

    PPCoelho que sibilinamente comece a desmascarar escroques como Rio, Rangel, Sarmento mais os Pachecos e não só, faça uma purga no partido, na CPNacional (onde é muito traído depois de palmadinas e beijinhos…) e rodeie-se de gente de confiança, com sangue na guelra e…inteligente. Por exemplo Luís Montenegro, Poiares Maduro, têm, com PPC, uma palavra a dizer.

    Liked by 1 person

    • André Miguel permalink
      3 Outubro, 2017 07:12

      Ninguém os ouve. Só quando isto falir outra vez.

      Gostar

      • Luis permalink
        3 Outubro, 2017 07:17

        Com o actual nivel de divida… basta um evento internacional mais extremo para tudo descambar. Podera ser um hard Brexit, uma crise grave em Espanha por causa da Catalunha, uma saida da Grecia do euro, ou alguma “trumpalhada”…

        A divida aumentou e o Estado esta igual ao que estava antes da crise.

        Liked by 1 person

  20. 3 Outubro, 2017 09:55

    André
    e
    Luís,

    não duvido minimamente que há comentadores e jornalistas comprados para destruirem politicamente PPCoelho. Tudo o que diz é assunto para reparo negativo. Impressionante. E assim se formata a opinião pública ignorante para primaria e futuramente o rejeitarem.
    Os Rios, os Rangeis, os Ângelos, os Sarmentos, os Pachecos, para além de quererem o poder ou qualquer coisa do poder, estão a assassinar o PSD. Nenhum deles ou alguém que venha a ser candidato nas legislativas tem condições, passado e talento para derrubar o AC-DC, mas a prioridade é só esta: derrubar PPC.
    Hoje (mais uma vez) surge o Ângelo Correia a querer PPC fora da Lapa. Aconselho-o a colocar pregos na fechadura do portão…
    E o Pacheco parece alucinado para encontrar nem que sejaum pequeníssimo pormenor que seja para criticar PPC.

    Actual dívida pública tuga: 250.000.000.000 euros…

    Também impressionante isto: houve e bem, grande solidariedade para com as vítimas dos incêndios. Então, essa onda solidária cala-se perante a inexistência dum relatório final e pela entrega até hoje de reduzida do dinheiro angariado e ocasional apoio do Estado ?
    E Tancos, tudo serenado…

    Liked by 1 person

  21. Procópio permalink
    3 Outubro, 2017 10:22

    Fica-se mais esclarecido no Blasfémias do que junto dos escribas mediáticos.
    Os Arlindos convencidos que fica tudo assim e os picoisos cínicos são precisos.
    Gostei dos comentários de mg, mas quero fazer notar que no fim ressuscitou.
    Claro que antes da falência o tuga não acorda e continuará a viver no virtual.
    A subsídiodependência tem em Draghi um defensor fiel, mas não vai lá estar sempre.
    Nos entretantos teria que haver uma força interpartidária, incluindo gente de esquerda honesta disposta a trabalhar a sério para salvar os inocentes. Difícil.
    Quem tem capacidade safa-se de qualquer maneira, não está para dar o litro.
    Os do costume são impróprios para a verdadeira política, têm a mangedoura a jeito e não a largam. Virão dias melhores.

    Gostar

    • 3 Outubro, 2017 11:26

      Hoje à noite, na CPNacional, PPCoelho deve iniciar um seu posicionamento duro e interpelativo aos presentes e, aos ausentes. Ausentes, os eleitos para a CPN (quem ?, quantos?…), com os outros “rios” porque nos vãos de escada a conspirar.
      Tem de definir e começar a apresentar uma estratégia apropriada ao momento político interno e externo.

      Gostar

    • 3 Outubro, 2017 17:30

      Bem, ressuscitou, mas a multidão, escolheu Costa barrabás. O messias não veio ao mundo para salvar Roma, mas para ser sacrificado e salvar o Ps dos seus pecados, o povo escolhido de israel pelo Pai do regime.

      Gostar

  22. Expatriado permalink
    3 Outubro, 2017 12:01

    Recomendo a leitura deste artigo de Rui Ramos

    http://observador.pt/opiniao/passos-coelho-ulisses-e-os-porcos/

    Citando o último parágrafo

    “Por convicção, percurso ou feitio, Passos representa na política portuguesa aqueles que não se querem adaptar ao continuado domínio do governo pelos ex-ministros de António Guterres e de José Sócrates. Por isso, Passos foi tão atacado como Sá Carneiro, que também nunca se conformou com os arranjos oligárquicos do seu tempo. Mas o resto do PSD? Ter-se-á já convencido de que não vale a pena resistir? A caverna de Costa é tão tentadora como a de Circe. Irão mais uma vez os companheiros de Ulisses transformar-se em porcos?”

    Gostar

  23. basto_eu permalink
    3 Outubro, 2017 12:42

    E, vai daí…deve ser da idade.
    A minha carola não consegue perceber porque é que, sendo Portugal actualmente (agora) um país cheio de oportunidades, em que até a Madonna veio viver para cá, o meu neto que é do Bloco quer ir trabalhar para o RU. Ainda se fosse no tempo do Passos Coelho ainda vá, mas agora?…
    E, com o Benfica a jogar em casa nas últimas 4 épocas anteriores em que ganhou o caneco a jogar num sistema de 4-4-3-2-1 em que às vezes até o juiz de baliza marcava golos ao adversário, eis que, finalmente, o Porto vai ter um PM.
    Com os lisboetas incapazes de arranjarem um de entre os seus, (mais uma vez tiveram de recorrer ao Norte…), o Medina do Porto ganhou a Câmara de Lisboa.
    E, como é sabido, todos os presidentes da Câmara de Lisboa com buracos costumam trazer os cujos (os buracos) para o Orçamento de Estado.
    Ao Passos Coelho saiu o Euromilhões nas autárquicas…quanto mais alto o PS sobe maior o tombo.
    Com o País vestido, com um vestido de chita vermelho côr de sangue das vítimas de Pedrógão Grande em que morreram 66 fora os outros por incúria do governo PS.
    O PS em que os assaltantes assaltaram o quartel de Tancos e roubaram armas que servem para matar gente.
    O PS que, sem a ajuda do Girónimo nem das catraias do Blok e, diga-se de passagem sem a ajuda do Predidente das beijufas perdeu as eleições autárquicas, e ainda bem.
    O PS teve quase 2 milhões, os que o não são são quase 8 milhões.
    Ainda tenho alguma esperança, apesar dos meus já largos oitentas…

    Liked by 1 person

    • carlos alberto ilharco permalink
      3 Outubro, 2017 15:24

      Medina não ganhou Câmara nenhuma.
      Conseguiu perder uma maioria robusta e agora depende da extrema-esquerda para governar.
      Pirro explicou isso muito bem.

      Liked by 1 person

      • sam permalink
        3 Outubro, 2017 18:46

        Calma, que a Cristas também é boa mul…eta.

        Gostar

  24. piscoiso permalink
    4 Outubro, 2017 14:42

    Depois de espremido o Passos Coelho, espero que o próximo laranja seja o Montenegro.
    “A família Montenegro é uma das famílias do nosso pais com maior reserva de metais preciosos ( ouro, prata, platina e marfim)”, diz a Wiki.

    Gostar

  25. 4 Outubro, 2017 17:42

    De acordo com o autor, Passos Coelho é um estadista, um novo churchill, o que vai salvar o planeta da troika marciana que virá salvar o planeta da colossal depressão. Afinal existe potencial em jotinha.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: