Skip to content

Quem paga o resto?

2 Dezembro, 2017
by

A Câmara Municipal de Lisboa já anunciou que irá contribuir com 5 milhões de euros para a organização do festival da Eurovisão. Um festival cuja organização foi atribuída a Lisboa sem qualquer tipo de concurso (ao contrário do que aconteceu em todos os outros países que a organizaram). Os últimos festivais da Eurovisão custaram entre 30 e 50 milhões de Euros a organizar. Fica a questão: se a Câmara Municipal de Lisboa paga 5 milhões de Euros, quem paga o resto da fantochada centralista? Não é difícil de adivinhar: será o mesmo palerma do costume.

 

Anúncios
17 comentários leave one →
  1. 2 Dezembro, 2017 09:05

    Os outros foram pindéricos. Podemos fazer muito melhor!
    Além disso, 70 ou 120 milhões não é nada em relação ao que podemos ganhar em prestígio capitalizável em alegria.

    Liked by 1 person

  2. 2 Dezembro, 2017 11:07

    Obviamente esse tipo de festival com transmissão para praticamente toda a Europa e para outros continentes, não podia ser cartão de visita para o Porto ou Braga, ou Faro ou Caldas da Rainha, neste caso alguma indecência em barro com 40 centímetros televisionada colocaria em causa a afabilidade tuga. Portanto, a capital capitaliza e m’ai nada ! Em troca, o governo geringonço manipula um lobby para o festival 2019 da canção tuga efectuar-se no Coliseu do Porto ou no Teatro-Circo em Braga.
    Quem paga a factura para além das receitas oriundas da transmissão televisiva, dos sponsors do festival e dos tais 5 milhões camarários ? — claro, pago também eu embora mande o dito festival bugiar.
    A propósito de Câmara de Lisboa, vidé o jornal “i” de hoje, ordenados catitas, carago !

    Liked by 1 person

  3. 2 Dezembro, 2017 11:35

    Num post do VCunha colocado anteontem sobre o falecimento do Zé Pedro, manifestei o meu sentimento por uma morte esperada: um X para o Zé.
    Nesse post surgiu ontem um comentário de Óscar Máximo que coloca muitas causas: “país em crise de valores para haver tamanha comoção pela morte dum ‘tipo porreiro’.
    Este não é (para mim) o momento para dissecar a importância da música e letras dos Xutos, porquê o grupo que mais público tinha, quanto ganhou e deu a ganhar, onde começou e acabou o “espírito” punk rendido à massaroca e a esquemas que movem a sociedade (e a política partidária) tuga, porque à excepção do Rock in Rio brasileiro não actuaram para públicos exclusivamente estrangeiros, a ausência em livros estrangeiros sobre o rock e o punk, porquê as condecorações dadas pelo JSampaio, etc., etc.
    Ontem, uma declaração patética do ministro da Cultura sobre a “evolução da música electrónica” devida ao Zé e aos Xutos, mais o MCThomaz anunciando que “já se está a pensar numa grande festa para o ano” para homenagear o Zé Pedro, mais o desfile de governantes e doutros políticos, revelam que de facto há crise de valores com muita ignorância e oportunismo.
    Na música lusa há autores e intérpretes muito melhores, históricos e fundamentais do que os Xutos. Quando morrerem claro que não terão multidões nas exéquias, mas…quais serão os comportamentos de políticos, líderes partidários, do governo e do PR de então ?

    Liked by 1 person

    • comendador permalink
      2 Dezembro, 2017 13:58

      Pois é somos assim . Mais vale cair em graça do que ser engraçado . Em pleno acordo com o post .

      Gostar

  4. Procópio permalink
    2 Dezembro, 2017 11:51

    O destino dos tugas, serem palermas.
    Mas vai haver muita festa com luzinhas e tudo, vai.
    “Acabada a festa, desarma o trono”
    A festa dura enquanto o tio draghi mandar foguetes.
    Decisão de reduzir tamanho do QE não foi unânime, diz Draghi 26/10/2017- 12h17min
    Lá chegará o dia.

    Gostar

  5. 2 Dezembro, 2017 13:23

    Lá vem um aumento da taxa do audiovisual sobre semáforos e escadas comuns. E eu que nem vejo esse eurocirco há décadas.
    Portugal, para bem da economia, devia perder certos eventos. Festivais, Expos, campeonatos internacionais de futebol, são sempre apresentados como rentáveis e promotores do turismo, mas,
    – tem-se visto que são rentáveis para alguns e um buraco financeiro para o país
    – pensava que já não queriam mais turistas

    Liked by 1 person

  6. Oscar Maximo permalink
    2 Dezembro, 2017 15:32

    A minha pergunta não é “quem paga o resto ? “.
    Como lisboeta, a minha pergunta é “quem paga os 5 milhões e o resto ?”

    Liked by 1 person

    • carlos alberto ilharco permalink
      2 Dezembro, 2017 22:04

      A pergunta é um bocadinho retórica.
      Eu não sei, mas com tanta gente inteligente e informada que por aqui há, basta irem ver quem pagou nos outros países.
      Não deve ser muito diferente do que vai acontecer por aqui, não acham?

      Gostar

    • chipamanine permalink
      2 Dezembro, 2017 22:23

      A inconstitucional gaiense taxa de protecao civil paga uma parte

      Gostar

  7. 2 Dezembro, 2017 15:42

    Aposto que se fosse no Cartaxo já não havia crise da pinderiquice ser paga também pelo Porto…

    Não há pachorra com o atavismo bairrista

    Gostar

    • 2 Dezembro, 2017 17:13

      Portugal é uma cidade e o resto bairros. E vai tudo para a cidade.

      Lisboa foi dotada de inúmeras belezas. O resto do país apenas tem o valor das suas gentes para contrapor.

      Gostar

      • 2 Dezembro, 2017 17:27

        É assim em toda a parte. Na Suécia é estocolmoe o resto é paisagem

        A que título devia ser feito no Porto? Porquê? só existe Porto e Lisboa?

        Isto é atavismo bairrista cretino.

        Gostar

      • 2 Dezembro, 2017 19:26

        Zazie,

        Bastava que não fosse Lisboa para suscitar esgares de admiração por parte da parte dos portugueses que ainda não foi contaminada com fumos plúmbeos das tintas das paredes das sedes partidárias. Tal é a regra que nunca admitiu excepção, que a regra é duplamente confirmada.

        Sendo Portugal um país excepcional, nada se excepciona, senão a excepção. A excepção, no que toca a Lisboa é tão regularmente excepcional que nem excepcionalmente se verá uma excepção.

        É esta a regra do convento xuxa-lisbonês. O gentílico, introduzido pelo João Pimentel, assenta-vos que nem uma luva. Peçam a vossa independência e fiquem todos lisboneses. Todos os portugueses ficam a ganhar.

        Direi que depois da indepenência da Lishbua o QI médio português aumentará entre seis e dez pontos, mas posso estar ligeiramente errado.

        Gostar

  8. Eduardo permalink
    2 Dezembro, 2017 16:59

    O Me,dina dá 5 milhões, o 100tino outros 5, o dux pantominorum mais 5 (claro, pedidos emprestadados à banca) (+ 1 calote pró rol) o Xico Contribuinte entra com o resto dividido por 48 meses na factura da luz

    Gostar

  9. Arlindo da Costa permalink
    2 Dezembro, 2017 18:29

    Não sejam forretas.

    A gente morre e fica tudo aqui!

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: