Skip to content

Quem querem as pessoas que vença isto das primárias dos socialistas?

28 Setembro, 2014

Para o comunista

É indiferente. O poder do PCP está nos sindicatos e há um limite à pressão que se consegue fazer através de greve. São do contra seja com quem for.

Para o bloquista

São 10 pessoas. Que interessa o que querem?

Para o CDS de Portas

Costa. O discurso dos descamisados serve perfeitamente o propósito de Portas, quer no governo, quer na oposição.

Para o PSD socialista

Seguro. Se se conseguirem livrar do Passos Coelho, o desgaste de três anos na oposição do líder socialista permitem uma maior esperança de vitória nas legislativas.

Para o PSD liberal

Costa. Uma coisa foi governar com o memorando, outra é governar exclusivamente para os grupos de pressão internos. A melhor situação para liberais é permitir que Costa seja o Hollande português, catapultando o socialismo para a má memória de onde nunca devia ter saído.

Para o Zé

É indiferente. Quem manda é a realidade, são todos uns mentirosos, quero lá saber.

Primeiro estranha-se. Depois entranha-se

28 Setembro, 2014

«Uma professora do ensino básico foi agredida esta quarta-feira dentro da sala de aulas da Escola Básica n.º 2 em Rossio ao Sul do Tejo, pelos pais de um aluno, tendo sido transportada ao Hospital de Abrantes. Fonte do estabelecimento de ensino disse à agência Lusa que a professora em questão chamou os pais devido a situações de alegados maus comportamento do aluno. A mesma fonte disse que a professora ficou ferida nas mãos e num braço, a par de uma crise de ansiedade emocional.

“Os pais do aluno em questão entraram na sala de aulas, no início da primeira aula da manhã, culparam a professora pelo alegado mau desempenho comportamental do filho e agrediram-na nas mãos e num braço”, acrescentou. A maioria dos alunos, de uma turma do 4.º ano da escola básica do Rossio, que assistiram às agressões, “foram para casa por questões emocionais”, disse. Os restantes alunos “foram divididos” pelas outras turmas do estabelecimento de ensino.

Fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém confirmou a ocorrência à Lusa.  O alerta foi dado às 9h21. Ao local ocorreram os bombeiros de Abrantes, com um veículo de socorro e a PSP. Jorge Soares, porta-voz da PSP de Santarém, disse à Lusa que “a agressora foi identificada e o caso, por configurar um caso de crime público, vai ser remetido para o Ministério Público”.» Jornal de Notícias, 24 de Setembro de 2014.

Alguém encontrou uma declaração do Ministério da Educação sobre este caso? E dos sindicatos? Primeiro estranha-se. Depois entranha-se. Tema do meu artigo de hohe no Observador.

O centralismo nunca descansa

27 Setembro, 2014

Isto é tipicamente o centralismo no seu pior. E a burocracia a justificar-se a si mesma.

Ou seja, quem tem competência, como não podia deixar de ser,  para negociar acordos com os sindicatos é cada município individualmente. Mas vem o poder central dizer «ah, mas é preciso um ok nosso, senão não vale». Mas a proposito de quê? A que titulo se arroga o MF de interferir na negociação entre município e sindicatos? Passado um ano e com 400 acordos já em vigor, agora irá o MF «analisar» cada acordo individualmente  e decidir.

Está-se a ver o resultado: atrasos imensos, pedidos de pareceres, conversinhas no gabinete, decisões contraditórias, uns municipios satisfeitos outros a reclamar que em igualdade de circusntancias lhe foi negado o sagrado ok ministerial. Tudo isso para quê? Para coisa nenhuma, só para chatear e  afirmar «a ultima palavra é de Lisboa» (e temos que dar que fazer a este pessoal administrativo que temos aqui na sede…).

Atente-se na arte retorica centralista deste parágrafo: «… irá o Governo dar resposta fundamentada às propostas de ACEEP remetidas pelas autarquias locais e desenvolver os necessários processos negociais no sentido de se alcançar o entendimento e consenso quanto aos diversos aspectos das propostas». Quer dizer, o Ministério, que na sua incompetência deixou arrastar a situação meses e meses,  e que nem parte é nos acordos, irá agora chantagear alguns municipios «ou vocês mudam isto ou a gente não dá o ok». É assim que se exerce o poder em Portugal, de forma incompetente e apenas para fazer prova de vida do seu podersinho de lixar a vida dos outros.

o defensor dos contribuintes está de volta

27 Setembro, 2014
by

O Dr. Paulo Portas lembrou-se agora, ao fim de mais de três anos de governo, que é ao estado que compete reduzir despesas para que os contribuintes possam pagar menos impostos. O raciocínio, de extrema complexidade, levou algum tempo a ser formulado, até atingir este estado de quase perfeição. Ora, para que o Dr. Portas não perca mais do seu precioso tempo a meditar por onde deverá iniciar tão grandiosa tarefa, a que ele se pretende integralmente votar na próxima legislatura, deixamos-lhe aqui uma sugestão: vender a RTP, mesmo que por um euro, negócio que pouparia muitos milhões aos portugueses, ainda que pudesse lançar alguns camaradas de armas no desemprego. O Dr. Portas, de regresso à defesa dos contribuintes, certamente que não enjeitará mais este compromisso eleitoral. E nós vamos acreditar nele.

Lavagem de imagem

27 Setembro, 2014

Logo agora que as coisas estavam a correr mal a Passos Coelho, aparece logo alguém a dar-lhe uma ajuda:

“Pedro Passos Coelho fez comigo o que todos os partidos fazem com os mais velhos: afastou-me”, diz Ângelo Correia

Triste Ocidente

27 Setembro, 2014

Os deputados da Câmara dos Comuns aprovaram hoje por ampla maioria a participação do Reino Unido nos ataques aéreos da coligação internacional contra posições dos ‘jihadistas’ do grupo Estado Islâmico no Iraque. A moção, apresentada pelo primeiro-ministro britânico, David Cameron, foi aprovada com 524 votos a favor e 43 contra.
O texto autoriza “o recurso a ataques aéreos” no âmbito de um apoio pedido pelo governo iraquiano e precisa que Londres “não enviará nenhum soldado britânico para as zonas de combate”.

Isto é um erro crasso. A incapacidade de explicar às opiniões públicas e às publicadas que paz e pacifismo não se confundem, antes pelo contrário, leva a decisões desastrosas como anunciar datas de retirada muito antes de se saber se tal será possível ou, como neste caso, afirmar que nunca se enviarão tropas terrestres e que tudo se limitará a uns assépticos bombardeamentos que naturalmente só serão assépticos até chegarem as primeiras imagens de uma casa onde após um desses bombardeamentos morreu uma família. Aí os que agora apoiaram estes bombardeamentos que por sinal se baseiam numa coisa muito criticada noutros cenários – o uso desproporcionado da força – terão medo de se tornar menos simpáticos e depois começa o que já vimos.

os dias difíceis do mês

26 Setembro, 2014
by

É sabido que certas almas mais sensíveis aguentam com maior dificuldade aqueles dias difíceis do mês, podendo mesmo, em casos extremos, ter ataques de raiva e agressividade incontida, proferindo insultos e impropérios sem fim, frequentemente acompanhados por coices, pontapés e socos no ar. Antigamente, antes de Freud, acreditava-se mesmo que estes recalcamentos mais extremados eram claros indícios de possessão diabólica, provocada por diabretes de baixo escalão nas hierarquias infernais, porque, para além das manifestações primitivas já referidas, as pobres vítimas ainda falavam e escreviam línguas que desconheciam, e tinham alucinações imaginando coisas que não viam e que não tinham existência.

Ora, vem isto a pretexto deste bom exemplo que aqui temos, em que uma criatura habitualmente gentil, provavelmente transtornada por esses dias difíceis do mês, verteu uma espécie de vómito pastoso e repugnante (outra das supostas provas de diabolismo) sobre um texto que aqui editei, que recortou, montou e colou com o esmero de uma costureirinha de província, invocando também, como destino das suas fúrias, coisas que certamente nunca viu nem leu, mas que ele imaginou que sim.

Vai-te tratar, pá!

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 34.864 outros seguidores