Saltar para o conteúdo

Passes Sociais

22 Março, 2019

 

O Manel Estadista e a Maria Populista tinham três filhos – o Huguinho Lisboa, o Zezinho Porto e o Luisinho Resto do País –, e todos os dias, quando regressava do trabalho, o Manel Estadista trazia dois presentes: um grande para o Huguinho Lisboa e um pequeno para o Zezinho Porto. Para o Luisinho Resto do País, nunca havia nada. Um dia, cansada da situação, a Maria Populista virou-se para o Manel Estadista e criticou-o pela sua atitude, ao que este, sem hesitar, lhe respondeu: “Oh Maria, não tens vergonha de estar a virar os nossos filhos uns contra os outros?!”

 

Anúncios
15 comentários leave one →
  1. A.Silva permalink
    22 Março, 2019 12:09

    Isto é mesmo um post do Chico idiota

    Liked by 1 person

  2. Jornaleco permalink
    22 Março, 2019 12:40

    O Manel Estadista não é nenhum estadista.
    A Maria Populista não é populista, mas inteligente, corajosa e verdadeira.
    E os filhos ao lado da mãe, talvez. Dois contra um. Se lhes disserem toda a verdade.

    Os de Lisboa querem mais um terramoto. Ladrões e burros são.

    Liked by 1 person

  3. LTR permalink
    22 Março, 2019 12:45

    O Manel Estadista desce o preço da gasolina, sobe o da taxa verde, mantém o preço do litro e faz uma festa em cada cidade à revelia de leis substituídas por interpretações (que necessitam de correção legal, que é a mesma coisa que reconhecer que se está em flagrante ilícito) para comemorar o “aumento do rendimento disponível”, sem que ninguém o incomode. Um case study para faculdades e ordens de economistas de todo o mundo! Ou como diria o que o cegou, “porreiro pá!”

    Liked by 1 person

  4. LTR permalink
    22 Março, 2019 12:55

    Dizem que é uma espécie de prédio construído do telhado para baixo:

    “As empresas hoje têm um nível de receita que, a partir já do final deste mês, com a venda dos novos passes, vai reduzir drasticamente. E, portanto, é absolutamente crítico que as autoridades de transportes compensem rapidamente este diferencial, sob pena de os operadores não terem meios de subsistência para poder acudir àquilo que são as suas obrigações básicas, como, por exemplo, pagar os salários, pagar os combustíveis”, afirmou esta sexta-feira, em declarações à Lusa, o presidente da ANTROP, Luís Cabaço Martins.” (Observador)

    Liked by 1 person

  5. JPT permalink
    22 Março, 2019 14:21

    Argumento imbecil, este dos impostos de todos irem para os gastos de uns. É fazer as contas aos impostos pagos pelas zonas urbanas de Lisboa e o Porto e ao que é nelas despendido: o resto do país, por pouco que receba do OE, recebe muito, mas muito, mais do que a receita fiscal que gera. O que é escandaloso é o facto de, com a infraestrutura de transportes em colapso – comboios e cacilheiros caducos e avariados, autocarros altamente poluentes, estações de metro que metem água, com equipamentos avariados e com tempos de passagem indignos de cidades do primeiro mundo – o dinheiro do OE vá para um mega-suborno aos eleitores suburbanos, que traz à memória os Magalhães de outros tempos.

    Gostar

    • Vitor permalink
      22 Março, 2019 18:05

      Olhe que se efetivamente se fizerem as contas bem feitas, incluindo nessas contas a despesa com os salários de empregos públicos em cada regiãp é capaz de ter algumas surpresas.
      Suspeito que Lisboa, principalmente a nível de concelho, não ficaria nada bem na fotografia.

      Gostar

      • JPT permalink
        22 Março, 2019 19:03

        Como notará, não referi Lisboa concelho. E só o maná do turismo e as inerentes taxas e taxinhas cobrem a despesa com funcionários públicos em Lisboa concelho (e ainda sobra para empresas amigas e artistas de valor) – nem é preciso acrescer o IRC e a derrama das empresa que aqui têm sede e o IRS dos ricalhaços que aqui vivem (como eu, olhando para o que pago de impostos). E nem a medida se dirige a Lisboa concelho. A, mim, que moro no concelho esta medida vai-me render €6. Aos meus amigos dos concelhos limítrofes, vai render entre €40 (Almada) e €140 (Mafra), por pessoa (sem contar com a gratuitidade para os sub-12). Some-se o previsível aumento da procura, e estamos ao nível das “festas” de Sócrates! E o mais giro, é que, enquanto o dinheiro vai para isto, em nome do ambiente, vão continuar autocarros com 15 anos a fumegar diesel pela cidade e filas para entrar na cidade por falta de fiabilidade da rede de transportes públicos. E acha mesmo que o problema maior é o desvio indevido dinheiro de concelhos que só subsistem do que recebem do OE (60% do território nacional)?

        Gostar

    • sousa permalink
      23 Março, 2019 08:24

      Toda a administração publica está centralizada em Lisboa, as empresas transportes desde sempre deficitárias são subsidiadas pelo orçamento estado, o imposto IMI tem as taxas mais baixas do país…poderia continuar mas seria enfadonho e imbecil.

      Gostar

      • Vitor permalink
        23 Março, 2019 12:22

        JPT, o sr realmente acredita que as receitas das taxas turisticas realmente cobrem todas as despesas com funcionarios da CML e várias empresas municipais, dos ministérios, Institutos, Empresas públicas, hospitais, escolas, universidades etc localizados em Lisboa concelho?

        Caro JPT, não acho que o “problema maior” seja o desvio de dinheiro dos concelhos mais desfavorecidos pois efetivamente incomoda-me muito menos a aplicação de cerca de cem milhões de euros ano para os transportes públicos (que considero que na grande Lisboa efetivamente continuam com uma qualidade bastante abaixo do aceitável, especialmente nos concelhos mais limitrofes) do que gastar milhares de milhões na banca por exemplo.

        Gostar

      • JPT permalink
        25 Março, 2019 10:07

        “Toda a administração pública está em Lisboa”. Parabéns: por si fiquei a saber que é em Lisboa que estão as Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia, e centros regionais da segurança social, e repartições disto e daquilo (e tribunais sem processos que este governo reabriu) que é ainda o que dá emprego no Alentejo, na Beira Interior ou em Trás-os-Montes. Entre Avis, Pinhel, Freixo de Espada à Cinta e Lisboa, acha, realmente, que é a última que tem maior percentagem de dependentes do Estado?

        Gostar

  6. Andre Miguel permalink
    22 Março, 2019 18:55

    Esperem mais aumentos dos combustíveis para pagar este suborno aos votantes. E eles pagam e votam PS felizes da vida. Ainda não temos o que merecemos, o PS merece a maioria absoluta e o país também.

    Liked by 1 person

  7. JgMenos permalink
    23 Março, 2019 09:30

    O sucedâneo do cheque-bébé é a borla dos transportes.

    Gostar

  8. Beirao permalink
    23 Março, 2019 09:34

    O Manel Estadista e’ um mete nojo. A Maria Nao-Populista devia chegar-lhe mais a roupa ao pelo. O gajo merece-as…

    Gostar

  9. Arlindo da Costa permalink
    23 Março, 2019 23:05

    A verdade é que Lisboa não produz nada. Vive à custa (dos impostos) do Resto do País. Sempre Foi Assim e Sempre Assim Será. Como o Facebook…

    Liked by 1 person

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: