Saltar para o conteúdo

Os cravos já foram. A ciclovia é o novo símbolo

25 Abril, 2021

A ciclovia lisboeta é um dos símbolos dos novos tempos: imposta por pessoas a quem pagamos motorista e carro de serviço, não serve a quase ninguém e dificulta a vida a todos. Sinal exterior do poder de uma casta que vive numa bolha, a ciclovia lisboeta enche o discurso de quem vive numa bolha.

14 comentários leave one →
  1. Artista Português permalink
    25 Abril, 2021 11:25

    E o condomínio fechado!? E a amnistia fiscal para dinheiro roubado!? Não se celebram?

    Gostar

  2. Weltenbummler permalink
    25 Abril, 2021 11:35

    os cravos pertencem às ferraduras das cavalgaduras dirigentes

    Gostar

  3. balio permalink
    25 Abril, 2021 11:54

    A mim as ciclovias servem-me bastante. Uso-as regularmente.

    Gostar

    • 25 Abril, 2021 11:59

      Então aproveite agora a nova faixa da Almirante Reis
      A descendente com apenas uma faixa para carros, ambulâncias e bombeiros e, do lado direito, uns cms para os ciclistas

      Boa sorte e dê notícias!

      Gostar

      • Luís Lavoura permalink
        26 Abril, 2021 09:45

        Boa sorte e dê notícias!

        Não costumo andar pela avenida Almirante Reis.

        Mas no outro dia passei por lá e concordo consigo, aquela ciclovia é um total disparate.

        Gostar

      • 26 Abril, 2021 15:45

        Mas nem se trata da que existe mas da modificação que vão fazer!

        Veja o plano que nem se acredita.
        Eu sou ciclista, não é por panca contra uso de bicicleta que o digo.

        Gostar

    • 25 Abril, 2021 12:04

      É que isto de se militar por ciclovias como se as estradas fossem elásticas e tivesse de ser possível em toda a parte é para quem nem sabe apontar Lisboa no mapa.

      Os que as inventam, como esta nova alteração na Almirante Reis nem na Índia ou África conseguiam apoio.
      Por cá é assim, os betos de esquerda que nem circulam nesses locais adoram-nas, fazendo a mesmíssima figura de matarruanos que faziam dantes os grunhos dos escapes tirados da motas nas aldeias e vilas.

      Gostar

    • 25 Abril, 2021 12:16

      Está a anormalidade que eles querem fazer e já está em curso.

      Logo na Alameda os carros são afunilados e ficam com apenas uma faixa para descerem. As ambulâncias, como basta lá ir e assistir, ultrapassam como sempre ultrapassaram, incluindo carros de bombeiros e apenas podem ir para cima da ciclovia. Não existe mais nada. E o suicida (que pode ser o balio) que por ali decidir descer – como já estão a fazer porque nada impede- é trucidado por eles, a caminho de S. José.

      E isto porque era impensável a pessoas tão modernas e saudáveis, levarem as biclas pela mão, no passeio, entre a Guerra Junqueiro e a Praça do Chile.

      Gostar

      • Luís Lavoura permalink
        26 Abril, 2021 10:52

        o suicida (que pode ser o balio)

        Não, não pode. Eu raramente ponho os pés nessa zona.

        Gostar

    • 25 Abril, 2021 12:21

      O detalhe lindo e civilizado está lá escrito:

      Alteração do sistema de
      proteção das ciclovias
      ● Galgável por veículos de
      emergência

      Isto é um crime que tenho a certeza até com denúncia a normas de Segurança Europeia, devia dar cadeia a quem a propôs.

      Gostar

      • Luís Lavoura permalink
        26 Abril, 2021 10:56

        É sabido que, quando estão em causa veículos de emergência, se pode violar regras de trânsito.
        Há uns anos assisti a um acidente, em que uma ambulância a passar em grande velocidade (e furando um vermelho) num cruzamento forçou um carro a desviar-se dela, acabando por ir bater noutro.
        Não tem nada de especial ou raro um veículo de emergência furar regras do trânsito, ou forçar outros a fazê-lo, eventualmente causando acidentes.
        Se um veículo de emergência passa para cima de uma ciclovia, isso é sem dúvida indesejável e perigoso, mas não é diferente daquilo que se vê todos os dias veículos de emergência a fazer.

        Gostar

      • 26 Abril, 2021 15:50

        Veja o pdf e vá até lá que o problema não é passar por cima da ciclovia. É eles estarem a planear duas ciclovias entre as duas vias de carros, no lugar das árvores que devem ser abatidas e depois o que acontece é que quem vai naquele espaço mínimo não tem para onde fugir e os bombeiros e ambulâncias para passarem são obrigados a passar por cima de ciclista!

        E já aconteceu na antiga que a ambulância para não atropelar ciclista foi para cima de carro. Mas isso é na via ascendente, onde há muito menos ambulâncias e bombeiros

        Agora querem que seja na descendente onde não há rigorosamente espaço para nada!
        E já está a funcionar. Porque fizeram o risco no chão e as pessoas seguem aquilo para baixo sem se darem conta.
        O resto do trânsito fica logo parado a partir da Alameda e vão a passo da caracol.

        Gostar

      • 26 Abril, 2021 15:51

        Eu sei o que fazem as ambulâncias. Infelizmente tive de aturar os “bêbados voluntários do Beato” em diversas gincanas até em sentido contrário à noite, quando vinha de urgências com familiar.

        Gostar

  4. Mário Marques permalink
    25 Abril, 2021 20:45

    Na estrada de Paço de Arcos, junto à Quinta da Fonte, retiraram a via no sentido sul-norte e substituíram-na por uma ciclovia que raramente é usada, agora os automobilistas tem que fazer um percurso de mais de 500mt para chegar à mesma rotunda.

    Lá se vai a teoria da poupança nas emissões em CO2, que todos nós sabemos ser um argumento da treta.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: