Saltar para o conteúdo

O milagre belga

26 Junho, 2020

A Bélgica atingiu os 840 mortos por Covid por milhão de residentes. Não há uma notícia sobre estes números. Não se sabe o que diz o governo da Bégica. Ninguém pergunta, ninguém quer saber.
O mundo mediaticamente falando está dividido entre os excêntricos loucos dos suecos (518 mortos por milhão), os vilões do Brasil (259 mortos por milhão) e dos EUA (383 mortos por milhão) e os bons ou seja aqueles que aconteça o que acontecer são mediaticamente poupados, como é manifestamente o caso belga

PS. A propósito de milagres belgas aqui está outro: Así pasó inadvertido el «topo» que tenían los terroristas islámicos en la Policía belgaEl agente de origen marroquí Mohamed intercambio numerosos mensajes con el hermano del coordinador de los atentados de París y Bruselas

18 comentários leave one →
  1. chipamanine permalink
    26 Junho, 2020 11:14

    Ainda os mais protegidos pela súcia jornaleira são os xuxas espanhóis que já deixaram de dar números em que ninguém acredita e que tem 20.000 mortos por “esclarecer”. Caso pouco mais de metade deles (já admitido pelo “vovô freitas” lá do sítio seria qualquer coisa como somar o trump e o bolsonaro .
    Há os filhinhos da mamãe e os fdp.

    Liked by 4 people

  2. Expatriado permalink
    26 Junho, 2020 11:20

    Só 50 meses de prisão para o F.D.P. poícia terrorista?

    Liked by 2 people

  3. 26 Junho, 2020 11:48

    LOL não consigo publicar a referência ao World meter ordenado por mortos por milhão de habitantes … também é assim aqui Helena?

    Gostar

  4. A. R permalink
    26 Junho, 2020 12:23

    É uma Europa de cócoras e humilhada por uma elite traidora que a governa -excepto raras excepções- toda proveniente de madrassas marxistas, islamistas ou das duas.

    Liked by 2 people

  5. Manuel Lopes permalink
    26 Junho, 2020 13:04

    Podia até ter 100 ou 1000 vezes mais e não ser grave se houvesse capacidade hospitalar e equipes medicas para responder a todos os casos.
    Essa é que é a questão. E eu não tenho, de todo, a pretensão de estar a ensinar isso à Helena.
    Baralhar e confundir. É a aposta da autora!

    Gostar

    • Mario Figueiredo permalink
      26 Junho, 2020 13:25

      Equipas médicas para responder ao número de mortes? Não é o número de mortes indicativo que essa resposta não está a ser dada na Bélgica e está a ser dada nos outros sítios? E diz você que não está a querer baralhar.

      Mas a piada nem é essa. A piada é mesmo tão e somente a falta de inteligência do seu comentário.

      Liked by 3 people

      • Manuel lopes permalink
        26 Junho, 2020 14:08

        Precipitei-me!
        Confundi mortes com contaminados.
        Peço desculpa a quantos me leram e à autora.

        Liked by 2 people

      • Manuel lopes permalink
        26 Junho, 2020 14:08

        Precipitei-me!
        Confundi mortes com contaminados.
        Peço desculpa a quantos me leram e à autora.

        Liked by 1 person

      • Mario Figueiredo permalink
        26 Junho, 2020 19:45

        Um forte abraço pela atitude, tão rara nestes dias.

        Liked by 1 person

  6. 26 Junho, 2020 13:40

    Coisa tão primitiva que era o lápis azul! Então não é muito mais inteligente ter a censura logo in loco, no teclado dos plumitivos convertidos ou comprados? O que é o progresso…

    Liked by 1 person

  7. Francisco Miguel Colaço permalink
    26 Junho, 2020 13:42

    Não podemos irritar Bruxelas.

    Precisamos do cacau.

    Gostar

    • Francisco Miguel Colaço permalink
      26 Junho, 2020 13:44

      Corrijo: O Cocosta precisa do cacau para distribuir prebendas pelos vermelhos esmaecidos do costume.

      Liked by 3 people

      • 26 Junho, 2020 16:19

        Assim sim Francisco, reconheço a sua linha de comentários correctos que tenho lido com gosto.

        Gostar

  8. Expatriado permalink
    26 Junho, 2020 13:48

    “Antigamente na escola
    havia os … ‘burros’ … ‘gordos’ … ‘caixa de óculos’ … ‘sem sal’ … ‘pretos’ … ‘chineses’ … ‘indianos’ … ‘artolas’ … ‘maricas’ … etc.
    Os ‘burros’ chumbavam !
    Não se tornavam doutores como hoje em dia.
    Mas a fasquia era definida pelo marrão da turma !
    Não era nivelada por baixo como agora.
    Somos todos iguais … diz-se !!
    Antes não parecia que fossemos !
    Mas o ‘gordo’ também tinha notas brutais e ninguém sabia como !
    Talvez porque não jogasse à bola !
    O ‘caixa de óculos’ tinha um sentido de humor inigualável mas não fazia corridas pois tinha medo de cair !
    O ‘preto’ jogava à bola como ninguém e fazia umas fintas inimagináveis !
    Tinha um físico fora do comum !
    O ‘chinês’ tinha vindo de outra escola, sabia à brava inglês, e tinha histórias que não lembravam a ninguém.
    Cada um tinha um «defeito», até uma alcunha !
    Mas tinha ou lutava por ter também outras qualidades.
    Hoje não.
    Dizem que somos todos iguais.
    Agora, tudo ou é bullying … ou racismo … ou xenofobia … ou opressão … ou assédio … ou violência !
    Antigamente, quando se era mesmo racista, levava-se um “chapadão” na tromba e aprendia-se logo que o ‘preto’ era como nós outros !
    Apenas tinha cor diferente.
    E não era bullying ! … Era ‘aprendizagem on job’.
    Aprender assim era duro pois dói e não se esquece mais.
    E às vezes em casa com os pais também se ‘aprendia’.
    O menino ou menina ‘sem sal’ passava despercebido(a) e sentia-se sozinho(a).
    Ter uma alcunha diferente era fixe.
    A diferença era vista com bons olhos.
    E aprendia-se uma coisa importante:
    – rirmos de nós próprios.
    E não “chorarmos” porque alguém nos chamou isto ou aquilo.
    Assumia-se a gordura … o ‘esquelético’ … a ‘caixa de óculos’… e tudo o mais que viesse.
    Mas quando não se estava bem, quando não se gostava da alcunha, fazia-se uma coisa importante:
    – mudava-se, lutava-se por acabar com ela.
    Não se culpava os outros nem a sociedade.
    Não se faziam ‘queixinhas’ !
    E falhava-se … Muitas vezes !
    Mas cada vez que se falhava ficava-se mais forte.
    E sabíamos que era assim. Que havia uns que conseguiam, outros ficavam para trás, que havia quem vencia e quem falhava.
    Agora não.
    Todos somos iguais, há mesmo a chamada igualdade de género !
    Todos somos bons … todos merecemos … todos temos as mesmas oportunidades … todos devemos até ganhar o mesmo … todos somos vítimas … todos somos oprimidos … e todos somos parvos …. porque aceitamos este ambiente do ‘politicamente correcto’ sem dizer nada….. e até devemos dizer que somos ‘normais’.
    Segundo o novo paradigma social, devem ter muito cuidado comigo, porque:
    – Sou velho ou quase … tenho mais de 50 anos …e quando chegar à reforma, se chegar a tê-la, o que vai fazer de mim um tolo …improdutivo … que gasta estupidamente os recursos do Estado;
    – Nasci branco, o que me torna racista;
    – Não voto na esquerda radical, o que me torna fascista;
    – Sou hetero, o que me torna um homofóbico;
    – Possuo casa própria, o que me torna um proprietário rico (ou talvez mesmo um latifundiário);
    – Gosto de cordeiro de leite, … o que me torna um abusador de animais;
    – Sou cristão e, embora não praticante, sou um infiel aos olhos de milhões de muçulmanos;
    – Não concordo com tudo o que o Governo faz, o que me torna um reaccionário;
    – Gosto de ver mulheres bonitas bem vestidas (ou despidas), ou super decotadas, o que me torna um tipo capaz de assediar;
    – Valorizo a minha identidade portuguesa e a minha cultura europeia e ocidental, o que me torna um xenófobo;
    – Gostaria de viver em segurança e ver os infractores na prisão, o que me torna um desrespeitador dos direitos “fundamentais” protegidos;
    – Conduzo um carro a diesel, o que me torna um poluidor, contribuindo para o aumento de CO2;
    Apesar de estes defeitos todos, acho que ainda sou feliz …era mais antes da pandemia…. mas mesmo assim … considero-me um ‘gajo normal’!!
    (texto enviado por um amigo)“

    Liked by 7 people

    • pmanuelp37 permalink
      26 Junho, 2020 14:34

      Bato palmas! Eu fui o palito até ao dia em que me chateei e acertei uma joelhada no saco das bolas do gozão, Fui ao reitor e graças ao curriculum ficou por aí. O palito acabou. Ainda ficámos amigos na equipa de andebol do liceu. Se fosse agora, ihh c’o caraças, metia psicólogo e doutrinamento anti bulliyng e mais uma série de merdas que dão de comer a uma data de inúteis.

      Liked by 4 people

    • 26 Junho, 2020 16:28

      Eu era demasiado bem educado e por isso o “Fosquinhas” … Tinha sempre as segundas melhores notas, porque ter as primeiras obrigar-me-ia a estudar e não valia a pena … e eles sabiam.
      Hoje sou “latifundiário”, um adepto “Fascista” do Estado Novo, tive 4 filhos e claro que sou mesmo homofóbico assumido, divorciei-me nos anos 90 só para “curtir”, sou Mestrado do pré Bolonha (vidé “segunda melhor nota” e tenho MBA de uma escola reconhecida mundialmente … “eles” estão sempre na Autarquia, ou no Par(A)lamento, mas perante a crise acreditam na sua própria histeria.
      No fim e na miséria deles cá estarei para lhes mostrar a insignificância que “eles” são.

      Liked by 1 person

  9. lucklucky permalink
    26 Junho, 2020 16:49

    O jornalismo não existe para dar notícias mas para censurar o inconveniente.

    Liked by 2 people

  10. Carlos Guerreiro permalink
    27 Junho, 2020 08:24

    E não esquecer o “milagre” espanhol, limparam 2.000 mortos, erro informático diz o Sanchez… E existem mais 19.000 mortos não explicados entre Março e Maio.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: