Saltar para o conteúdo

mas, afinal, o que querem os “críticos” de cristas?

31 Maio, 2019
by

Assunção Cristas, candidata pelo CDS, à câmara municipal de Lisboa numa ação de campanha no centro de Lisboa. Paulo Portas, ex-líder do CDS marcou presença nesta arruada. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADORO CDS nunca teve um verdadeiro programa, nem uma ideologia vincada que o distinguisse do PSD, ou até mesmo, em certos momentos, do PS. O CDS é um partido que, depois do fim da primeira AD, se circunscreveu a uma quase inexistência – o célebre reduto do «táxi» – e, excepcionalmente, no fim do cavaquismo, com Monteiro e Portas, ou melhor, com Portas e O Independente, conseguiu voltar a ter alguma expressão eleitoral, até chegar a um governo que provavelmente lhe terá sido fatal. Ideologicamente, após o ciclo de Freitas do Amaral, cuja grande preocupação era dizer que o partido não era de direita e que estava “rigorosamente ao centro”, ainda se animou fugazmente com Lucas Pires, onde se inclinou para um certo liberalismo europeísta, tendo logo avançado para um conservadorismo requentado e salazarento com Adriano Moreira, posicionamento orgulhosamente herdado por Manuel Monteiro. Com Paulo Portas ensaiou-se uma rábula de retorno à “democracia-cristã” e a um conservadorismo que nunca foi genuíno. Quando chegou ao governo, o partido de Paulo Portas limitou-se a cumprir o programa da troika, com mais ou menos espasmos, como é natural em partidos que se preocupam com votos e eleições.

Tudo isto – que é a história sucinta (como tinha de ser) do CDS – fez dele uma agremiação de amigos e não propriamente um partido político com espessura sociológica. Basta pensar na ausência de uma verdadeira implantação autárquica, ou nos dirigentes das estruturas locais que as dominam, para vantagem própria e de uma muito pequena corte pessoal (estude-se, por exemplo, o caso do governo do partido no Porto nos últimos 25 anos), para percebermos o fenómeno. É um partido que chega, na melhor das hipóteses, a 8%, 9% do eleitorado em legislativas, se tiver um líder mediático e fossão, como Paulo Portas era, e que ambiciona ter votos suficientes para ter 116 deputados juntamente com o PSD. E por aqui se fica.

Nessa medida é quase ininteligível o que pretendem, agora, os «críticos» da Doutora Cristas. Queixam-se de que o CDS não tem “ideologia” e “mensagem”? Mas qual “ideologia” e qual “mensagem”? E quando é que as teve, se alguma vez as teve? Reclamam da excessiva “jovialidade” e falta de peso e perfil conservador da líder? Será que já se esqueceram do «Paulinho das Feiras»? Do Manuel Monteiro das campanhas do mar e da agricultura? Custou-lhes ver a patetice do CDS alinhar com o Bloco e o PC (e, já agora, com o PSD) na estória dos «direitos dos professores»? São capazes de ter razão, mas, por pior que tenha sido a patetice, nada que se compare, por exemplo, com a «demissão irrevogável» em pleno ajustamento de um país sob intervenção externa. E que tenham a seguinte certeza nas suas esclarecidas cabecinhas: o CDS só existe se tiver um líder que “passe bem” na televisão e nas feiras. Portas era exímio nisso e Monteiro não lhe ficava a uma distância abissal. Cristas tentou reproduzir o fenómeno e nada garante que não consiga (ou que consiga) duas mãos de deputados nas próximas legislativas. Por conseguinte, as críticos da Doutora Cristas, antes de de isolarem num convento para meditarem sobre as grandes questões da política e da humanidade, que procurem alguém que cumpra esses requisitos teatrais, à garupa de quem possam continuar a manter os seus pequenos poderes. O resto é pura ficção.

Anúncios
16 comentários leave one →
  1. João Marau permalink
    31 Maio, 2019 16:46

    Penso que o CDS perdeu uma oportunidade (única?) para se tornar relevante. Tivesse ousado em abandonar o conservadorismo beato e partir para uma matriz mais liberal, e talvez estivesse nesta altura a somar apoios à direita. Claro que nunca com Cristas.
    Adolfo Mesquita Nunes teria sido o “ponta de lança” desta (r)evolução. Não foi.
    Será que no futuro vamos vê-lo noutro partido? Acho que sim.
    Para o CDS o futuro acabou, nem de táxi…nem de Uber.

    Liked by 1 person

    • 31 Maio, 2019 17:38

      O Adolfo Mesquita continua militante do cds. O Nuno Melo foi para o seu exílio dourado… Nestas circunstâncias, não é necessário que o CDS se afunde.

      Gostar

    • Velho do Restelo permalink
      31 Maio, 2019 17:40

      Mal por mal, deixem estar a Cristas … pelo menos não joga(?) no LBGT****

      Gostar

    • Carlos Rosa permalink
      1 Junho, 2019 00:27

      Os resultados das eleições europeias têm nome:

      O triunfo dos porcos.

      Liked by 1 person

    • Carlos Rosa permalink
      1 Junho, 2019 14:51

      O Paulo Portas descuidou-se e mostrou a palma da mão. Não tem calos.
      Para derrubar a escumalha da Esquerda temos que nos calejar.
      A Esquerda está bem agarrada à mama.

      Gostar

  2. 31 Maio, 2019 17:31

    https://www.cds.pt/assets/programa-1993-.pdf

    Não é lá muito curial criticar o cds (ainda por cima face ao PPD/PSD) por ser um partido sem programa. Mais complicado será encontrar o programa do PPD/PSD por aqui: https://www.psd.pt/

    Gostar

  3. lucklucky permalink
    31 Maio, 2019 17:47

    “o CDS só existe se tiver um líder que “passe bem” na televisão e nas feiras.”

    Portas “só ficava bem” porque veio do jornalismo e nasceu numa das famílias da “urbanidade”, por isso os outros jornalistas tratavam-no com cuidado. Viesse ele de Boliqueime ou Mem Martins e a conversa seria outra.

    Liked by 3 people

    • Joao Rocha permalink
      1 Junho, 2019 22:51

      Nada disso Luke, o Portas “só ficava bem” porque pertence ao lobby gay!

      Gostar

  4. Carlos Rosa permalink
    1 Junho, 2019 00:37

    Por falar em alterações climáticas, já viram algum fulano do PAN a plantar uma árvore?

    Liked by 1 person

    • Carlos Rosa permalink
      1 Junho, 2019 15:11

      A Esquerdaria berra e berra das alterações climáticas.
      É Bloco de Esquerda, é PAN, é Guterres, é a Esquerda soft tipo PSD e CDS é o parvalhão bacoco do Marcelo……………..
      É uma espécie de reza ao Criador. Só pode.

      E o que faz essa gente para Portugal proteger a sua Natureza?
      Povoar os campos, florestar, cultivar as terras, regar?

      Alem de não fazerem nada ainda impedem o caminho.
      Não deixam fazer barragens. Querem acabar com algumas.
      É uma chatice para se fazer um poço ou abrir um furo. Taxas, taxinhas e multas.
      O Estado socialista obriga os “demónios” privados a limpar os terrenos e ele deixa tudo em modo de arder.

      Os portugueses mais lutadores vão trabalhar para o estrangeiro.
      Em Portugal vão ficando os velhos, os Estado-dependentes, os comunas e os xuxas.

      Bonito serviço, Sr 25 de Abril !!!!!

      Liked by 1 person

  5. Mario Figueiredo permalink
    1 Junho, 2019 01:02

    Fui brevemente líder da Juventude Centrista em Passos de Ferreira no início dos anos 90. Não era natural da cidade e tinha na realidade chegado apenas à um ano. Mas era muito activo politicamente e depressa me juntei às estruturas locais do partido. Freitas do Amaral era o líder do partido na altura. E o PSD era (penso que ainda é) dono de Paços de Ferreira.

    Saí da liderança local da JC e entreguei o cartão do partido menos de um ano depois de ter ganho as eleições. Arrependido do tempo que perdi e desiludido com a falta de orientação ideológica já naquela altura. E precisamente pelo que o Rui escreveu aqui. Já em 1992 o CDS era apenas e somente um clube de amigos.

    Gostar

    • Velho do Restelo permalink
      1 Junho, 2019 15:43

      O PS é uma família de amigos e o PSD um baronato de invejosos.
      A escolha não está fácil …

      Gostar

  6. MJRB permalink
    1 Junho, 2019 12:28

    Pelas declarações que ontem o MCThomaz fez na Fundação Luso-Americana sobre “populismos” (sendo ele o político mais populista e popularucho incontrolavelmente desatinado), o futuro da “direita”, “centro-direita” e “extrema-direita” em Portugal, certamente o P”S” sente-se mais almofadado e agradecido para vencer de caras as Legislativas. Que papá tão oportuno, atento e carinhoso têm os “socialistas”…
    Só falta neste ano eleitoral, o MCThomaz ir à Madeira a pretexto de qualquer coisa, apoiar o Cafôfo e zurzir no Albuquerque.

    O P”S” vai apoiar o MCThomaz nas eleições presidenciais. Vence-as com uns 90%. Não votarei nesse acto eleitoral.

    Gostar

  7. Zé Manel Tonto permalink
    1 Junho, 2019 23:05

    Eu votei uma vez no CDS, quando era o “partido dos contribuintes”.

    Depois, no Governo, votaram a favor de todos os enormes aumentos de impostos, e cortes na despesa, que é bonito, está quieto.

    Na eleição seguinte votei em branco.

    Nas seguintes nem perdi tempo com isso.

    Gostar

  8. Maria da Luz Moutinho permalink
    3 Junho, 2019 11:39

    A Sra de Cristas com o seu ressabiar todo …e sem qualquer direcção …estendeu-se ao comprido completamente …com um queque na mão!!
    Esperavam o quê… e se ela não mudar vai cair da cadeira…pensavam eles que tinham um Portas de saias? Não ela vai sair pela porta!
    Pedro Mota que começou a andar de BMW …Nuno Melo muitos tiros deu nos pés!!
    Os queques não conseguiram digerir o arroz de Atum…
    O partido sempre Muleta só tem conversa da treta!

    Liked by 1 person

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: