Skip to content

São como bandos de pica-paus à solta

28 Maio, 2016

Legalização da prostituição é uma medida necessária, que já tarda, plenamente enquadrada no plano governamental de redistribuição de afectos. Repare-se que, tal como com barrigas de aluguer, a prostituição legal não poderá visar o lucro, sob risco de imoralidade. É imoral que alguém se disponha a carregar a vida de outrem por uma compensação monetária ou em géneros, o que originaria uma degradação psicossocial da Pessoa Humana e outros valores humanistas que constam no cânone neo-marxista. Não, lucro não, a gravidez by proxy deve ser levada até feliz termo por altruísmo, sendo a única gratificação possível o sorriso de felicidade da mãe a sério, aquela cujo nome constará no cartão de cidadania proposto pela Bloca. Da mesma forma, a prostituição legal, para evitar o risco de degradação psicossocial da Pessoa Humana, terá que ser desprovida de compensações monetárias, em géneros, em férias ou em lugares de nomeação política. Mesmo a angariação de clientes felizes contemplados deverá ser feita com transparência, recorrendo ao mais profundo respeito, respeito não indecoroso que evite que o proto-orgasmante incorra no crime de piropo.

Ainda há quem se queixe do progresso.

Anúncios
14 comentários leave one →
  1. ali kath permalink
    28 Maio, 2016 10:20

    ‘abaixo a inspecção médica,
    o HIV, a hepatite C e a sifilis são do povo’

    Gostar

    • 28 Maio, 2016 10:23

      Inspecção médica obrigatória para todas as mulheres, só para ter a certeza. Lá porque estão casadas há 40 anos com um tipo, isso não quer dizer nada. Nunca confiar.

      Liked by 1 person

  2. Nulo permalink
    28 Maio, 2016 10:40

    Como eu gosto das “Pessoas Humanas”.
    Só uma pergunta: a prostituição não é uma relação de troca? Segundo os valores de mercado?
    Se não, é só por amor(?) … e então as despesas de sobrevivência? pode ser aceite contribuições para pagar as despesas de sobrevivência? o que não é lucro e permite disponibilidade altruística para continuar a prestar os serviços necessários aos carenciados.
    Vou ter que ir falar com a Katarina, para saber como neste caso, pensa fazer, fez ou faz ….

    Gostar

    • 28 Maio, 2016 10:44

      Não pode ser uma relação de troca, o capitalismo é vil, como sabemos. Tem que ser uma relação altruísta de cedência voluntária, sem contrapartidas que tornariam o acto numa imoralidade.

      Gostar

      • Nulo permalink
        28 Maio, 2016 11:57

        Tem razão Sr. Cunha, prontos desisto …
        Vou ter que dizer à minha amiga, que nem para os alfinetes vai conseguir, para arranjar outra ocupação.
        Só se houver um subsídio, deve haver qualquer coisita para estes casos. Coitada é tão boa moça!
        Talvez se aplique aqui o Rendimento Mínimo de Inserção.
        Para já vou-lhe dizer para ligar ao Sócrates a dizer que tem a renda para pagar e ele, como nós sabemos, é uma boa alma, socialista e tudo, só deve de precisar do IBAN para ajudar, mas isto dos bancos é uma chulice.

        Liked by 1 person

  3. Abre-latas permalink
    28 Maio, 2016 11:09

    Proponho prostitutas públicas tuteladas pelo Mário Nogueira e privadas com contrato de associação.
    Se houver uma privada ao pé de uma pública somos obrigados a ir à do estado mesmo se for feia e gorda.

    Gostar

    • O Bronco permalink
      28 Maio, 2016 11:23

      Ora nem mais. camarada.

      Caminhemos rumo ao socialismo. É que se virmos a questão por outro prisma, a feia e gorda púbiica tem tantos direitos com a boazuda privada.

      Gostar

      • 28 Maio, 2016 11:25

        Cuidado quando acederem à rede pública de prostituição, que @s profissionais estão muito bem sensibilizad@s para o crime do piropo.

        Liked by 1 person

  4. oscar maximo permalink
    28 Maio, 2016 11:45

    Estou ]a espera que saia a lei para casar com uma ricaça.

    Gostar

  5. bintoito permalink
    28 Maio, 2016 12:08

    Todas?

    Gostar

  6. Chopin permalink
    28 Maio, 2016 15:42

    Legalização, já!
    Custa-me lugar o canal 5 da TDT e ver aquelas 230 pessoas ali a trabalhar em ilegalidade.

    Gostar

  7. Arlindo da Costa permalink
    28 Maio, 2016 20:01

    A prostituição legalizada é uma das marcas identitárias do actual neo-liberalismo que assola a Europa.
    Qualquer dia vão legalizar a droga, liberalizar o aluguer de barrigas e de pénis. Tudo a bem do mercado. Da Procura e da Oferta.

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: