Saltar para o conteúdo

Mas tẽm noção do que estão a dizer?

29 Abril, 2019

Migrantes contribuem mais para o sistema do que retiram dele” – esta afirmação de
Marianne Thyssen, comissária europeia para o Emprego e os Assuntos Sociais, é repetida por aí como se isto fosse a solução para a segurança social e a prova de que só os tolos questionam o impacto das migrações.
Sendo verdade que os migrantes contribuem mais para o sistema de segurança social do que retiram dele é óbvio que os migrantes vão envelhecer e como tal terão de retirar do sistema. Ou será que nesse momento estão a pensar mandá-los procurar outros migrantes que lhes paguem as pensões?

Anúncios
11 comentários leave one →
  1. 29 Abril, 2019 10:13

    Migrantes? emigrantes ou imigrantes, ou os dois…

    Liked by 2 people

  2. Zé Manel Tonto permalink
    29 Abril, 2019 10:35

    “Ou será que nesse momento estão a pensar mandá-los procurar outros migrantes que lhes paguem as pensões?”

    Tendo em conta a cultura e religião da maioria dos invasores que escumalha como Marianne Thyssen quer fazer entrar, diria que sim, irão procurar migrantes a outros lados.

    A palavra que descreve esses futuros migrantes não é bem migrantes, é mais escravos, mas vamos estar com ninharias de linguagem?

    Gostar

  3. Zé Manel Tonto permalink
    29 Abril, 2019 10:44

    Gostava de perceber como é que a Marianne Thyssen, e outros que querem destruir a civilização Europeia, conseguem dizer tretas dessas e ninguém os mandar passear.

    Os migrantes que as ONG vão buscar às costas de África, quais traficantes, são pouco mais que analfabetos. Se conseguirem um trabalho, e esse é um grande se, nunca será um trabalho muito qualificado. Vamos supor que é o salário mínimo, ou perto disso. O valor de impostos e segurança social pago por um salário mínimo é baixo.

    Estes migrantes não vão ao médico? Quando têm filhos não eles não vão à escola? Não há recolha de lixo nos bairros onde vivem?

    E que dizer dos milhões que chegam, nem um trabalho conseguem, e ficam a viver do contribuinte?

    Alguma vez podem ter contributo positivo?

    A não ser que esta besta esteja a incluir nos migrantes os europeus que se mudam de um país para outro. Aí claro, podemos ter 80% dos somalis no UK que ao fim de 5 anos nunca trabalharam um dia, que recebem todos os apoios e mais alguns, mas há uns milhões de camelos do Sul e Leste da Europa a pagar para que os migrantes como um todo tenham saldo positivo.

    Imigrantes, seja de onde for, mesmo legais, não deviam ter direito a casas e RSI. Quando os preguiçosos e inúteis começassem a passar fome iam embora.

    Liked by 1 person

  4. Luís Lavoura permalink
    29 Abril, 2019 11:09

    como se isto fosse a solução para a segurança social

    E é, de facto.

    Uma evz que o problema da segurança social é falta de trabalhadores que contribuam para ela, é evidente que os migrantes solucionam esse problema.

    estão a pensar mandá-los procurar outros migrantes que lhes paguem as pensões?

    Evidentemente que sim. Têm que constantemente entrar novas pessoas que contribuam para o sistema. Quando os atuais migrantes envelhecerem, novos terão que lhes seguir.

    Por exemplo, no Luxemburgo há imigrantes portugueses já idosos que recebem pensões do sistema de segurança social luxemburguês. Essas pensões são parcialmente pagas pelas contribuições de novos imigrantes portugueses. O mesmo se passa na Suíça.

    Liked by 1 person

  5. Expatriado permalink
    29 Abril, 2019 13:52

    O Algarve está, silenciosamente, a ser ocupado por gente(?) do sub-continente indiano. Albufeira é cada vez mais uma Alpaki… É vê-Los a passear todo o dia em grupos, a morar em apartamentos comprados pelas máfias, com extensão e de roupas nas varandas, a vender droga, etc.

    Ninguém vê?

    Gostar

  6. Os corruptos que se cuidem permalink
    29 Abril, 2019 14:28

    Ou seja, os migrantes que trabalham e descontam não estão a descontar para os seus próprios gastos com o SNS (que não cobrem) e com as suas próprias pensões futuras? Ou não as vão auferir na proporção do que trabalharam? Esta gente pensa que nascemos todos ontem. Vamos ter de lhes pagar pensões em função do que cá descontaram, como fazem os outros países com os emigrantes portugueses.

    Gostar

  7. 29 Abril, 2019 14:54

    Este discurso, suportado e veiculado pelos esquerdóides internacionalistas, pelos wannabe liberais e por algumas almas puras e ingénuas, tem levado à ascensão da extrema direita um pouco por todo o lado.
    A verdade é que as comunidades devem defender-se e proteger-se. Devem ser senhoras do que se passa nas fronteiras físicas em que se estabeleceram. Lembro-me que se chamava a isso, no século passado, independência nacional. E isto -a independência nacional- era um conceito compreendido e defendido por quase todos os portugueses. Os komunas que gostavam da Albânia percebiam-no, os que gostavam da China, também e os que tinham como sua a bandeira de um país estrangeiro também quase que percebiam o conceito.
    Depois veio a Europa dos povos.
    -A Europa de todos os povos?-, perguntamo-nos… Pois parece que ninguém sabe muito bem de quais e se são de facto todos ou não… Uma coisa assim manhosa
    A onda de condenação ao desgraçado do bispo do Porto quando o homem defendeu que talvez não fosse o melhor dos mundos aquele em que as pessoas são afastadas das famílias e do seu convívio para que a troco de alguns niqueis para si, de autenticas fortunas para patrões sediados fiscalmente na Holanda e de um confortozinho discutível para alguns papalvos, mostra bem o desconcerto em que a nossa sociedade navega.
    Parece que a ideia de que a renovação de gerações só faz sentido se as pessoas puderem ter famílias felizes e funcionais está fora de moda. Suportemos pois os Alis, os Faruks e as suas simpáticas proles… E os discursos balofos de todas as Thyssens, Mortáguas e Junkers deste mundo novo.

    Gostar

  8. 29 Abril, 2019 14:56

    Em vez de «convívio para que a troco», leia-se «a troco».

    Gostar

  9. Arlindo da Costa permalink
    29 Abril, 2019 20:16

    Contribuem e bastante! Ou querem, como antigamente, trabalho escravo, sem direitos e ainda ficarem com os descontos dos trabalhadores imigrantes? E se os EUA, Canadá, Brasil, França, Alemanha, Reino Unido,etc. fizessem o mesmo aos EMIGRANTES PORTUGUESES?????

    Gostar

    • Zé Manel Tonto permalink
      30 Abril, 2019 04:52

      Os emigrantes portugueses não andam a mamar do Estado Britânico, como andam os somalis.

      Não te faças de parvo.

      Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: