Saltar para o conteúdo

Extraordinário texto de Fernanda Câncio

6 Julho, 2018
by

Não; os papéis de género, os estereótipos de género não são um produto do delírio vitimista das e dos feministas. São muito reais e têm efeitos muito reais. É por assim ser, e por estarem tão enraizados e naturalizados, que é fundamental desconstruí-los, chamar a atenção para eles. Esta luta, ao contrário do que tantas vezes se diz, não é “simbólica” nem “fútil”. Porque foram os estereótipos de género que até 2015 (2015, leu bem) determinaram que o contrato coletivo de trabalho da indústria corticeira estabelecesse salários mais elevados, na mesma função, para os homens. E são os estereótipos de género que, ao manter a famigerada “divisão de tarefas”, mais contribuem para o declínio da natalidade. Longe de serem uma “luta ridícula”, e “fora da realidade”, são a essência do problema, e de vários problemas. Ridículo é negá-lo. (link)

Anúncios
16 comentários leave one →
  1. 6 Julho, 2018 17:26

    Vaca.

    Gostar

    • Euro2cent permalink
      6 Julho, 2018 21:10

      Por favor, pare de ofender esses honestos animais que dão leite e bifes (e às vezes touros).

      Até intelectualmente são muitos superiores – nunca ninguém viu uma vaca (quadrúpede) dizer disparates deste calibre.

      Às vezes lá largam um bocado de metano, mas nada tão tóxico.

      Gostar

  2. 6 Julho, 2018 17:34

    Diz a maior defensora do aborto. Infelizmente é este rebanho que domina os media, as universidades e o ambiente politico na corte lisboeta.

    Gostar

    • Euro2cent permalink
      6 Julho, 2018 21:13

      Acho que deviam dedicar-se ao futebol.

      Tratavam de ir igualar salários e etc para lá, e quando acabassem vinham outra vez chatear a pevide ao público em geral.

      (Boa sorte)

      Gostar

  3. Mario Figueiredo permalink
    6 Julho, 2018 17:38

    Eu não diria que é a razão principal, mas a Fernanda Câncio tipifica por aí uns 10% dos casos de violência doméstica neste país.

    Gostar

  4. Raghnar permalink
    6 Julho, 2018 17:51

    Pois, são excelentes a “desconstruir” em busca do Homem-Novo. Nunca resultou bem para ninguém, mas “desta é que vai ser”…

    Gostar

  5. rui a. permalink*
    6 Julho, 2018 17:54

    Por acaso, gostava de a ver a trabalhar na indústria da cortiça, a descascar as árvores e a acartar, no lombo, com as capas retiradas.

    Gostar

  6. 6 Julho, 2018 18:12

    Há sessenta anos, uma minha tia-avó, já falecida, trabalhava no campo e na indústria, a carregar sacas e braçadas do que houvesse para carregar, e nunca um seu empregador hesitou em pagar-lhe o mesmo que pagava a qualquer homem que fizesse aquele trabalho. Um pormenor talvez insignificante para o raciocínio desta cosmopolita f é que a minha tia tinha quase um metro e oitenta e um corpo de lançadora olímpica de disco. Aparecesse câncio, com a sua triste figurinha, perante aqueles mesmos patrões a exigir tratamento igual, e seguramente receberia uma gargalhada como resposta – deles e da minha tia.

    Gostar

  7. 6 Julho, 2018 19:50

    Por acaso, só por acaso, a recolher resina dos pinheiros, as mulheres são mais bem pagas, mas só por acaso.

    Gostar

  8. Juromenha permalink
    6 Julho, 2018 23:15

    Uma mulher definitivamente pública a escrevinhar no DN…

    Gostar

  9. anonimo permalink
    6 Julho, 2018 23:28

    O mostrengo que está no Campus
    Na noite de breu ergueu-se a voar;
    À roda do Rego das Mamas voou três vezes,
    Voou três vezes a chiar,

    E disse: «Quem é que ousou gastar
    O dinheiro que foi gamado,
    Em Hoteis e putedo no fim do mundo?»
    E a gaja do Rego das Mamas disse, tremendo:

    «Eu nem sabia de onde era oriundo»
    «E que diária é esta a mil paus por cabeça ?
    E que putedo é este do mais profundo ?”
    Disse o mostrengo, e rodou três vezes,

    Três vezes rodou imundo e grosso.
    «Quem andou a gastar o que não era seu,
    Por locais onde ninguém vos visse
    Escorrendo os dedos em luxúria sem fundo?»

    E a gaja do Rego das Mamas tremeu e disse:
    « Foi ele e só ele em cada segundo”
    Três vezes ao céu as mãos ergueu,
    Três vezes nas mamas com elas bateu,

    E disse no fim de tremer três vezes:
    «Aqui eu sou uma pobre desgraçadinha:
    Sou apenas as mamas que o gajo lambeu;
    E mais que o Juiz, que minha alma teme,

    Depois de perceber que fui enganadinha
    Até o Rego das Mamas geme
    Devido às férias onde fui comidinha.”

    Gostar

  10. chipamanine permalink
    7 Julho, 2018 09:10

    fazendo um comentario marialva: esta tipa anda a deixar comer mal!

    Gostar

  11. Abílio Santos permalink
    7 Julho, 2018 11:57

    Os vibradores dela produzem esperma?

    Gostar

  12. 7 Julho, 2018 14:41

    Acho que este homem só escreve na imprensa por ter ido ao grelo do Sócrates.

    Gostar

  13. Francisco G. Noné permalink
    30 Julho, 2018 23:20

    Concordo: para trabalho igual, salário igual. Já é assim no Estado (Administração Pública) há muitíssimo tempo…Mas estamos francamente a melhorar…neste aspecto!

    Gostar

Indigne-se aqui.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: