Saltar para o conteúdo

Um país só de doutores

22 Fevereiro, 2019

Queremos ser um país de crescimento,  estar na vanguarda europeia mas somos pobres de espírito. Cultivamos uma sociedade de doutores onde ter um “canudo” é das coisas  mais primordiais na vida. Dos pais às escolas, passando depois pelos empresários e terminando na sociedade em geral, ser bem sucedido é vestir fato “à pinguim”  atrás de uma secretária com um cadeirão a condizer, de preferência num cargo de chefia  qualquer seja do Estado ou privado,  mesmo que não tenha qualquer competência para a função. Mesmo que para completar o curso universitário tenha andando anos a fio a arrastar-se pela universidade. Em Portugal  é preciso parecer, mais  do que ser, para que todos aplaudam seu “sucesso”.

É por isso que por cá  tropeçamos em doutores. Não importa se esses “canudos” foram obtidos com médias negativas, se são de cursos inúteis ou para áreas saturadas de profissionais. Importa sim é que todos os jovens cheguem às universidades mesmo os que não têm qualquer aptidão para tal. Baixam-se as médias, baixa-se o nível de exigência curricular  para que seja garantido o acesso a qualquer custo.

Porém, uma sociedade eficiente e altamente produtiva quer-se diversificada profissionalmente com elevado grau de formação em todas as áreas. As apostas não podem ser só num segmento. Não podem ser só  para os cursos de nível superior. Mas num país com uma cultura pobre que acha que ser doutor é que é sucesso e onde se promove o maior número de doutores por m2, só podia dar o resultado que deu: doutores aos pontapés,  ignorantes e no desemprego.

Estive um mês na Alemanha e percebi o fosso que nos separa daquela civilização. Constatei porque são uma economia forte e nós uns pelintras. É que culturalmente estamos a léguas de perceber que a escola tem de oferecer diversas alternativas e que dar igualdade de oportunidades não é forçar todos os jovens a seguir numa mesma direcção. A escola tem de formar todo o tipo de indivíduos consoante as suas aptidões e sobretudo motivações. Não é verdade que todos sonham com um curso superior. Não é verdade que todos querem ser CEO de multinacionais. Não é verdade de todo.

Na Alemanha e Canadá, duas realidades que conheço, aposta-se fortemente nas vias profissionalizantes que consideram tão importantes como a via universitária. Por isso mais de metade dos alemães, por exemplo,  recebe formação para serrem electricistas, chefes de cozinha, carpinteiros, soldadores e tantas outras profissões que são muito bem remuneradas. Resultado? A Alemanha possui umas das menores taxas de desemprego e é um país de referência nas vias profissionalizantes possuindo um dos sistemas mais bem estruturados do mundo. Estes empregos são altamente respeitados e valorizados por toda a sociedade. Sabia?

Mas há mais: na Alemanha mais do que o grau académico, importa a experiência e “know-how”. Por isso, é vulgar ver gente sem curso superior a obter lugares técnicos nas empresas, altamente remunerados acima da média, bem como pessoas com mais de 50 anos a serem admitidas pela sua experiência. Aqui valoriza-se as pessoas e não os “canudos”.  Ah! E os empresários? Esses vestem  ténis e calça de ganga e deslocam-se para o trabalho  em bicicletas ou transportes públicos e não usam “títulos”. Não se distinguem dos trabalhadores porque se consideram parte da equipa e não “patrões”. Percebem a diferença cultural?

E nós? Bem, a cada governo que passa destruímos cada vez mais o futuro profissional dos nossos jovens ao criar apenas uma única via –  a universitária –  removendo todos os obstáculos para lá chegar, goste-se ou não de estudar. Contrata-se depois só jovens até aos 39 anos (estes últimos já com alguma sorte)  para depois nos queixarmos que há pouca gente para profissões intermédias. Na verdade somos aquela triste sociedade que desvaloriza por completo o canalizador, o electricista, a senhora da limpeza até ao momento em que  precisa de um destes profissionais e não consegue.

Para alcançarmos uma economia pujante não basta políticas de incentivo ao investimento é preciso também mudar toda uma mentalidade centrada exclusivamente  na produção  de doutores que não investe na formação profissional, não valoriza a experiência das pessoas e por isso não descola de crescimentos económicos anémicos e desemprego elevado.

Anúncios
70 comentários leave one →
  1. 22 Fevereiro, 2019 12:13

    • O Prof. António José Saraiva expressou com sapiência esta temática a que denominou de ‘Diplomocracia’ – exposta com lucidez pela Cristina Miranda:
    ~ Saraiva sabiamente indicou a génese do Diploma em Portugal: “Não para ter mais conhecimento ou serem mais esclarecidos, mas não serem menos que os outros. Não era a igualdade que se buscava, mas a igualdade de estatuto, através da posse do diploma”.
    ~ “A diplomocracia, analisada filosoficamente, presta-se ao riso. Mas infelizmente é uma das características estruturais da sociedade portuguesa”.
    • Razão tinha o Prof. António José Saraiva quando em reunião em 1975 (momento do PREC…) do Departamento da Faculdade, em que “depois de ouvir longos debates e acesas discussões sobre o que se pretendia com a avaliação dos alunos”, “pediu a palavra, se levantou com cuidado e disse, num tom de voz resguardado (que contrastava com as vozes alteadas dos contendores que o tinham antecedido):
    ~ “Eu queria propor que se desse o diploma de licenciatura aos alunos quando eles fossem admitidos na Faculdade. Depois, só cá ficavam os que queriam mesmo aprender…”. E sentou-se. Fez-se silêncio na sala. Era uma frase radical, na realidade ninguém sabia como reagir a ela.”

    Era fácil de fazer, barato e satisfazia em pleno o que as Elites idolatram: aparências!

    Liked by 2 people

    • MJRB permalink
      22 Fevereiro, 2019 12:23

      Tempos e ambições universitárias incontroláveis lideradas também pelo MRPP…que hoje perdeu o seu estimado líder Matos.

      Gostar

  2. 22 Fevereiro, 2019 12:14

    Razão tinha S. Paulo e António Aleixo – que não eram Licenciados nem Catedráticos de Catedratices:

    ~ “Julgando-se Sábios, tornam-se néscios” – S. Paulo.

    ~ António Aleixo:

    Há tantos burros mandando
    Em homens de inteligência,
    Que às vezes fico pensando
    Que a burrice é uma ciência!
    
    És um rapaz instruído,
    És um doutor; em resumo:
    És um limão, que espremido,
    Não dá caroços nem sumo.
    

    Liked by 3 people

  3. MJRB permalink
    22 Fevereiro, 2019 12:16

    Post certeiro, Cristina Miranda.

    Se ninguém (os pais, sobretudo) ajudar e iniciar correctamente as crianças, os jovens, na vida escolar, social, cultural e profissional, teremos gerações pouco melhor do que incipientes, inúteis, imprestáveis. Imperará o facilitismo, que naturalmente conduzirá ao laxismo e à corruptela.
    Há outra esperança tuga, entre pais e filhos: ser um futebolista acima da média, de preferência um Ronaldo ou um Messi. Preocupa, devia preocupar famílias, o Estado, o ministério da Educação, a influência do futebol (e da net) na vida das crianças portugueses.

    Liked by 3 people

  4. 22 Fevereiro, 2019 12:16

    Eu tenho uma cliente (“doutora” parece que à séria, com trabalho feito e investigação publicada) que insiste em chamar-me “sr. engenheiro” – isto apesar de eu nunca me ter apresentado como tal e dizer-lhe várias vezes que nem o meu trabalho de apoio informático tem algo a ver com a engenharia que estudei, nem sequer eu fiz qualquer exame da Ordem para assim me poder chamar. Mas lá está, por razões que me escapam tenho que ser um “sr. engenheiro” – mesmo que à minha própria revelia.

    Gostar

    • MJRB permalink
      22 Fevereiro, 2019 12:26

      Essa sua doutora e cliente precisa de tratamento da memória.

      Gostar

    • Zé Manel Tonto permalink
      22 Fevereiro, 2019 15:15

      Eu quando abri conta num banco perguntaram-me a profissão e fiquei logo marcado como engenheiro.

      Apesar de dizer que não queria que me tratassem assim, nunca tive outra hipótese. Até as cartas chegam a casa para o Eng. XXXX.

      Que país de pindéricos…

      Liked by 2 people

      • MJRB permalink
        22 Fevereiro, 2019 16:09

        Tantos tugas que não sendo inginheiros nem dótores não rejeitam –até estimulam– que os tratem assim… Sentem-se não-pindéricos e superiores. Alguns, como sabemos até ocuparam cargos administrativos e políticos, pois então e viva o ego massajado pela mentira.

        Liked by 2 people

  5. isabel permalink
    22 Fevereiro, 2019 12:30

    A Alemanha está longe de ser esse país onde é maravilhoso viver. O desemprego é baixo porque há milhões de empregados em part-time, situação que os desempregados são obrigados a aceitar para continuar a ter apoios do estado. Há 2 ou 3 anos havia cerca de 12 milhões de alemães empregados mas a viver abaixo do nível de pobreza.
    A situação dos reformados também é difícil com muitos a ter de optar por sair do país para poderem pagar um lar num dos países vizinhos onde o seu custo é muito mais baixo.
    A Alemanha é a grande ganhadora com a arquitectura que foi definida para o euro, beneficiando de um cambio que torna o preço das suas exportações muito mais atractivo do que seria se tivesse continuado com o marco. Alguns economistas afirmam que se a Alemanha voltasse ao marco, este seria cerca de 40% mais caro do que é o Euro.
    A análise da evolução das exportações e do pib da Alemanha comparada com a de outros países da UE, antes e após a introdução do euro, mostra bem quanto a primeira ganhou e quanto os outros perderam (com a excepção da Holanda e mais um ou dois da esfera germânica ). Muito se poderia também dizer sobre as politicas seguidas favoráveis às grandes industrias e sobre a natureza das exigências feitas a outros países da UE que visaram, por exemplo, limitar o crescimento das industrias automóvel na França e na Italia.
    Etc, etc, etc

    Liked by 1 person

    • Cristina Miranda permalink
      22 Fevereiro, 2019 14:51

      Isabel, enganou-se no post. Neste texto não é dito q Alemanha não tem problemas. Nem sequer aborda isso. É claro q tal como qualquer outro país civilizado tem coisas a melhorar. Sabe, eles também têm problemas com pessoas q não se agarram ao trabalho, subsídiodepentes, está a ver? Meu marido vive lá. Tem a perspectiva REAL e não construída pelos médias da sociedade alemã. Sabe o que ele me disse? “Cristina, isto Aqui só vive mal quem é malandro. Tu aqui além de arranjares trabalho imediatamente fazias um bom salário num instante.” Mas sobre isso não vou falar aqui. Fica para um próximo texto. Fique atenta.

      Liked by 3 people

      • isabel permalink
        22 Fevereiro, 2019 16:35

        Uma única experiência não permite caracterizar uma situação social.

        Gostar

      • Cristina Miranda permalink
        22 Fevereiro, 2019 16:53

        Não é uma única experiência. É uma vivência numa sociedade onde se vê as realidades nela contidas. É muito diferente.

        Liked by 2 people

      • isabel permalink
        22 Fevereiro, 2019 19:57

        Cristina, aprecio e louvo os seus posts e a sua coragem em abordar temas frequentemente muito politicamente incorrectos. Dito isto, estou certa de que compreende que uma experiência ou, como diz, uma vivência explique a realidade de um país de mais de 80 milhões de habitantes e com enormes diferenças históricas, sociais e económicas entre as suas varias regiões.

        Gostar

      • Jornaleco permalink
        24 Fevereiro, 2019 14:54

        Cara Cristina, a Isabel não se enganou no post.

        E as palavras do seu marido são relativas. Nada dizem. Em que área é que V. Exa ia ganhar bom dinheiro? Mais que em Portugal, muito provável. Isso não é difícil.

        Faz quanto tempo, o seu marido está lá? Ele é médico? Ou canalizador?

        O seu artigo nada tem de haver com a Alemanha! Nadinha. E nem com o Canadá. O seu marido, nada lhe ajuda aqui.

        A sua tentativa de imunização não funciona. O artigo da Isabel é correcto.

        Verdade é que, quem não é malandro, vivem bem em todo o lado. Não só na Alemanha ou no Canadá.

        Gostar

      • Cristina Miranda permalink
        24 Fevereiro, 2019 15:42

        Vou repetir pela última vez: eu falo no texto da diferença cultural entre nós e alemães. Você e Isabel vêm com “os problemas da Alemanha”. São temas DIFERENTES. O mais curioso é que toda a gente percebeu ao que me estava a referir no meu texto, menos vocês que divagaram por outros temas. Mas quem disse aqui que na Alemanha NÃO HAVIA PROBLEMAS? A questão cultural sente-se assim que se pousa os pés na Alemanha. Isso é indiscutível. Há gente que está a dar cabo da Alemanha? Há. Mas isso é tema pra OUTRO texto. Não este. E atenção: você não é isento. Nota-se q nutre uma raiva aos alemães q só você pode explicar. E isso mina qualquer análise sua.

        Gostar

  6. isabel permalink
    22 Fevereiro, 2019 12:40

    Nunca ouvi falar de uma nação europeia. Parce-me tratar-se de um oximoro.
    Na Alemanha há mais de 10 milhões de empregados vivendo abaixo do nível de pobreza.
    A taxa de desemprego não inclui os desempregados que foram obrigados a aceitar trabalho abaixo das suas competências ou trabalho em part-time para manterem apoios do estado.

    Gostar

    • MJRB permalink
      22 Fevereiro, 2019 12:54

      Para essa “nação europeia” se existir, Portugal pode ficar na história, oferecendo-lhe como hino uma bela canção do Conan Osiris.

      Gostar

    • Zé Manel Tonto permalink
      22 Fevereiro, 2019 15:22

      “os desempregados que foram obrigados a aceitar trabalho abaixo das suas competências ou trabalho em part-time para manterem apoios do estado.”

      E ainda bem que o são. Se o “dôtôre” não quiser sujar as mãos come pedras.

      Devia ser assim em todo o lado. Quem trabalha não tem que sustentar calões.

      Liked by 2 people

      • isabel permalink
        22 Fevereiro, 2019 16:47

        Até estou de acordo consigo. Mas experiente defender essa posição em França ou até em Portugal. Caiem-lhe todos em cima.
        De qualquer modo, eu quis chamar a atenção para o facto de que, eventualmente, a situação espelhada pelas estatísticas alemãs não compara com as mesmas estatísticas noutros países da Europa. Tenho ouvido referir esta situação nos media francesa mas não investiguei se ela está correcta.

        Gostar

      • 22 Fevereiro, 2019 17:48

        “Mas experiente defender essa posição em França ou até em Portugal. Caiem-lhe todos em cima.”

        Claro que caem. O status social está directamente correlacionada com a esperança de vida o bem estar material, a auto-estima, o sucesso em atrair parceiros, na garantia reprodutiva, e na tendência para ser bem tratado e respeitado pelos outros. Não é de admirar que as pessoas o ambicionem e o queiram projectar aos outros, seja ele conseguido por mérito, ou falcatruas e aparências. Desde a profissão ao vestuário, maquilhagem. E quando lho queiram tirar lutem com todas as unhas para o evitar.
        É por isso que a sua gestão e atribuição pelo status quo é um grande mecanismo de manipulação comportamental, com beneficios politicos .
        O status social não é brincadeira, é um imperativo biológico, as pessoas estão dispostas a forjar, matar e até mesmo revoluções para o conseguirem. Manter a populaça iludida com o seu status sobretudo a classe média, massajando-lhes o ego, garatindo-lhes crédito para que elas o possam projectar com as suas aquisições materiais e profissionais, como ter um bmw pago a prestações a 10 anos, poderem mostrar o seu iphone, é garantia para que elas não se revoltem contra os regime e as elites.

        Liked by 1 person

    • Anasir permalink
      22 Fevereiro, 2019 15:43

      Aliás, na Alemanha agora faltam muitos licenciados. Se os jovens inteligentes que vao para os cursos profissionalizantes tivessem ido para a universidade, os alemaes nao precisariam de ir buscar licenciados a outros paises onde eles também fazem falta e que pagaram para os formar…

      Gostar

      • 22 Fevereiro, 2019 17:15

        “Alemanha agora faltam muitos licenciados”
        A lenga lenga do costume usada nos US na UK na Alemanha, e até mesmo aqui no país dos doutores. Para justificar a importação de mão de obra barata estrangeira e competir com a nativa para fazer baixar os ordenados.

        Gostar

  7. MJRB permalink
    22 Fevereiro, 2019 12:44

    Para quem afirma que a economia, as finanças, o próximo futuro de Portugal está periclitante, aqui tendes o desmentido com a aprovação, ontem, em Conselho de Ministros da tolerância de ponto na Terça-feira de Carnaval. O Cavaco lixou-se nas legislativas seguintes…
    Bom clima, óptima culinária, Carnaval, futebol + AC-DC sempre optimista + o ilusionista e beijoqueiro MarceloCarmonaThomaz, o que querem mais ?

    Liked by 2 people

  8. André Miguel permalink
    22 Fevereiro, 2019 12:53

    Os Maias de Eça traça todo o perfil da sociedade portuguesa, actual até aos dias de hoje. Somos um país de esquizofrénicos. Prezamos o diploma, mas ao mesmo tempo somos o país do “inho”, humildezinhos, pequeninos, submissos a quem está um degrau acima, sem contestar olhos nos olhos quem detém o poder, somos activistas de sofá e taberna, recalcados e frustrados. Adoramos o facilitismo, a cunha e a palmadinha nas costas.
    Por qualquer razão, que ainda ninguém conseguiu compreender, só quando emigramos damos o melhor de nós e andamos de coluna recta. O ar ou a água em Portugal devem ter algo que nos estupidifica. Só pode. Não dá mesmo para entender.

    Liked by 2 people

    • MJRB permalink
      22 Fevereiro, 2019 13:01

      Falta à maioria dos tugas, mais duas fronteiras, de países evoluídos. Estamos de costas para a Europa, só com a vizinha Espanha e virados para a água… Ou se quiser, tendo atrás só água e virados para quem nem sempre evolui e nos menospreza…

      Gostar

      • MJRB permalink
        22 Fevereiro, 2019 13:28

        Ah!, mais a inveja, que corrói, desgasta, aniquila muitos tugas.

        Gostar

  9. nacionalista permalink
    22 Fevereiro, 2019 13:10

    No tempo do Salazar tínhamos as Escolas Comerciais e Industriais, mas a comunada e xuxalhada acabou por unificar o ensino para chegar a este triste estado actual …
    É mais fácil meter o Marxismo na plebe, desta maneira !

    Liked by 1 person

    • MJRB permalink
      22 Fevereiro, 2019 13:26

      Para muitos pais e filhos, é desprestigiante aprender nas actuais Escolas Profissionais. Nada menos do que frequentar uma universidade (durante quantos anos não interessa e se tiver apoio do Estado tanto melhor) e aparecer em casa, no bairro, quiçá numa TV com capa e emblemas…c’um carago, “é o máximo” !

      Gostar

      • Porreiro Pá permalink
        22 Fevereiro, 2019 17:34

        E não só. Uma candidata à Presidência da República, disse: conheço bem os cursos profissionais. Coitadinhos.
        Coitadinhos o caraças…
        Tirei o meu curso em 1969 com 15 anos e o meu primeiro projeto foi a iluminação de uma moradia. Não conheço um colega, dessa época no desemprego.
        Em meados de 80 entrei num instituto superior: a aprendizagem do desenho técnico era aquela que eu aprendi com 13 e 14 anos e a eletrotecnia era a matéria de eletricidade que aprendi na escola industrial.
        Quem são os coitadinhos?
        Os engenheiros de hoje conhecem a fresa, ou o esmeril? PENSO QUE NÃO, coitadinhos daqueles que tiraram o curso industrial antes de 1974.

        Liked by 2 people

      • Velho do Restelo permalink
        22 Fevereiro, 2019 19:02

        Coitadinhos, pq vão ter de aprender no terreno depois de sair da escola …
        aliás como os restantes !

        Gostar

  10. JgMenos permalink
    22 Fevereiro, 2019 13:14

    Poe algum motivo se valorizam tanto os sociólogos e psicólogos, instrumentos essenciais para a validação e manutenção da cretinice vigente.

    Liked by 1 person

    • MJRB permalink
      22 Fevereiro, 2019 13:39

      Ah, mas eu não me importaria de ser “analisado” por uma psicóloga bonita, boazona e nua (logo, valorizada) como a tal que fez propaganda como Eva no paraíso, numa revista ao seu pretenso partido político.

      Gostar

  11. Daniel Ferreira permalink
    22 Fevereiro, 2019 13:40

    É preciso ter em consideração que sempre que a escumalha pegou no Ensino nos vários países ao longo do século XX, as Universidades tornam-se única e exclusivamente linhas de produção industrial de Idiotas Úteis, como Lenin gostava de dizer. Não é por nada que o Judas Costa ainda à pouco tempo disse que “a meta era que 60% dos estudantes tivessem curso superior”.

    Dissertando um pouco sobre isto, no ano 2000 foi dado o prémio nobel a um estudo “da Psicologia” que ficou conhecido como “Dunning–Kruger effect”, que versa sobre qualquer coisa como: as pessoas limitadas acham-se Inteligentes pois acham que o pouco que sabem é o que há para saber, em contraste com as pessoas mais capacitadas que nunca se acham inteligentes pois têm noção que por muitas coisas que saibam é uma gota em relação ao que há para saber.

    Pois a escumalha é especialista em por a juventude na 1ª parte do gráfico, ensinam-lhes pouquíssimas coisas (a maior parte mentiras totais) e dizem-lhes que é apenas o q há para saber. Não é de espantar que os jovens de agora, que não estão minimamente preparados para sobreviver a qualquer crise a sério que aí venha, tenham que ouvir dos governantes “que são os mais bem preparados de sempre”… rir para não chorar

    Liked by 3 people

    • Velho do Restelo permalink
      22 Fevereiro, 2019 15:52

      O importante é ter AUTO – ESTIMA elevada, e é para isso que os psi fazem muita falta nas escolas …
      O povo inteligente seria muito mais difícil de enganar!
      Costumo definir o índice de felicidade :
      F = (o que temos ou pensamos ter) / (o que conhecemos e desejamos) .
      Aumentar o numerador é caro, e o denominador também,
      mas não interessa aumentar o denominador porque isso ia fazer baixar o índice !

      Gostar

      • Daniel Ferreira permalink
        22 Fevereiro, 2019 15:59

        Aí é q você disse tudo, um povo inteligente seria muito difícil de enganar. Mas como para a esquerdalha ter hipóteses políticas, é necessário um povo mesmo muito limitado intelectualmente, não é por acaso que durante décadas a degradação da qualidade de ensino foi uma das prioridades. Qualquer dia para se entrar em Medicina basta fazer colagens e não fugir da linha no picotado. E reprovar alunos é que não, é “elitista e de extrema-direita”

        Liked by 1 person

  12. MJRB permalink
    22 Fevereiro, 2019 14:12

    Porra !! Morreu Sequeira Costa.
    (Ninguém é eterno fisicamente, mas este fabuloso pianista fica para sempre).

    Liked by 1 person

  13. Daniel Ferreira permalink
    22 Fevereiro, 2019 15:50

    E como nem tudo são más notícias, o fundador daquele antro de dementes que parecem um partido político, que é somente o mais extremista-e-perigo-público-numero-1-2-e-3, que devia ser ilegalizado e todos os seus membros presos, mas como agora somos governados pelos piores ladrões, pedófilos e assassinos, colocam os fieis seguidores de tal personagem a leccionar nas universidades a dizer autênticas pérolas do género “amar os avós é violência”, “devemos cortar totalmente com o passado”, “o estado Islamico devia vir para PT”, Faleceu!

    Conseguindo eu apenas imaginar a podridão por metro quadrado que vai ser este cortejo fúnebre, ficam aqui os meus sentidos pesames ao povo da Madeira que em nada tem a haver com isto.

    Liked by 2 people

    • 22 Fevereiro, 2019 17:08

      Não fale mal do camarada Arnaldo. Se o afectuoso Marcelo já publicou no portal da presidência que “ficará na memória de todos como um defensor ardente da liberdade e como um lutador pela causa da justiça social e dos mais desfavorecidos” e que “concordando-se ou não com as suas ideias e afirmações, a voz de Arnaldo Matos, pela sua intransigente independência, contribuiu decisivamente para enriquecer o debate democrático e para o pluralismo de opinião no seio da sociedade portuguesa. Por tudo isso, Portugal ficou mais pobre com o seu desaparecimento”, quem somos nós para duvidar da bondade do senhor?

      Cada dia que passa, sinto-me mais orgulhoso por não ter votado neste afectuoso Marcelo.

      Liked by 1 person

      • Andre Miguel permalink
        22 Fevereiro, 2019 17:37

        Pois. Se eles dizem que a sanguinária extrema-esquerda contribui para enriquecer o debate democrático não se admirem do povo suspirar por um populista que lhes dê o contraditório. Também cá chegará, atrasado como tudo em Portugal, mas virá.

        Liked by 2 people

      • MJRB permalink
        22 Fevereiro, 2019 22:20

        Porra !,bis. Pensei que o JSousa estava a reinar com o quase sempre carpideira MCThomaz, mas afinal é mesmo verdade, lamentou oficialmente a morte do AMatos. Já todos têm “valor” para o MCT, vale tudo.

        Estou com alguma curiosidade para saber quem vai ser condecorado no 10 de Junho.
        Bem…com o convite ao JMiguel Tavares para presidir às cerimónias, já eu me ri há tempos.
        AGORA,
        LEIAM
        E (se quiserem)
        FIXEM
        ESTA:
        Ou será que os serviços da presidência enganaram-se no nome e puseram o jornalista em linha, em vez do Miguel Sousa Tavares ?, que também me provocaria riso, se.

        Liked by 1 person

      • Daniel Ferreira permalink
        25 Fevereiro, 2019 12:32

        Um quis que o Estado Islamico viesse para PT e o outro diz q o Islão faz parte da alma de Portugal. Prende-los é que nada

        Liked by 1 person

  14. Carlos Reis permalink
    22 Fevereiro, 2019 19:54

    Numa escola de formação da zona Oeste é obrigatório tratar todos os formadores e funcionários por doutor, mesmo não o sendo. Quem não o fizer é chamado à atenção.

    Liked by 1 person

  15. TSousa permalink
    22 Fevereiro, 2019 21:08

    Antes de ser acusado de alguma coisa aviso já que não sou socialista, sou de direita, portanto também não sou apoiante do PSD.

    Acho curioso quando se evoca realidades distantes para mais facilmente ser aceite por quem nunca meteu os pezinhos no dito sítio. Já parece o mito dos países nórdicos. Ok, mito é exagero, mas lá também não é um conto de fadas embora muito melhor do que a tugalândia.

    Continuando. Por princípio eu concordo que em Portugal damos valor exagerado ao “canudo” não pelo que ele em si devia representar (estudos adquiridos, qualificação, etc), mas sim pelo que “transforma” a pessoa (dá estatuto, respeito, admiração). Todavia, é legítimo que os pais das novas gerações queiram para os seus filhos o que eles não tiveram até porque diga-me lá Cristina se você colocaria um filho seu numa escola profissional? Para quê? Para ele ir trabalhar para que indústria? Para ser mecânico em Paio Pires? Ser Canalizador na Cova da Piedade? Apesar de todas as dificuldades e atrasos do país, o salário e a probabilidade de arranjar emprego continua a ser muito maior para quem tem “canudo”.

    Agora falando sobre a Alemanha. País que conheço muito bem a realidade. É verdade que o ensino de formação profissional é um exemplo para qualquer país e a ligação com o mercado de trabalho é excepcional, mas isso acontece porque eles têm indústria que consegue absorver quase toda a mão de obra. Em Portugal isso dificilmente acontecerá. Só para dar um exemplo, a ATEC (Palmela) forma muitos jovens que mal acabam os cursos vão trabalhar para… A VW na Alemanha! É importante também dizer que os alemães são muito engenhosos nas estatísticas (quase tanto como os socialistas) e em relação desemprego eles têm uma versão ainda mais radical dos contratos temporários (diários!) em que se alguém trabalhou um dia que seja no mês já não conta como desempregado.

    Para terminar, e ainda sobre os títulos de dr e etc… Eu também tinha a impressão que em Portugal (e o resto dos países do sul) ser dr. era o êxtase, mas por incrível que pareça encontrei na Alemanha uma realidade que não encontrei nem nos países do sul, nem na França, Bélgica ou Holanda… Que é a própria pessoa apresentar-se como mestre/doutorado seguido do seu nome! E não, não estou a falar em contextos profissionais ou formais.

    Enfim, basicamente para dizer que os problemas de Portugal são muitos e já perdi a esperança no país faz muito tempo.

    Liked by 1 person

    • Velho do Restelo permalink
      23 Fevereiro, 2019 11:47

      Nunca estive na terra da Srª Merkel, mas pelo que se conta, não admira que as estatísticas do emprego sejam bastante favoráveis por lá. Quando o Baby Face Semtino resolver criar um código de actividade para a profissão mais antiga do mundo, pode não reduzir muito a “estatística do desemprego”, mas aumenta certamente o PIB.
      Na terra da Srª Merkel, uma jovem perdeu o direito ao subsídio de desemprego porque se recusou a aceitar a única proposta de trabalho que lhe era oferecida … a tal, a mais antiga profissão ! Ok, não tenho provas, pode ter sido uma FN, mas alguém tem provas do que por aqui se diz ?

      Gostar

  16. José Monteiro permalink
    22 Fevereiro, 2019 22:12

    «É por isso que por cá tropeçamos em doutores»-Velho Canto Lusitano:
    “O quinto império”
    … nós somos púnicos, parecemo-nos com os mercenários de Amílcar e todos esses matreiros do mediterrâneo. Nós somos girinos…
    Sem endereços e todos com o mesmo nome, obedecendo a dois ou três pequenos princípios, entre os quais o de inventarem títulos…
    Dominique de Roux (1977, Paris)

    Liked by 1 person

  17. Leunam permalink
    23 Fevereiro, 2019 02:33

    O “grande educador da classe operária” (!) deixou-nos, apesar de tudo, uma grande verdade quando se referia à classe política:

    “É TUDO UM PUTEDO”.

    Quanto à Escola pública em geral:

    O caminho está traçado:
    A continuar como temos estado, daqui por trinta anos o País terá ao seu serviço toda uma geração composta apenas por imbecis ignorantes, nas seguintes proporções: 50% de alarves e 50% de burros.

    Agradeçam isso ao prec e seus ideólogos, às esquerdas loucas e mal intencionadas e às direitas pusilânimes.

    Pela minha parte, algo tenho feito para chamar a atenção para o segundo maior crime que a Sociedade portuguesa está a aceitar que se pratique no seu seio.
    Sobre isto não se ouve um grito de revolta nem exigência alguma.

    Colectivamente estamos a ser cúmplices na produção de uma geração completa de ESCRAVOS que, em devido tempo, serão os juízes da actual geração.

    Como sempre, o texto da Cristina Miranda a merecer os maiores elogios. Parabéns.

    Liked by 1 person

  18. Leunam permalink
    23 Fevereiro, 2019 12:59

    Cristina

    Ainda sobre Canudos e Competências.

    Viu isto?

    Liked by 1 person

  19. Nelson Ferreira permalink
    23 Fevereiro, 2019 13:54

    É verdade. Vivi e trabalhei na Suíça durante alguns anos e aí logo a partir do fim da instrução primária os jovens são incentivados a escolher uma profissão sem prejuízo de mais tarde poderem sempre alterar essa escolha e até ingressarem numa universidade. Lá não faltam profissionais e são muito bem pagos.

    Liked by 2 people

  20. Jornaleco permalink
    23 Fevereiro, 2019 17:09

    Cara Cristina […]

    Citação: ‘Estive um mês na Alemanha e percebi o fosso que nos separa daquela civilização. […]’

    O fosso existe. Ainda. Mas, um mês é muito pouco e não (!!) chega. É insuficiente. V. Exa não percebou nada! Nadinha!

    V. Exa viu muita riqueza, criada por uma geração, DA DIREITA, que AGORA está a ser dominada pelos mesmos bandalhos, pela mesma escuma marxista e altamente burra, que estudou coisas que ninguém, NINGUÉM precisa. A não ser alimentado por aqueles que trabalham e não querem ser marxistas e burros.

    Leu o que a Isabel escreveu, post de: 22 Fevereiro, 2019 12:30? E compreendeu? Parece que não!

    Citação: ‘Mas há mais: na Alemanha mais do que o grau académico, importa a experiência e “know-how”. […]’

    As aparências iludem. A Alemanha, que V. Exa quis ver, já não existe. Eles estão a seguir o caminho do Bloco da Decadência, Pornografia, Perversidade e Instigação à violência e ao racismo, contra tudo que é cristão e branco.

    Desde há quinze (15) anos, pelo menos, o contrárioi entrou em vigor. A política está a destruir tudo isso. TUDO!!

    V. Exa foi à Alemanha e não soube pôr as devidas perguntas, porque não teve com quem comunicar, que saiba o que se passa no país.

    A Alemanha actual está a dar cabo de toda a Europa, cuja meta é destruir a nação e misturar tudo com racistas do Médio Oriente.

    A Alemanha não deixa desenvolver a economia portuguesa.

    Nem os racistas e os jovens incultos do Restelo são capaz de perceber o que eu aqui escrevo. V. Exa, que não é do Restelo, será, se abrir os olhos.

    V. Exa fala do passado. Esse já acabou. A população está cheia de medo, sobre o futuro. E os alemães já não são os mais ricos de Europa ou do mundo. Há listas em circulação, que indicam, que os italianos são na média, mais ricos que os alemães.

    Haverá muito para dizer ainda. Certo e indiscutível, os valores que criaram essa Alemanha, qual a impressionou, já não existem, quer dizer, não são praticados. A esquerda odeia esses mesmos valores. e conseguiu obter o poder total na Alemanha.

    Andam a arriunar o próprio sector automóvel, adoram como os maiores estúpidos o ambiente e dedicam-se à perversidade.

    Quer provas?

    As pessoas em Portugal não têm a miníma ideia da Alemanha actual e real. Andam a sonhar. A Alemanha não é o que parece. E um dia, no futuro breve, o dinheiro vai parar de correr para Portugal, que anda alimentar os Costas, os Sócrates falsos e corruptos.

    Isso é que é seguro!!

    Gostar

    • Cristina Miranda permalink
      23 Fevereiro, 2019 19:43

      Primeiro: não me chamo “V.Exa.” Segundo: sim eu estive um mês (já lá tinha estado no verão também) porque meu marido VIVE LÁ. O que sei sobre a Alemanha vai muito além do que vi.

      Gostar

      • Jornaleco permalink
        24 Fevereiro, 2019 15:12

        O seu artigo está e continua cheio de erros. Com ou sem V. Exa.

        E aonde é que pensa que eu vivo?

        A sua imunização não funciona. Erro é erro.

        Melhor seria dizer, aonde o seu marido pensa viver e o que é que ele lá diz fazer.

        Gostar

      • Cristina Miranda permalink
        24 Fevereiro, 2019 15:45

        Desculpe. Mas com este seu comentário, fiquei esclarecida: você tem um problema com os alemães.

        Gostar

  21. Jornaleco permalink
    23 Fevereiro, 2019 17:44

    Citação: “Queremos ser um país de crescimento, estar na vanguarda europeia mas somos pobres de espírito. […]”

    Queremos?
    O que tenho eu de haver com todos os “porcos”, cegos, idiotas, do 25 de Abril? Nadinha!! A ponte sobre o Tejo ainda se chama ponte de Salazar! Ele não mudou de nome. E que os trafulhas fazem, eu ignoro.

    “Pobres de espírito”?
    Quem é que quis seguir, de libre vontade, (ver liberalismo), os trafulhas do 25 de Abril? Eu não!

    Como semearem, será a colheita. É justo!! É tudo lógico, o que sucede. Tudo.

    Citação: “[…]. Cultivamos uma sociedade de doutores […]”?

    Eu não. Eu reconheço qualquer falso doutor, a 8.000 quilómetros de distância. A Merkel é uma dessas falsas doutoras. Putativo doutoramento em física. Sabia que o doutoramento dessa bruxa e umas das mulheres mais burras, estúpidas e tontas do mundo desapareceu?

    Falsos doutores em todo o lado: Espanha, França, Itália, Países Baixos, Bélgica. Isto não é só um fenómeno português. Nadinha disso. Olhe para a Venezuela, Coreia do Norte, China, e os racistas da esquerda nos Estados Unidos da América.

    E esses falsos doutores e a escuma que os segue, que dão empregos só uns aos outros, e discriminam os competentes, vão dar cabo desta Europa.

    Já há, pelo menos, um caso de eleições falsificadas na Alemanha. Quer provas? E ninguém é castigado na Alemanha, porque os juízes são da mesma escola, como os burros.

    Não se esqueça, que 90 a 95 por cento, dos jornalistas são todos da esquerda racista, na Alemanha!! Uns dias atrás apanharam um desses sapos a mentir. Num jornal da esquerda burra. E agora apanharam outro, em flagrante. Só que o nome do último ainda não foi revelado. Mas vai ser. Tem que ser.

    E em Portugal não é muito melhor. Pelo contrário. Se as pessoas vão nas cantigas dessas pessoas e ainda por cima pagam por isso, vai ser linda, quando acordarem do sonho.

    Fale do dinheiro que o reformado na Alemanha vai receber. O futuro das mesmas. E compare com aquilo, que o reformado recebe na Aústria.

    A Alemanha actual está cheio de problemas artificiais e o pior: não há caminho para os resolver. O único partido inteligente no parlamento alemão é discriminado a todos os níveis. A todos. Racismo do pior que existe. E o antesemitismo a crescer a um ritmo que mete medo.

    Um presidente alemão doido e perverso: o bom é o mal e o mal é o bom.

    Sabe o que vai ser que aturar uma falha de luz, que vai afectar grande parte do país? E que vai durar pelo menos uma semana? O dito canalizador, a mulher de limpeza, sabem em absoluto, o futuro que esta Alemanha nova vai ter que afrentar. E vai doer, bastante!!

    V. Exa foi à Alemanha e não viu nada!! Nadinha.

    Ficou impressionada com a riqueza. Isso sim. Mas o futuro não vai ser risonho para a Alemanha. Os reformados na Alemanha andam pelas estradas à procura de garrafas, cujo valor é de 25 cêntimos, para aumentar o pouco que têm ao fim do mês. Como ontem à noite, em frente da biblioteca nacional, às escuras. O estado alemão não os ajuda. O estado alemão? Bem, o estado controlado pelos perversos da esquerda alemã. Esses não ajudam. Dizem ajudar. Falar é barato. Os actos mostram outras coisas muito feias.

    Um mẽs não chega, cara Cristina. Nunca!!

    Esta Alemanha está podre. 87 por cento podre!! Oitenta e sete!! E os Países Baixos também. A Bélgica na mesma. Também os liberais portugueses não o querem ver. O liberalismo não tem hipótese nenhuma em Portugal. E nem na Alemanha. Hayek já o explicou porquê!! E a Grã-Bretanha não está melhor.

    Gostar

    • Cristina Miranda permalink
      23 Fevereiro, 2019 19:50

      É curioso que o meu texto aborda apenas o fosso cultural que nos separa da Alemanha mas mesmo assim conseguem divagar e abordar temas que eu não referi. Enfim. Eu não afirmei q Alemanha não tinha problemas. Isso é tema pra outras crónicas.

      Gostar

      • Jornaleco permalink
        24 Fevereiro, 2019 15:24

        Cristina, o seu texto contem afirmações, que não correspondem à verdade. É muito simples.

        Nem eu, nem a Isabel, que eu não conheço pessoalmente, claro, estamos no sítio errado.

        O seu texto aborda uma Alemanha, que já não existe.

        O fosso cultural, do qual fala, já não é existente. Faz muitos anos. Lá como aqui, metem o dedo no cu ao outro. Entre Lisboa e Berlim não existe fosso cultural NENHUM!!

        Ninguém disse, que você alguma vez negou, que a Alemanha ou o Canadá não tivessem problemas.

        O seu problema, é, que as suas afirmações não correspondem à realidade.

        Muito à teoria, como a Alemanha foi no passado, há muitos anos. Desde os anos 1990 tudo mudou.

        E o seu marido a viver lá ou não, não pode corromper a verdade. 82 milhões de pessoas vivem lá muito mais tempo, que o seu marido. E a população está aumentando, agora.

        Gostar

  22. Jornaleco permalink
    23 Fevereiro, 2019 18:12

    Citação: “Para alcançarmos uma economia pujante […]”

    a) Sair do Euro o mais rápido possível e da União Europeia. Os macacos de Bruxelas não tem direito nenhum em dar-nos ordens. Nós é que as damos a eles.

    b) Seguir o caminho de Trump. E aprenda a lutar a sério, porque esta esquerda, é a coisa mais falsa e violenta que existe no mundo. Para chegar ao poder usaram a arma da mentira. E para sair do mesmo poder, só mortos.

    c) A Alemanha tornou o Euro num Escudo. A economia alemã dá cabo da economia portuguesa, não a deixa desenvolver.

    d) Fechar as fronteiras. Coisa que o liberalismo não tem coragem de o fazer. Depois não se queixem.

    e) Tornar o ensino, como na China. Com castigos duros, se for preciso. Como irá o liberalismo de café responder a este desafio?

    Gostar

  23. Jornaleco permalink
    23 Fevereiro, 2019 18:48

    Citação: ‘[…] Não se distinguem dos trabalhadores porque se consideram parte da equipa e não “patrões”. […]’

    Cara Cristina, mas onde é que esteve, na dita Alemanha?

    O erro mais perigoso do racionalismo é a generalização. Por haver esses elementos, também os há, sem dúvida, não é permitido deduzir, que o resto também é ou seja assim. Longe do contrário.

    Decerto que existem boas diferenças, entre o seu Portugal e o que viu, (pela primeira vez??) na Alemanha. Não é isso que critico.

    Esses, que V. Exa descreve, são os mesmos, que andam a destruir o sector automóvel, que votam no partido dos verdes, que abriraram as portas aos bárbaros do Médio Oriente e que andam a destruir a nossa economia, a portuguesa.

    A União Europeia é só vantajosa para os alemães. Os alemães trocaram o Euro pelo o Escudo português e dominam por completo esta Europa.

    O abismo entre patrões e o alemão por si visto, está cada vez maior. O rico está mais rico e o pobre cada vez mais pobre.

    Na capital da Alemanha, já estão a falar abertamente, de expropriar todos aqueles, que tiverem mais de 20 apartamentos. Sem um tostão de troco, pelas expropriações, contra a vontade da constituição. Aliás a mesma Alemanha não sequer têm constituição.

    A capital de Berlim já é controlada, graças ao liberalismo, por grupos violentos muçulmanos. Do pior que existe no mundo. Graças à grande inteligência da Merkel. Essa super-mulher muda de cor, de um minuto para o outro, e dá por esquecido o que disse ontem, só para ficar agarrada ao poder.

    A Merkel disse no passado, uns anos atrás: o multiculturalismo está morto, não funciona.

    Os historiadores competentens, darão prova desse facto. Está gravado para a história. E agora, essa mesma tonta e drogada, faz o total contrário.

    O que V. Exa viu foi tudo uma grande ilusão. Um erro fantástico.

    Hoje em dia, os sindicatos alemães, são o maior inimigo do trabalhador alemão! O maior!!

    Gostar

  24. Jornaleco permalink
    23 Fevereiro, 2019 19:09

    Citação: “[…] Mas num país com uma cultura pobre […]”

    Mas de que país está a falar? Com qual justificação?

    Fale é daqueles, que educaram os doutores falsos e incompetentes de hoje. Não foi o 25 de Abril? Não foi o liberalismo? Quem educou esses professores, que têm medo, de dar uma estalada num aluno, que não tenha respeito por ele? Quem permitiu a entrada de professores, que não queriam e não querem ensinar a verdade, mas contar favas e mentiras?

    Semearam, colheram, e agora queixam-se? Isto é demais.

    Na Alemanha, na mesma. O marxismo infiltrou tudo, TUDO!! E V. Exa viu a Alemanha do passado. Não quiz ver, que tudo já está hipotecado. Olhe para o banco alemão “Deutsche Bank”. Um banco, da maior importância para o sector financeiro mundial. Se este banco tiver problemas, até se vai fazer sentir até Portugal. E o banco está com sérios problemas. No passado, isto seria impensável. E agora? Quem é o culpado?

    E agora andam à procura dum bode expiatório? Não é o marxismo e o ateísmo? O ateísmo nunca prometeu justiça! Nunca!! É o que se vê. Mas porque não param de se queixar, então?

    A realidade vai resolver as coisas à sua maneira. E os liberais de café não vão gostar.

    Gostar

  25. Jornaleco permalink
    23 Fevereiro, 2019 19:44

    Citação: “Estive um mês na Alemanha e percebi o fosso que nos separa daquela civilização. Constatei porque são uma economia forte e nós uns pelintras. […]”

    a) A Alemanha é só uma economia forte, porque a deixam ser forte.
    b) A Suiça no século XIX. copiava e roubava contra todas as leis internacionais o que havia de saber avançado, para mais tarde tornar-se no que é hoje. Outros países fizeram de modo parecido.

    c) A autora Cristina não reparou nos pormenores. A civilização alemã, se a houver, se esta generalização for permitida, já não é civil, e a inteligência já não foi vista na mesma Alemanha, faz muito, muitos anos.

    Quer provas?

    d) Os problemas totalmente artificiais e graves, que esta Alemanha enfrenta são estes:

    Endividamento.
    Gradual destruição de um dos melhores sectores de energia, com energia barata, muito barata, para um sistema com a energia da mais cara de Europa e qualquer dia, de todo o mundo. Como este facto em si, não chegasse, esses cabrões alemães, obrigam o resto da Europa a seguir esse caminho: o do culto da morte. Portugal precisa eneriga barata, e o que é que os idiotas em Lisoba fazem? Copiam os alemães e beijam os pés a burros.
    Negação da própria cultura. O estado já não existe. A nação também não. Todos aqueles que a defenderem são discriminados, e terão que temer pela própria saúde, perda de emprego, e a destruição da vida privada. Na Alemanha já não existe a liberdade de expressão. Acabou-se!! A televisão do estado já não a permite. Só nuns cantinhos da Internet é que ela ainda é vista. Mas os inimigos da liberdade de expressão já estão a trabalhar para também acabar com esses cantos. E com o Facebook, Twitter, Google a ajudarem muito, na perseguição dos justos. Que não se querem deixar oprimir. A equipa de futebol alemã já não é tratada como alemã, só como uma equipa qualquer!!
    Uma consequência grave do ponto 3, é a adopção ao multiculturalismo. Só do lado governamental. É a falsa elite dos doutores incompetentes e burros, que defende isso. A vasta maioria do povo é contra!! Mas o governo não quer ouvir e escutar o que o povo ordena. Por isso, os media mentem a valer, beijando o cu ao governo marxista-leninista em Berlim.
    Um governo a governar contra (!!) os interesses do próprio povo.
    As infraestructuras a apodrecer. Pontes, estradas, escolar. Para não falar da rede de Internet e telemóveis. Aeroportos em construção à uma data de anos. A casa da música em Hamburgo foi um desastre. A acústica é uma vergonha. Bancos falidos. Má governação. Milhares de provas. Caso desejarem.
    As dívidas do estrangeiro à Alemanha são enormes. Ninguém de bom senso acredita que elas serão jamais pagas para trás. Os próprios socialistas portugueses, esses idiotas, já deram provas do mesmo, no parlamento português, que não intencionam pagar as mesmas para trás. Quem perde o dinheiro, será o burro alemão. Aquele que trabalhou uma vida com suor, e agora é enganado pelo próprio governo e todos os socialistas em Europa.
    Os comunistas, na pele do ambientalismo, estão a destruir o sector industrial alemão por completo. E as ovelhas a seguir para o abismo.
    Estão a dar cabo de uns dos melhores motores do sector automóvel: o motor a gasóleo e o próprio sector. Porquê? Tudo e nome da puta do ambiente, que não quer saber um corno sobre o ser humano.
    Os pais não podem educar os próprios filhos como desejam. Um dia destes, um casal alemão foi castigado, por um juíz perverso e completamente tonto, por os pais com toda a razão terem recusado a visita do filho a uma mesquita. Ninguém se lembra do contrário. Quando é que obrigam os racistas muçulmanos, que odeiam tudo o que não quer ser como eles (cristãos, ateus, judéus), a visitarem uma igreja? Ou o templo do diabo?
    Ainda há muito mais. A Alemanha não é o que parece, a pessoas que passam por lá sem quererem pôr perguntas inteligentes.

    Que cultura é esta? É a cultura da morte! New Age em perfeição. Fugem do Restelo, o mais rápido possível. Porque a ignorância lá é enorme.

    Gostar

  26. Jornaleco permalink
    23 Fevereiro, 2019 20:46

    Cara autora, cara Cristina,

    a minha crítica não é e nunca será contra a sua pessoa. V. Exa é muito inteligente e boa trabalhadora. Muito boa.

    A minha crítica é só (!) contra alguns seus argumentos usados. Citação:

    “[…] A Alemanha possui umas das menores taxas de desemprego […]”

    Falsa afirmação. As estatísticas são manipuladas e não reflectem a realidade. Argumento indiscutível.

    Citação: “[…] e é um país de referência nas vias profissionalizantes possuindo um dos sistemas mais bem estruturados do mundo. […]”

    Falsa afirmação. Era. Era no passado assim. Quando a esquerda NÃO governava. Ou a esquerda era mais honesta e menos violenta e estúpida. O burro ainda era burro e o chefe era chefe. Cada um estava no seu sítio.

    Citação: “[…] Estes empregos são altamente respeitados e valorizados por toda a sociedade. Sabia?”

    Falsa afirmação! Era. No passado era assim. Muitos, muitos, mesmo muitos anos atrás. Hoje já não o é! A Alemanha de hoje e de ontem está a tornar-se no maior pesadelo para os corruptos e incompetentes em Portugal. Esta Alemanha actual está a viver à grande do passado e já quis hipotecar tudo o que tem e tinha. O futuro dos jovens alemães está feito ao bife. Eu estou alegre, porque o dia, em que o dinheiro não correrá mais para as mãos dos burros em Portugal, está cada vez mais perto. Eu ganho.

    Agora é como em Portugal. Doutores parvos e idiotas e incompetentes e perversos e doidos e mentirosos por todo o lado, que só querem encherem os bolsos, o mais rápido possível, e da maneira mais escrupulosa possível. Todos querem ser doutores na Alemanha. A Alemanha está a aprender do 25 de Abril. O 25 de Abril alemão foram as putas de 1968. Eles controlam quase tudo e discriminam todos aqueles, que continuam a não querer ser como eles: burros e perversos! É a ditadura dos burros.

    V. Exa nunca ouviu falar da “Frankfurter Schule”? É a fábrica universal para produção de autênticos burros. Inclusivamente esses em Portugal e também na Espanha, etc..

    Existe falta de canalizadores, na Alemanha. Para voltar ao que a cara autora quis descrever. Canalizadores hoje, podem ganhar mais do que doutores. As pessoas têm que esperar meses, muitos, para um aparecer. E eles conseguem assim exigir o que querem.

    Uns anos atrás, o governo alemão, da esquerda, acabou com a qualidade dos empregos respeitados e valorizados. Já não é preciso uma inquisição, a prova dura e exacta, para exercer muitas dessas profissões.

    Mas para tornar uma coisa muito clara: A sociedade quer hoje só estudar e não sujar as mãos. Um facto inegável e indiscutível! Sabia?

    Até os media da esquerda não o negam. O partido socialista é um dos maiores proprietários dos media na Alemanha. E eles, que favoreceram essa moda, de todos estudaram, queixam-se agora.

    A Alemanha não é o que parece. Esta Alemanha é um enorme perigo para uma Europa das nações, que querem governar-se a si próprias, em liberdade e mútuo respeito.

    As coisas em Portugal vão mudar, quando os alemães acabarem de nos pagar, para nós comprar-mos os produtos deles. É ao que chegar-mos. Triste. Muito triste. Esta Europa é só boa para a economia alemã. Que não é forte em si. Os burros portugueses é que não querem aprender.

    E foram os burros alemães socialistas, que financiaram o 25 de Abril. Que ajudaram a destruir Portugal e levar Portugal para esta situação de hoje. Nada foi casual. Nada!!

    Gostar

  27. Jornaleco permalink
    23 Fevereiro, 2019 21:17

    Citação:
    ‘[…] Aqui valoriza-se as pessoas e não os “canudos”. […]’

    Errado!!
    Depende do ambiente social, do nível de educação do próximo.

    A nível político valoriza-se o canudo. Indiscutível! 87 por cento da população valoriza o burro. Sem dúvida!

    Citação:
    ‘[…] Ah! E os empresários? Esses vestem ténis e calça de ganga e deslocam-se para o trabalho em bicicletas ou transportes públicos e não usam “títulos”.’

    Há estes e aqueles. Eles usam os títulos, sim senhor. E aqueles que não o usam, mas detêm um, são como as cobras e os intrigantes. Só 15 por cento, desses, é que não dão valor a títulos, mas querem continuar a ganhar com o título. Verdade é que, cada vez há menos pessoal, que o mereça.

    P.S.: Os empresários. Esses querem digitalizar tudo, até a si próprios, se fosse possível. O respeito pelo próximo desaparece à velocidade da luz, cara autora. Eu sei programar e sei de que falo. E muitos daqueles que querem digitalizar tudo à pressa, não o sabem.

    P.P.S.: As más linguas andam por aí a dizer, que Portugal tem uma rede de Internet, etc., melhor que a Alemanha. Muitos países dispõem de melhores redes. Em Europa e a nível mundial.

    Gostar

  28. Jornaleco permalink
    23 Fevereiro, 2019 21:41

    A Alemanha que viu, que pensa ter visto, não é a de hoje, nem aquela de há 15-20 anos. Ou mais.

    A Alemanha é diferente. Sem dúvida.

    Mas V. Exa deixou-se impressionar pela riqueza, pela diferença em si, pela boa organização do passado, que foi o fruto de valores cristãos em combinação com um liberalismo de uma certa escola alemã, que só lá existe, existiu aliás, e o pior de tudo, hoje, não teria possibilidade nenhuma em se apoderar do estado.

    O que V. Exa pensa ter visto, pode ver em qualquer país do mundo, que é bem governado. Boa governação.

    Portugal não é bem governado, desde o 25 de Abril. A ponte de Salazar continua a ser a ponte de Salazar e não a dos bananas que querem ir ao cu um do outro e roubar a mim a liberdade de educar os meus filhos como eu quero e não como o homosexual fascista pensa querer, no seu cérebro podre. Eu nunca permitarei isso.

    O estado alemão já não é forte, mas podre, muito podre e estragador. O estado alemão anda a destruir os alicerces da sua riqueza, que com estas regras de hoje, jamais teria conseguido.

    E em Canadá, ao contrário, do que afirmou, é da mesma maneira. O Trudeau ou algo parecido, esse gajo falso e cobarde e perverso, e liberal, também não sabe governar. Muitos deixam-se iludir.

    O liberal que se recusar a falar da decadência, da perversidade, que não queira com unhas e garras defender a vida dos bébes, deixa de ser liberal. É um monstro. E o chefe ou primeiro-ministor do Canadá actual é um estúpido e perverso: uma besta.

    É o que está a acontecer no Canadá e na Alemanha. A perversidade e a decadência a governar. Os resultados são conhecidos.

    E o canalizador na Alemanha, já ninguém quer ser. Todos querem mandar e ninguém trabalhar a suar.

    A cara autora sonha de boa governação. Muito bem. Mas não confundir a actualidade com o passado. Há valores e valores. E os valores da esquerda são discriminação, racismo, mentir, ser infiel, e ir ao cu do outro, prisão, injustiça, falta de respeito e algo mais. E do poder, só mortos querem sair.

    Boa governação já não existe na Alemanha. No Canadá tão pouco. Eu não sei o que viu na Alemanha e no Canadá. Decerto é que, nada tem de haver com o liberalismo. Impossível.

    No Canadá e na Alemanha de hoje a liberdade de expressão desapareceu. Já não existe. Como no Restelo, em Lisboa.

    Gostar

  29. Os corruptos que se cuidem permalink
    24 Fevereiro, 2019 11:41

    Análise lúcida, informada e competente, como sempre. Só tenho duas palavras a acrescentar: obrigado, Cristina!

    Liked by 1 person

    • Jornaleco permalink
      24 Fevereiro, 2019 13:41

      Do que é que fala? Está drogado, ou quê? Só um desnorteado, pode afirmar o que acabou de dizer. A autora não sabe do que falou.

      Os argumentos dela querem uma boa governação. Mas ela não sabe ainda hoje, como atingir esse objectivo. Porque, queixar-se é uma coisa, saber endireitar o caminho para lá chegar, é outra história. E ela não o sabe.

      Ele pede a outros que o façam. A esperança!

      A autora não sabe nadinha sobre o Canadá, nem sequer sobre a Alemanha.

      Ela quer boa governação. Na Alemanha, esss, acabou de existir.

      Quem afirmar o contrário que o prove. A autora não o fez, não o consegue.

      Gostar

    • Jornaleco permalink
      24 Fevereiro, 2019 13:53

      Análise lúcida?
      Em que parágrafo, por favor?

      Análise informada?
      Onde, em que parágrafo, por favor? Diga-me uma única frase em que a autora sabe do que fala.

      Análise competente?
      Prove-o. Onde é que estão as afirmações correctas, por favor?

      Como sempre?
      Não. Eu penso, que isto foi uma coisa, que não voltará a repetir-se, tão depressa.

      Ó “Os corruptos que se cuidem”, V. Exa está aqui a ser muito corrupto. Muito, mesmo muito.

      Gostar

  30. Jornaleco permalink
    24 Fevereiro, 2019 15:06

    Citação:
    “[…] A Alemanha possui umas das menores taxas de desemprego […]”

    a) As estatísticas são manipuladas, não reflectem a realidade. Para Portugal vale o mesmo.

    b) Para a região da Baviera a sua afirmação é correcta.

    Em quantas regiões está a Alemanha dividida? 16.

    A distribuição das outras, prova, que o socialismo não funciona. Na Alemanha existe muito socialismo. Demasiado. Os tempos mudaram. Faz muito, muito tempo. E com a queda do muro de Berlim, os ladrões do Leste apoderaram-se do estado alemão: a doutora falsa Merkel é a prova definitiva.

    Das 16 regiões, três trabalham e pagam para uma espécie de caixa de compensação, para ajudar a manter o nível e qualidade de vida, mais ou menos igual entre as regiões.

    A região de Hamburgo está mais ou menos à volta do zero.

    Restam 12 regiões, que não conseguem acompanhar o ritmo da região da Baviera, que é a região mais forte economicamente. A região da Baviera conseguiu alcançar esse patamar, sem liberalismo qualquer. E mesmo essa região, a da Baviera, está a deixar entrar o socialismo, no governo. Desde o ano 2002. Com graves consequências para o estado alemão, no futuro.

    Do dinheiro que entra na caixa de compensação, mais de metade vem só de uma região: da Baviera.

    Uma afirmação correcta seria esta:
    “[…] [Os Estados Unidos da América e de Trump é que possuiem] umas das menores taxas de desemprego […]”

    Um nível de desemprego abaixo dos cinco (5) por cento não é considerado preocupante, como a economia política ensina. Se deixarem trabalhar os que sabem como eles querem. Agora aqui surge o problema dos doutores burros e incompetentes. Eles não o querem. O burro, na pele do doutor, quer mandar naquele que sabe. É o problema de Portugal, desde o 25 de Abril, e o desta Alemanha. Com marido ou sem marido. Não interessa.

    Quantas bibliotecas nacionais existem na Alemanha, cara Cristina?

    Gostar

  31. Jornaleco permalink
    24 Fevereiro, 2019 16:04

    Um país só de doutores.

    Na Alemanha o doutor e o professor (universitário) são adorados, como deuses falsos.

    87 por cento da população perde a cabeça por completo, quando aperece um doutor à frente dele.

    Se o doutor dizer, qua a lua é quadrada a lua é (!) quadrada.

    Este facto já se reflectiu na literatura alemã, por várias vezes.

    Na Alemanha existe uma doença muito grave, que em Portugal também existe. A crença total nas ciências naturais e sociais. A fábrica produz agora burro atrás de burro.

    Só que os burros doutores, já não sabem pensar, nem sequer trabalhar ao mais alto nível e com métodos absolutamente rigorosos (ver a ciência verdadeira, que não é ateia, claro, mas objectiva e imparcial!!). Uma ciência imparcial acabou de existir na Alemanha, faz muito tempo. Muito!! Com consequências graves. Que a autora deve desconhecer.

    A Alemanha, que a autora desenha, nessa era preciso primeiro aprender a pensar antes de estudar. E todos conheciam os seus limites. Hoje já não é assim. Pensar? Hahahahaha. Escrever um mestrado com o mais alto rigor? Hahahahahah.

    Nem em Portugal existe rigor científico. Se o houver, só em poucas universidades.

    Um homem, antigo ministro, cujo nome é Zorrinho ou parecido, escreveu uns dias atrás um artigo, no jornal i, salvo erro, que prova, que ele é um grande burro, um zero à esquerda. E esse corrupto pôde exercer um cargo como ministro. Aqui na Alemanha na mesma. Fossa cultural? Hhahahahahahahaha.

    O burro português copia sem ligar a cabezinha do burro doutor alemão. Tudo igual.

    Gostar

    • Cristina Miranda permalink
      25 Fevereiro, 2019 08:41

      Ouça lá: mas porque anda a divagar sobre alemães? Eu fico parva. Amigo, já percebi seu ódio aos alemães. É clarissimo. Mas isso não altera a realidade q qualquer pessoa pode constatar assim que aterra na Alemanha. É culturalmente outro nível. Lamento muito. Sente-se no tráfego, sente-se nas instituições públicos e privados, sente-se nos hospitais, sente-se na assistência médica de urgência, sente-se na educação das pessoas, sente-se na área laboral, sente-se no bem estar geral. Alemanha de hoje tem problemas? Sim. Como qualquer país onde o vírus Socialista se infiltrou mas isso NADA MUDA AO QUE EU DISSE NO NEU TEXTO sobre o fosso CULTURAL entre nosso país e o deles.

      Gostar

      • Jornaleco permalink
        1 Março, 2019 00:56

        E se aprendesse a ler com rigor? Eu não tenho ódio nenhum aos alemães. Que afirmação mais estúpida.

        Prove o que acabou de dizer.

        Claro é a sua incompetência em relação à Alemanha. Nada sabe sobre o país. O seu putativo marido, nada lhe ajuda. Não tem autoridade nenhuma.

        Se tivesse lido com atenção, eu confirmei o avanço, a diferença.

        Querida incompetente: Muda tudo, porque o seu texto está composto por afirmações falsas, que não correspondem à realidade. Todas as minhas afirmações são comprovadas. As suas pelo contrário: Não. Tão simples. Você não tem a mínima hipótese, nem sequer saber ou competência.

        E deixe-se de ataques ad hominem, por favor.

        O seu comentário prova, que não leu as coisas com a devida atençâo. E se as leu, não percebeu. A sua arrogância é enorme, neste caso.

        Gostar

      • Cristina Miranda permalink
        1 Março, 2019 09:07

        Olhe, eu tenho tido uma paciência de Jó consigo. Desde a chamar-lhe à razão por estar a chamar ao assunto do texto coisas que não são do âmbito do texto, COM MUITA EDUCAÇÃO. Mas atingi meu limite. INCOMPETENTE é você. IGNORANTE é você. AFIRMAÇÕES FALSAS e tendenciosas são suas. Porque falei e BEM no meu texto da DIFERENÇA CULTURAL entre nós e alemães e você DESMENTE alegando que Alemanha tem problemas trazidos pelo marxismo!!!!! Ora, vá catar cães!! Quem chega a Alemanha percebe imediatamente o nível cultural daquele povo!!! EM TUDO!!!!!!!!!!! Você é tão desonesto que contraria isto que é óbvio! Ainda há dias, com uma colega que é advogada e esteve a fazer doutoramento na Alemanha falava comigo sobre esta diferença abismal. Olhe, continue a destilar ódio sobre os alemães. Mas pra longe de mim. GENTE MAL EDUCADA E SEM RRESPEITO pelos outros, quero longe daqui. Entendido?

        Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: