Saltar para o conteúdo

Academia LGBTI

24 Outubro, 2018

desmond-napoles

Pensava que as universidades e institutos de ensino superior eram ambientes privilegiados para discutir ideias. Parece que não. Agora discutem-se identidades.

Recentemente, a Universidade Europeia, o IADE-UE, o IPAM Lisboa e IPAM Porto “celebraram” o Coming Out Day. Organizaram seminários “para falar sobre a temática do orgulho LGBTI” e “dar formação sobre inclusividade”. Abordaram questões como “o que é o ser transexual, transgénero e intersexo” e “o que significa orgulho”.

No Porto, por exemplo, adiaram-se ou atrasaram-se aulas de unidades curriculares no IPAM para permitir que os alunos assistissem à intervenção da coordenadora do “GIS – Centro de Respostas à População LGBT.”

A narrativa é a de sempre: o mundo está contra a “comunidade” LGBT. A “comunidade” é vítima. A “comunidade” tem de combater um inimigo sem face.

Não basta defender e lutar para que todas as pessoas sejam tratadas de forma igual perante a Lei. A “comunidade” tornou-se um lobby para implementação de políticas em seu benefício. Além de serem também uma estética camuflada de modernismo e cosmopolitismo são ainda movimentos que se opõem à discussão e troca de ideias e que renegam a liberdade e a autonomia de pensamento dos indivíduos.

Resolve-se e reduz-se qualquer debate sobre aspectos que interessam à vida quotidiana das pessoas a argumentos do nós (“comunidade”) contra eles (mundo). O confronto de opiniões e a troca de informações ficam simplificados quando não se tornam totalmente irrelevantes para o caso que estiver em apreço. A substância pouco importa, basta enquadrar o interlocutor em estereótipos de grupo e atribuir-lhe intenções maléficas para a contenda ser ganha (pela “comunidade”).

Não sei se esta é uma tendência inexorável na sociedade dos nossos dias. Espero que de uma forma ou de outra este marxismo cultural possa ser travado. Mas tenho infelizmente a certeza que nas nossas escolas e academia se fabricarão mais crianças e jovens como o retratado acima.

*

 

 

Anúncios
18 comentários leave one →
  1. Arlindo da Costa permalink
    24 Outubro, 2018 22:40

    Confesso que tenho dificuldade de comentar esta «temática». Aliás ela é recorrente aqui.

    Definitivamente não é a minha praia….

    Gostar

    • Rogerio Alves permalink
      25 Outubro, 2018 10:20

      Está-se a justificar a quem lhe paga os comentários?

      Gostar

  2. Mario Figueiredo permalink
    24 Outubro, 2018 23:20

    “A substância pouco importa, basta enquadrar o interlocutor em estereótipos […]”

    Quando é na realidade a comunidade LGBTI quem mais se expõe a estereótipos. É por exemplo impossível ignorar que esta comunidade não encontra outra forma de se afirmar na sociedade que não seja pela exposição da sua sexualidade, da forma mais pública possível, permitindo que toda a sua “cultura” seja definida em exclusivo pela sua orientação sexual. Não têm mais propriedades ou atributos. Ou se os têm, o tal do Orgulho não nos diz quais são. Essencialmente estes auto-impostos estereótipos ambulantes, definem-se a si mesmo exclusivamente como um movimento sexual. Não querem ser reconhecidos por mais nada que não seja o que têm entre as pernas e como o usam.

    Liked by 3 people

    • Andre Miguel permalink
      25 Outubro, 2018 13:20

      Ora bem. É por isso que nada tenho contra lgbts, só me irrita essa obsessão em atirarem-nos à cara a sua homosexualidade. Porquê essa necessidade? Os hetero por acaso andamos gritar por todo o lado a nossa orientação sexual?

      Liked by 1 person

  3. JgMenos permalink
    25 Outubro, 2018 00:38

    Suspeito sempre que a falta de competência numa qualquer área leva a definir novas nuances onde a avaliação de competência se torne difusa.

    Os empata-f++++ são hoje sofisticados praticantes de exóticas artes.

    Gostar

  4. PiErre permalink
    25 Outubro, 2018 06:57

    Querem regressar ao paleolítico.

    Gostar

    • The Mole permalink
      25 Outubro, 2018 13:10

      Já regressaram…
      E há alguns que me parece que foram ainda mais longe. Autênticos cro-magnons

      Gostar

  5. Andre Miguel permalink
    25 Outubro, 2018 09:05

    Para quando uma palestra de Jordan Peterson em Portugal?
    Adorava ver estes pindéricos urban-chic serem desconstruídos o vivo e a cores.

    Liked by 1 person

  6. 25 Outubro, 2018 09:15

    Para que porra de precipício está merda de cultura marxista esta’ a empurrar este decadente ocidente?

    Liked by 1 person

  7. Daniel Ferreira permalink
    25 Outubro, 2018 09:51

    Espero que percebam que quando esta violência infantil (terrorismo social) se normalizar e a malta achar que as CRIANÇAS não só já sabem para que serve o seu “sexo” como sabem que não querem “aquele”, não vão ter muitos argumentos para contrariar o “se elas já sabem o que é o sexo.. então já sabem o que é consentir”. Tudo uma cambada de pedófilos.

    Esperem até começarem a ir doentes mentais às escolas primárias ler livros “do cão que queria ser um coelho” e depois terem os Serviços Sociais a tirarem-vos os filhos à força porque ele disse que sim à professora quando ela lhe pergunta se gostava de ser transexual.

    Gostar

  8. Daniel Ferreira permalink
    25 Outubro, 2018 09:55

    Matam bebés e chamam-lhes aborto, querem matar idosos e chamam-lhe eutanásia e agora vão querer matar gerações futuras castrando quimicamente a nossa juventude (que é o q lhes interessa nesta palhaçada em concreto) e chamam-lhe “transexualidade”.

    Mas é preciso ter cuidado com o bicho papão dos “fascistas”, isso é que não

    Liked by 2 people

  9. 25 Outubro, 2018 10:00

    A sociedade devia delimitar o espaço a estes retrogados. Qualquer abordagem ao tema é estar a alimentá-los. O lixo no lixo!

    Gostar

  10. 25 Outubro, 2018 12:02

    Com os hippies foi mais ou menos o mesmo e depois vieram os yuppies.

    Gostar

  11. 25 Outubro, 2018 12:49

    Propaganda comunonazi!

    Gostar

  12. Juromenha permalink
    25 Outubro, 2018 14:49

    A decadência , irreversível , de um certo “ocidente”…

    Gostar

  13. Velho do Restelo permalink
    25 Outubro, 2018 18:38

    As empresas de informática vão ter outro bónus tipo bug 2K, mas agora vai ser qualquer coisa do tipo “bug lbgti”. Se para mudar a representação do ano de 2 digitos para 4 deu aquela confusão toda, para mudar a representação de género de M / F para M / F / L / G / T / I / X / Y / Z ( é melhor reservar uns quantos códigos para utilizações futuras), nem quero imaginar a confusão que vai ser no INE !

    Gostar

  14. 25 Outubro, 2018 20:22

    muito bem.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: