Saltar para o conteúdo

O indígena não paga!

19 Maio, 2020

Para o caso dos leitores deste blogue estarem interessados aviso que vai decorrer um certame designado V FESTIVAL DE POESIA DE LISBOA. A coisa poeticamente falando pelo texto de apresentação parece a bula de um medicamento dito alternativo:  “Em um mundo de desigualdades, afirmarmos a própria existência é tarefa difícil para muitos. Negros, indígenas, mulheres, imigrantes, pobres, crianças, idosos, pessoas com habilidades especiais, entre outros, precisam lutar para dizer: “estou aqui, eu existo”. A natureza, cada vez mais devastada, também grita à sua forma: “sou parte legítima deste mundo”. E mesmo quem se sente bem ajustado à sociedade, por vezes se debate para ajustar-se a si mesmo, tamanhas são as tribulações que carregamos em nosso coração.

Enfim  literariamente o caso  anuncia-se medonho e parece uma reciclagem daqueles textinhos barrocos sem talento mas com muito alento. Mas o que me interessa mesmo são os critérios de isenção da taxa de 50 euros para participar no evento.  No ponto 3.7.1   do Regulamento lê-se esta coisa extraordinária: « Cientes dos desafios históricos para que certos grupos tenham acesso igualitário a bens e serviços culturais, o V Festival de Poesia de Lisboa oferecerá 10 inscrições gratuitas para autores que se declararem negros, indígenas e/ou transexuais, e que não tenham condições de pagar o valor solicitado. Os solicitantes devem incluir o pedido de isenção no corpo do email, junto com uma justificativa, ao enviar sua inscrição. Caso haja mais solicitações do que vagas, caberá à equipe da Helvetia Éditions decidir quem serão os solicitantes agraciados com a isenção da taxa.»

Para lá do óbvio disparate de alguém pagar 50 euros para participar numa coisa destas – recomenda-se vivamente que os interessados se declarem simultaneamente “negros, indígenas e/ou transexuais” para que tenham a certeza de conseguir a isenção da taxa – tenho duas questões

a) quem são os indígenas de Lisboa? Sim, não me vêm dizer que um concorrente de não sei onde no Brasil declara-se indígena e não paga taxa  e um residente de toda a vida mais os respectivos tetravós no bairro de Alfama tem de pagar taxa?! E se for da Estrela já paga? Ser do Alentejo ou de Trás-os-Montes tb serve para se ser indígena?

b) Aquelas comissões do racismo e das discriminações não vêem nada de estranho nisto?

30 comentários leave one →
  1. Oscar Maximo permalink
    19 Maio, 2020 11:59

    Em suma, só paga o africano branco, turista chinês e contribuinte de Lisboa.

    Gostar

    • Oscar Maximo permalink
      19 Maio, 2020 12:00

      Como agora só há o ultimo…

      Gostar

    • carlos rosa permalink
      19 Maio, 2020 15:58

      A Catarina Martins já reuniu com estudantes universitários pobres, professores e investigadores precários a fim de propor ao governo que lhes pague as propinas e os subsídios nesta fase de pandemia.
      É bonito. A Catarina Martins é boa pessoa como o Jerónimo de Sousa.
      Mas eu fico um pouco baralhado com isto.
      Então o BE e o PCP andam há 5 anos a apoiar o governo PS na luta contra a pobreza e a precariedade e ainda há pobres e precários em Portugal?
      Era suposto que isso já tivesse acabado com a política rumo ao Socialismo do século XXI.
      Vide a Venezuela. Lá já acabaram com os ricos. Bem, quero dizer, excepto o Maduro e os seus camaradas, mas isso é um número residual.
      Força Catarina!
      Aguenta Jerónimo!

      Gostar

  2. 19 Maio, 2020 11:59

    Eu identifico-me como uma mulher negra transexual!
    Pagam-me para lá ir?

    Liked by 1 person

  3. Jornaleca permalink
    19 Maio, 2020 12:08

    Eu proponho dar um grande pontapé na parte traseira de cada membro das comissões do racismo e pôr os mesmos fora deste país.

    Não há lugar para racistas desses, aqui em Portugal.

    Liked by 3 people

  4. JgMenos permalink
    19 Maio, 2020 12:22

    Essa tropilha vive num mundo de injustiçados coitadinhos, povoado de méritos que vão do incompreendido ao incompreensível, formando uma ilha rodeada de grunhos que são supostos darem-lhe sustento.
    Por agora estão em promoção os coitadinhos “negros, indígenas e/ou transexuais”,

    Gostar

  5. Expatriado permalink
    19 Maio, 2020 12:26

    Esses gajos/as são uns “mamões”. 50€ é exploração. Onde já se viu isto? Quem determinou essa taxa? Foi a voto popular em democracia direta? Haja vergonha…

    Gostar

  6. A. R permalink
    19 Maio, 2020 12:54

    Podiam fazer uns poemas sobre a falta de gasolina em Venezuela para o Povo e a coragem de ter de caminhar para o emprego 7 a e 8 km para ganhar menos de $1.

    É poético … nem Nero seria capaz de enaltecer estes locais inclusivos.

    Liked by 2 people

    • Andre Miguel permalink
      19 Maio, 2020 14:03

      Ou como em África mais de meio século após as independências não têm água potável, saneamento, estradas, hospitais…

      Gostar

  7. Filipe Bastos permalink
    19 Maio, 2020 12:56

    Muito bom. Parece que depois do festival há um “Jantar de confraternização”: a quem quiser participar, custa mais 70 euros. Onde raio é esse jantar??

    Logo, para a malta mais branca, hetero, tuga e/ou reaccionária fica tudo em 120€. Um preço irrisório para absorver tanta cultura. Contem comigo.

    O Diogo, identificando-se como negra transexual, provavelmente indígena, há-de ir e comer à pala. Se calhar é por isso que sai tão caro… muitas poetisas negras indígenas transexuais.

    Por outro lado, ocorreu-me que posso identificar-me como Fernando Pessoa, ganhar automaticamente o festival e limpar os prémios todos.

    Se alguém objectar que não sou Fernando Pessoa, e que a minha poesia é uma bela merda, faço queixa ao Berloque, à Deco, ao SOS Racismo e ao Guardian. Não pensem que me oprimem.

    Liked by 1 person

  8. 19 Maio, 2020 13:03

    Normalmente, quem “não tem condições para pagar” tem mais com que se preocupar e ocupar do que estar a candidatar-se a uma incerta “vaga” gratuita por e-mail e com justificativos (??!!…) de um … (como é ?) … “Festival de Poesia” !!…
    Obviamente que os presentes, no final e como sempre nestes eventos “culturais”, serão apenas “quem se sente bem ajustado à sociedade [e] por vezes se debate para ajustar-se a si mesmo” (??!!….) e não aqueles para quem “a própria existência é tarefa difícil” (??!!…).
    Está-se mesmo a ver que este evento vai ser uma oportunidade para romper com “um mundo de desigualdades” e vai contar sobretudo com a participação e assistência de “negros, imigrantes [e] pobres” !…

    Liked by 1 person

  9. Ausente52 permalink
    19 Maio, 2020 13:04

    Helvetia Éditions. Será um nome indígena ou transexual?
    Que disparate! eu queria escrever “transalpino”.

    Liked by 1 person

  10. João Brandão permalink
    19 Maio, 2020 13:40

    Pobre país este com um povo, como disse Junqueiro, “ … imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas …”, minado pelo verme esquerdelho, onde tudo quanto é parasita suga e onde qualquer mosca reles vem poisar …

    Que iniciativa miserável!

    Liked by 2 people

    • chipamanine permalink
      19 Maio, 2020 16:41

      E eu a julgar que os valores da esquerda eram “mais elevados”. São tão elevados que resultam sistemáticamente nisso……no parasitarismo que cultivam e na maior parte das vezes obrigam os povos para deles dependerem para sobreviver nos mínimos……imbecilizados e resignados.
      Sempre me vem à memória uma cubana formada em psicologia pela grande “revolução” que me dizia que se fosse num país capitalista ela jamais teria aquela formação (segundo a doutrinaram) e que apesar disso ela efectivamente não exercia senão meia dúzia de horas num bairro miserável que tinha de alcançar depois de duas horas num camião transformado em transporte público apinhado de homens e que ao voltar tinha de ir vender bananas e ovos (à socapa) para poder meter alguma comida no prato dos seus dois filhos. Ela estava agradecida à “revolução” por ser escrava dela e nem como psicóloga percebia a si própria e como estava refém para o resto da vida a sê-lo.

      Liked by 1 person

  11. George Young permalink
    19 Maio, 2020 14:24

    Indígena mais um termo
    Para confundir conceitos
    Fala-se de racismo
    Escreve-se sobre elitismo
    Mas o que se passa?
    Apenas um dos conceitos
    Que podemos usar
    Graças à lusofonia
    Com acordo ortográfico
    Trata-se de putaria
    Pura e dura
    Quem está no poder
    Trata de comer
    Tudo que puder
    Convidando os amigos
    Para conviver
    Hoje a Terra é redonda
    Porque convém ao chefe
    Amanhã é quadrada
    Todos acenam
    A dizer que sim
    Estamos então no climax da putaria socialista com o grande putador da nação, Costa. perito na mentira, secretariado pelo Aventalado Marcelo capado pelo estigma da popularidade.

    Gostar

  12. 19 Maio, 2020 14:47

    Portugal de lés a lés deve indignado com este festival!
    Valha-nos o Blasfémeas, sem o qual nunca teríamos oportunidade de conhecer tão hediondo certame.

    Liked by 1 person

  13. LTR permalink
    19 Maio, 2020 15:59

    A par das festas e do foclore com que nos vamos divertindo, o processo de venezuelização em curso:

    https://portadaloja.blogspot.com/2020/05/a-censura-e-o-actual-poder-oligarquico.html

    Os problemas já ocorreram com o Camilo, com a Moura Guedes, com a Felgueiras, e agora é Ana Leal. E calha de ser sempre com os mesmos e de quase todo o país faz como em Tancos. Ninguém sabia. Num debate para as legislativas é que se esqueceram de deixar de lado uma prima para acolher o primo, como se não houvesse mais ninguém. O país está a ser completamente infectado e não é pelo COVID. É por outra coisa. Atente-se no modo como o cargo de governador do BdP pertence e sai da barriga do Rei, subserviente na cabeça de praticamente toda a gente, incluindo o pateta.

    Já sei que país teremos daqui a uns anos mas não digo a ninguém porque tenho vergonha.

    Liked by 2 people

  14. lucklucky permalink
    19 Maio, 2020 16:07

    Violação clara da Constituição da Republica.

    Mas. Não vai aparecer em nenhum jornal nem em nenhuma TV, pois é a Esquerda a fazê-lo.

    Gostar

  15. MJRB permalink
    19 Maio, 2020 18:17

    Oportunismos fatelas de seita. Miserabilismos rascas sociais, intelectuais e culturais facilitados por poderes igualmente oportunistas.
    O desprezo, a rasura, por agora, é o melhor antídoto, mas não devemos esquecer essa merdice, o abuso, neste tempo que perturba todos (menos os mentores, usufruários e subsidiadores político-partidários).

    Gostar

  16. Rão Arques permalink
    19 Maio, 2020 18:17

    A CONCURSO

    Merco besta corrida por meio saldo de mula manca
    A arrastar o estribo albarda caída de cilha folgada
    Ossada bicuda a furar a pele traseira toda empenada
    Cabresto aos nós corda roída que os abanos desanca

    Moscas no lombo prontas ao ninho atrás das orelhas
    Aos solavancos soltando sonoros imundos a cada patada
    Cascos moídos feitos em farelo sem cangalha amarrada
    Lá vai ruminando a palha curtida de gastas golpelhas.

    Pelo sumido ensebado basta ajeitar-lhe os sarilhos
    Rebarbar-lhe os cascos para lhe calçar uns meotes
    Que de crinas assoveladas ensaia logo uns pinotes
    No arrasto do chocalho o estafermo foge aos trilhos

    Dente arreganhado cor de feno cata-vento no roncar
    O fedor podre que expele de tanta névoa nem cheirá-lo
    Não nos contam os arreios se é burro mula ou cavalo
    Mas tem qualquer ferradura pronto coice para dar

    Liked by 1 person

    • 19 Maio, 2020 20:33

      Boa malha!
      Já li isto em qualquer lado… Quem é o autor destas quadras?

      Gostar

      • Rão Arques permalink
        19 Maio, 2020 22:40

        Isto já tem uns bons anitos, fui eu que fiz e já tinha publicado, danado com este tipo de figurantes, que de tão burros velhos, a maior parte ainda são os mesmos, Repesquei porque veio mesmo a propósito.

        Liked by 1 person

  17. MJRB permalink
    19 Maio, 2020 18:46

    Sugiro que leiam o mais recente post no blog Portadaloja acerca da mais recente censura no país dos tugas propositadamente distraídos-e-contentinhos.
    Que fatelice, que “normalidade” a vida tuga…desde já e nos próximos anos manobrada, potenciada pela comunicação sicial-15 milhões. Como disse o gajo há anos, “habituem-se !”

    Gostar

  18. MJRB permalink
    19 Maio, 2020 19:42

    Outra sugestão: leiam a entrevista do recentemente falecido embaixador José Cutileiro. No SAPO.

    Gostar

  19. MJRB permalink
    19 Maio, 2020 19:58

    ORA, AÍ ESTÁ : A TVI E A SIC VÃO AMESENTAR-SE COM MAIS DE METADE
    DOS 15 MILHÕES (NOSSOS !)
    PARA “SOCORRER” A COMUNICAÇÃO SOCIAL.
    SE JUNTARMOS ESTAS ÀS RTP’s, AOS JORNAIS, REVISTAS E RÁDIOS, TUDO AO DISPOR DO P”S” E DO MCTHOMAZ. MASTER VOICE’s.
    PQP !
    (RRio, caladinho à espera de migalhas da comunicação social-15 milhões !).

    Gostar

  20. grangeio permalink
    19 Maio, 2020 21:32

    Já não têm o marxismo como razão de protesto. É preciso inventar outra coisa qualquer! Esta serve? Então vamos a isso…para a semana serão os ursos do Árctico ou os neoliberais

    Gostar

  21. Expatriado permalink
    19 Maio, 2020 21:56

    Quando vamos ter liberdade de dizer estas coisas por cá? Os motivos para os dizer são muito semelhantes.

    https://video.foxnews.com/v/6157172841001#sp=news-clips

    Gostar

  22. 20 Maio, 2020 02:10

    K@m@r@d@s, não vos deixeis ofuscar por este evento. Alerta! E Avante! e tudo isso.
    A CML e a Helvetica levam por diante um evento que devemos combater.
    Estas entidades preparam-se para promover um evento imperialista, proselitista, colonialista, capitalista, fascista e totalitário, burguês, reacionário, retrógrado e racista. Sob a aparência de um festival de poesia em língua portuguesa em que se dá uma oportunidade a todos os desvalidos vitimizados pelo injusto e sanguinário Império Português, constrói-se uma farsa infame. Gritemos todos: infâmia! Infâmia! Infâmia (agora, paremos que já me doem os gorgomilhos).
    E porque é que se trata de uma farsa infame, K@m@r@d@s?
    Porque se trata de um acto imperialista, proselitista, colonialista, capitalista, fascista e totalitário, burguês, reacionário, retrógrado e racista (e agora deixem-se de perguntas supérfluas).
    Trata-se de um evento imperialista porque subjuga as vítimas do Império à sua capital, à sua metrópole; é proselitista porque aponta a língua e os valores do branco e cristão como superiores às língua e aos valores do negro e do índio; é colonialista porque evoca a função civilizadora do colono sobre o colonizado; capitalista porque se subjuga a uma editora de capital internacional, é fascista porque é totalitário e é totalitário porque não admite outra forma de ver o mundo senão aquela que é veiculada pelo pensamento único: o politicamente correto; é burguês na forma, na etiqueta, no projeto vernissage. É reacionário e é retrógrado porque se alimenta de realidades que passadas para justificar atitudes presentes. Sendo paternalista, é um evento racista, sórdida e repulsivamente racista.

    K@m@r@d@s! Lutemos contra este evento ignóbil!
    Proponho que nos concentremos vestidos de fatos coloniais casaco/calção em cor caqui, bengalim e chapéu de safari junto à porta da Voz do Operário e que, em cortejo ordeiro, nos dirijamos ao local em que se realiza o monstruoso acontecimento. Aí chegados cantemos a Internacional, gritemos ‘Fascismo nunca mais’ e ‘Abaixo o Imperialismo’.
    K@m@r@d@s, lembrai-vos: Um povo que oprime outro povo não é livre.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: